Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Um Mar de Pensamentos

Um mar de leituras. Um mar de sonhos. Um mar de conquistas, lutas e fracassos. Um mar de mil pensamentos. O diário de M*

Um Mar de Pensamentos

Um mar de leituras. Um mar de sonhos. Um mar de conquistas, lutas e fracassos. Um mar de mil pensamentos. O diário de M*

É Carnaval...

Fevereiro 12, 2018

Sou, certamente, um ser invulgar, de gostos e preferências distintas à maioria. Confesso que, uma parte de mim, sempre gostou de se destacar pela diferença. Não na forma de vestir mas no ser, estar e gostar. E, o Carnaval é daquelas épocas festivas que menos me cativa... juntamente com o Halloween. Bem sei que é uma época em que podemos ser diferentes, tomar personalidade e comportamentos opostos ao do nosso dia-a-dia mas, para mim, a verdade é que se trata de uma festividade simplesmente parva. Não consigo compreender a graça de adultos se mascararem de velhotes, mulheres/homens ou de índios e ciganos. Vejo, admito, mais piada nas crianças porque sempre considerei que Carnaval era para os mais pequenos.

 

A lógica daquela típica frase "É Carnaval e ninguém leva a mal." é, de longe, aquela que mais me desagrada. Não, o Carnaval não perdoa tudo... os excessos e abusos da época cometidos pelos adultos não pode ser esquecido numa patética frase. Apesar da data, não deixamos de viver numa sociedade onde existem regras, onde a liberdade de alguém termina quando invade a de outro, onde deve existir respeito por todo o género de diferenças, quer de opinião ou afins. 

 

Definitivamente, a data passa-me completamente ao lado... desde sempre. Nunca fui criança de achar piada à data e, em adulta, continuo sem a compreender. Contam-se, pelos dedos de uma mão, quantas vezes me disfarcei de livre vontade em menina. Sou uma pessoa alegre e divertida, tal e qual como sou, sem entrar em fantasias ou excessos. A vida, no fundo, já de si é um verdadeiro Carnaval. 

 

27658133_2221494354531170_7857465369141654773_n.jp

 

Resumindo: o meu Carnaval vai ser assim, talvez com menos livros do que na imagem de cima mas, na companhia de um bom livro. 

O M. lê...

Janeiro 24, 2018

Quando conheci o M., o meu namorado, à quase dois anos, ele não era dado à leitura. As leituras dele resumiam-se aos jornais, seja o desportivo ou generalista, e aos artigos específicos da sua área de trabalho. Não tinha o hábito de ler porque, como ele me confidenciou, não sabia muito bem o que ler.

 

Invejava, no entanto, o meu amor pela leitura. Impressionou-se com a recheada estante de livros que já tinha lido e com a pilha de leituras que parecia - e parece - nunca terminar. Comigo, onde quer que vá, anda na minha mala ou no banco do meu carro, um livro. Admirava-se que, sempre que esperava por ele, quase sempre fizesse agarrada a um livro. Cedo compreendeu que os livros eram como um amante... teria de aprender a lidar com uma mulher que adora ler. 

 

Um dia, porém, o M. confidenciou-me que gostava de ler mais, gostava de me acompanhar nas leituras, e pediu-me que o ajudasse. Perguntei-lhe sobre géneros literários com os quais se identificasse. Queria, para começar nesta coisa das leituras, uma leitura leve e agradável, que não puxasse muito por ele. Maldito Karma (de David Safier) foi uma das minhas sugestões, por já o ter lido e ainda ter o livro na estante, que o levou a desejar embarcar em novas aventuras literárias. Seguiram-se livros como Uma Praça em Antuérpia (de Luize Valente), A Sombra do Vento (de Carlos Ruiz Zafón) ou O Cônsul Desobediente (de Sónia Louro) e, cedo identificamos o género literário do meu M.: os livros onde a História seja escrita sem ornamentos ou romances, onde a Sociedade seja analisada e compreendida. O M., contrariamente a mim que prefiro o romance histórico, devora aqueles livros pesados de História, Política ou Sociedade e, tal como eu, detesta livros de terror. Vai lendo, volta e meia, outros géneros mas regressa sempre às suas paixões. 

 

O M. lê sempre que pode. Desliga a TV quando nada lhe agrada e lê. Porque trabalho aos fins-de-semana, lê enquanto estou a trabalhar, no café da terra. O livro não o acompanha sempre mas tira umas horas da semana para ler. Não lê todos os dias mas vai lendo. O M. descobriu o seu género literário. Não fui eu quem o incentivou a ler, foi ele quem quis compreender, com esforço, a minha paixão e acabou por ficar rendido. 

 

20180124_100646-01.jpeg

 

O M. lê e qualquer um pode abrir um livro... basta querer. O M. lê e qualquer pessoa que não possua o hábito da leitura pode descobrir o género literário que mais lhe agrade.... basta querer. O M. lê e qualquer pessoa pode dedicar alguns minutos do seu dia à magia da leitura... basta querer. O M. guarda os livros que comprou e já leu, porque muitos outros sairam da minha estante, numa caixa de sapatos e qualquer um pode transformar uma, ou várias, caixa de sapatos numa espécie de estante privada.

Os Meninos Que Enganavam os Nazis de Joseph Joffo.

Janeiro 11, 2018

20180111_174541-01.jpeg

 | 1/2018 | Os Meninos Que Enganavam os Nazis de Joseph Joffo relata a história surpreendente de sobrevivência dos irmãos Joffo numa França ocupada pelos Nazis.

 

Numa família parisiense judia, os irmãos Joseph e Maurice, vêem-se obrigados a cedo separarem-se dos pais e dos irmãos. O motivo é simples: os Nazis ocuparam Paris, iniciando a caça aos judeus da cidade. O pai decide, por isso, separar todos os elementos da família, ansiando que tal os salve dos campos da morte... juntos poderiam não sobreviver. Joseph, com 10 anos, e Maurice, com 12 anos, partem sozinhos para evitarem o trágico destino de brutalidade e morte. Entregues a si mesmos, o livro relata na primeira pessoa, por Joseph, as peripécias que o destino lhes coloca e a forma como os irmãos conseguiram fintar o homens de Hitler. 

 

É, numa escrita delicada e narrativa espontâneo, um livro recheado de esperança, amor e amizade. A luta pela sobrevivência e a vontade de escapar aos Nazis, leva a que dois meninos tão pequenos, se transformem cedo demais em adultos, agarrando-se à esperança de liberdade e reencontro com os seus pares. 

 

Uma história real adaptado à grande tela, Os Meninos Que Enganavam os Nazis estreou nos cinemas portugueses no passado mês de Dezembro de dois mil e dezassete.  

 

Avaliação (de um a cinco): 4* 

 

_____

 

 

Sinopse:

A luta pela sobrevivência contada por um menino judeu na França ocupada pelos nazis. Uma história verídica.

 

1941, Paris é uma cidade ocupada pelos exércitos nazis. O poder de Hitler controla a França; as perseguições e o medo pairam por todo o país. Joffo, um respeitado barbeiro judeu, decide dispersar a sua família de forma a evitar o destino cruel que os espera a todos. Depois da fuga dos filhos mais velhos, perante o perigo sempre à espreita, Joseph, de apenas dez anos, e Maurice, de doze, deixam também a capital, entregues a si próprios, para tentarem escapar à brutalidade e à morte. Uma impressionante história autobiográfica, narrada pelo irmão mais novo, cuja espontaneidade, ternura e humor comprovam o triunfo da amizade, da generosidade, do espírito de entreajuda.

Autor: Joseph Joffo, França (tradução de Ana Cardoso e João Cardoso)

Título Original: Un Sac de Billes

ISBN: 9789722361347

Editora: Editorial Presença

N.º Páginas: 256

Uma Coluna de Fogo de Ken Follett.

Outubro 25, 2017

8271.jpg

 Uma Coluna de Fogo é, soube-o depois de já ter terminado a leitura, a continuação de outros romances do autor nomeadamente Os Pilares da Terra (volume 1 e 2) e Um Mundo Sem Fim (também volume 1 e 2). Nunca li o primeiro mencionado, somente os dois volumes de Um Mundo Sem Fim e embora este novo romance de Follett referencie personagens ou pequenos apontamentos daquela saga, a verdade é que Uma Coluna de Fogo não exige que se leia as sagas anteriores para se compreender a narrativa. Portanto, se decidirem aventura-se na saga de Kingsbridge, a cidade principal dos livros mencionados, não necessitam de ler os quatro primeiros livros para compreenderem Uma Coluna de Fogo. 

 

Kingsbridge é, em 1558, uma cidade a fervilhar de mudança. O jovem Ned Willard regressa, no Natal desse ano, a uma terra divida pela guerra e ódio religiosa: de um lado a Igreja Católica, do outro a Igreja Protestante. O medo reina e não existe espaço para ideias de tolerância, colocando em causa relações de amizade, lealdade, fé e amor. A tempestade religiosa que varre a cidade e Inglaterra coloca Ned no lado oposto ao da jovem com quem deseja casar, Margery Fitzgerald.

 

A trágica relação dos jovens e os ideias de tolerância de Ned, levam-no a desejar mudar e, por conseguinte, o jovem decide abraçar a vida política juntando-se à causa e ideias da jovem Isabel Tudor. Inteligente, determinada e de ideias religiosas tolerantes, a jovem Isabel torna-se rainha de Inglaterra e toda a Europa se vira contra ela. Perspicaz, a jovem rainha cria uma rede secreta de espiões, onde Ned se inclui, por forma a evitar guerras, conspirações para a assinar ou revoltas. 

 

É numa Europa a fervilhar que Ned abraça a causa da rainha Isabel e embarca em perigosas missões que o levam a viajar por França, Escócia e Espanha. Numa Europa mergulhada no caos e extremismo religioso, o romance de Ned e Margery parece condenado à medida que os anos os afastam em ideias opostas.

 

Uma Coluna de Fogo é uma viagem à Europa Medieval, das viagens dos descobrimentos às guerras que opõem cristãos a protestantes, da tortura e das fogueiras, de intrigas, revoltas e conflitos. É um livro recheado de factos históricos marcantes e personagens reais - aliás, o autor identifica as verdadeiras personagens, por países, no final do livro -, onde uma mensagem se evidencia com clareza: a batalha não se trava contra a tolerância mas contra os tiranos que querem impor os seus ideias, a qualquer custo. Um romance histórico tão vivo pela escrita simples e sem floreados do autor, recheado de intriga, amor e suspense, cujas personagens são descritas, mesmo as mais complexas, de forma acessível e com a qual rapidamente nutrimos, ou não, afeição. 

 

Uma Coluna de Fogo de Ken Follett é, sem dúvida, uma leitura obrigatória aos amantes de romances históricos.

 

___

Sinopse:

Natal de 1558. O jovem Ned Willard regressa a Kingsbridge, e descobre que o seu mundo mudou.

As velhas pedras da catedral de Kingsbridge contemplam uma cidade dividida pelo ódio de cariz religioso. A Europa vive tempos tumultuosos, em que os princípios fundamentais colidem de forma sangrenta com a amizade, a lealdade e o amor. Ned em breve dá consigo do lado oposto ao da rapariga com quem deseja casar, Margery Fitzgerald.

Isabel Tudor sobe ao trono, e toda a Europa se vira contra a Inglaterra. A jovem rainha, perspicaz e determinada, cria desde logo o primeiro serviço secreto do reino, cuja missão é avisá-la de imediato de qualquer tentativa quer de conspiração para a assassinar, quer de revoltas e planos de invasão.

Isabel sabe que a encantadora e voluntariosa Maria, rainha da Escócia, aguarda pela sua oportunidade em Paris. Pertencendo a uma família francesa de uma ambição brutal, Maria foi proclamada herdeira legítima do trono de Inglaterra, e os seus apoiantes conspiram para se livrarem de Isabel.

Tendo como pano de fundo este período turbulento, o amor entre Ned e Margery parece condenado, à medida que o extremismo ateia a violência através da Europa, de Edimburgo a Genebra. Enquanto Isabel se esforça por se manter no trono e fazer prevalecer os seus princípios, protegida por um pequeno mas dedicado grupo de hábeis espiões e de corajosos agentes secretos, vai-se tornando claro que os verdadeiros inimigos ? então como hoje ? não são as religiões rivais.

A batalha propriamente dita trava-se entre aqueles que defendem a tolerância e a concórdia e os tiranos que querem impor as suas ideias a todos, a qualquer custo.

 

Título Original: A Column of Fire

Autor: Ken Follet

ISBN: 9789722360845

Edição ou reimpressão: Setembro de 2017

Editor: Editorial Presença

Idioma: Português

Páginas: 768

Um Mais Um de Jojo Moyes.

Outubro 09, 2017

image.jpg

 Jess Thomas é mãe de Tanzie e Nicky. Separada do pai das crianças, Jess faz o seu melhor, dia após dia, embora a vida nem sempre lhe seja. Sozinha, os magros rendimentos que consegue dos dois trabalhos mal chegam para pagar as despesas diárias, dificultando-lhe a possibilidade de acompanhar os filhos em crescimento. É, no entanto, uma mulher determinada e optimista, que acredita que praticando o bem o universo, cedo ou tarde, retribuirá.

 

Nicky, o enteado de Jess, é um adolescente diferente, tímido e reservado. Abandonado pela mãe e com o pai permanentemente ausente e desligado da sua vida, Nicky sente que não pertence a lado algum, sendo incapaz de exprimir o que lhe vai na alma. Sozinho, tenta fazer frente às perseguições de que é alvo na escola mas, a cada dia que passa, Nicky parece afundar-se. Tanzie, a filha de Jess, é uma menina especial. Dotada na Matemática, a sua área favorita, Tanzie anseia pela oportunidade de crescer e brilhar. Porém, as dificuldades financeiras da família impossibilitam-na de alcançar o seu sonho... 

 

Quando a possibilidade de mudar o rumo catastrófico da família se afigura, Jess não hesita, abraçando-a sem medir consequências. É a perspectiva de mudar o destino de todos que leva Jess a tropeçar no caminho de Ed Nicholls. 

 

Ed Nicholls é um homem abraços com graves problemas na justiça e um passado difícil. Ele sabe o que é a solidão e quer ajudar os membros da família Thomas. 

 

Uma aventura inesperada em que os quatro elementos - na verdade, cinco, contando com Norman, o cão da família - embarcam e que mudará a vida de todos os protagonistas.

 

Um Mais Um é um romance delicioso e cativante, onde temas delicados são abordados com mestria e sensibilidade. Uma família caótica, desajustada e honesta que poderia muito bem ser o retrato de uma família real. Jojo Moyes dá voz, em cada novo capítulo, a cada um dos protagonistas revelando sentimentos e pensamentos sobre o que vivem. Uma escrita ligeira e cativante, cada personagem mostra-nos porque é que imporrtante nunca desistir de lutar e sonhar. Um livro capaz de nos roubar lágrimas...

 

___

Sinopse:

Uma mãe por conta própria
Jess Thomas faz o seu melhor, dia após dia. É difícil lutar sozinha.
E, por vezes, assume riscos que não devia. Apenas porque tem de ser…

Uma família caótica
Tanzie, a filha de Jess, é uma criança dotada e brilhante a lidar com números, mas sem apoio nunca terá oportunidade de se revelar.
Nicky, enteado de Jess, é um adolescente reservado, que não consegue sozinho fazer frente às perseguições de que é alvo na escola.
Por vezes, Jess sente que os filhos se estão a afundar…

Um desconhecido atraente
Ed Nicholls entra nas suas vidas. Ele é um homem com um passado complicado que foge desesperado de um futuro incerto. Ed sabe o que é a solidão. E quer ajudá-los…

Uma história de amor inesperada
Um mais um - A fórmula da felicidade é um romance cativante e original sobre duas pessoas que se encontram em circunstâncias difíceis.

 

Título: Um Mais Um - A Fórmula da Felicidade

Título Original: The One Plus One
Autora: Jojo Moyes

ISBN: 9789720030023

Edição ou reimpressão: Agosto de 2017

Editor: Porto Editora

Idioma: Português

Páginas: 424

companhia literária...

Mais sobre mim

foto do autor

Mensagens

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Sigam-me

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
| A literatura é a maneira mais agradável de ignorar a vida. Fernando Pessoa. |