Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Um Mar de Pensamentos

Um mar de leituras. Um mar de sonhos. Um mar de conquistas, lutas e fracassos. Um mar de mil pensamentos. O diário de M*

Um Mar de Pensamentos

Um mar de leituras. Um mar de sonhos. Um mar de conquistas, lutas e fracassos. Um mar de mil pensamentos. O diário de M*

É Carnaval...

Fevereiro 12, 2018

Sou, certamente, um ser invulgar, de gostos e preferências distintas à maioria. Confesso que, uma parte de mim, sempre gostou de se destacar pela diferença. Não na forma de vestir mas no ser, estar e gostar. E, o Carnaval é daquelas épocas festivas que menos me cativa... juntamente com o Halloween. Bem sei que é uma época em que podemos ser diferentes, tomar personalidade e comportamentos opostos ao do nosso dia-a-dia mas, para mim, a verdade é que se trata de uma festividade simplesmente parva. Não consigo compreender a graça de adultos se mascararem de velhotes, mulheres/homens ou de índios e ciganos. Vejo, admito, mais piada nas crianças porque sempre considerei que Carnaval era para os mais pequenos.

 

A lógica daquela típica frase "É Carnaval e ninguém leva a mal." é, de longe, aquela que mais me desagrada. Não, o Carnaval não perdoa tudo... os excessos e abusos da época cometidos pelos adultos não pode ser esquecido numa patética frase. Apesar da data, não deixamos de viver numa sociedade onde existem regras, onde a liberdade de alguém termina quando invade a de outro, onde deve existir respeito por todo o género de diferenças, quer de opinião ou afins. 

 

Definitivamente, a data passa-me completamente ao lado... desde sempre. Nunca fui criança de achar piada à data e, em adulta, continuo sem a compreender. Contam-se, pelos dedos de uma mão, quantas vezes me disfarcei de livre vontade em menina. Sou uma pessoa alegre e divertida, tal e qual como sou, sem entrar em fantasias ou excessos. A vida, no fundo, já de si é um verdadeiro Carnaval. 

 

27658133_2221494354531170_7857465369141654773_n.jp

 

Resumindo: o meu Carnaval vai ser assim, talvez com menos livros do que na imagem de cima mas, na companhia de um bom livro. 

Mudar...

Outubro 04, 2017

A minha superior, ou chefe de equipa, perguntou-me se continuava a responder a ofertas de emprego. Ela sabe que tenho mais do que a licenciatura e que, embora até goste do que faça, não me encontro totalmente feliz. Obviamente que sim, respondi-lhe. Apesar de já me encontrar efectiva à empresa, disse-lhe, não tencionava fazer da minha vida profissional a reposição como operadora de loja de um supermercado. A minha colega, licenciada em Educação Básica e mãe de um menino, deixou-se acomodar pela idade, pelo gosto que acabou por adquirir ao trabalho e pela segurança que o situação lhe dá. Mas eu não, admito.

 

A cada dia que passa, cresce a necessidade de mudar. Continuo a responder a ofertas diversas de emprego mas, dentro ou fora da minha área de formação, me recuso a trocar uma situação de certeza pela incerteza. Não procuro estágios ou recibos verdes mas algo que me dê estabilidade financeira. Não tenho filhos mas tenho projectos a nível pessoal que desejo concretizar e que na incerteza dificilmente me aventurarei.

 

É esta dualidade de sentimentos, a vontade de mudar com o receio de cair na instabilidade financeira que me assusta na hora de enviar o currículo. Se, a isto aliarmos o facto de morar numa zona onde o factor C é poderoso e as ofertas de emprego são quase limitadas à restauração, hipermercados ou industrias, sinto que dificilmente - para não ser totalmente pessimista - conseguirei mudar... 

 

De tudo isto, quiçá, o que me entristeça mais foi nunca ter tido a oportunidade de trabalhar na minha área de formação... e é revoltante tantos anos em redor de livros para acabar a repor produtos alimentares. 

 

mudar2-696x394.jpg

 

Como diz a música de António Variações, 

 

Muda de vida se tu não vives satisfeito.

Oito da manhã.

Setembro 26, 2017

Nunca compreenderei aquelas almas que, pouco antes das oito e trinta da manhã, aguardam impacientemente a abertura de um hipermercado. Juro que não os compreendo... e eu que dava tudo para estar a dormir àquela hora.

Por aqui,

Setembro 25, 2017

já choveu. O céu acordou de um cinzento tristonho. À hora de almoço o nevoeiro cobriu a vista e, com ele, o frio que se entranha no corpo. Pouco passam das 17 da tarde e paisagem que outrora mal se via, veste-se de claridade, azul, sol e calor.

 

Isto é um claro sinal de que vivo numa vila de clima especial, único, quase tropical ou sinal/efeito das mudanças climatéricas? 

O drama de acordar cedo,

Setembro 16, 2017

é que chegamos às oito da noite e parece que fomos atropelados por um comboio. Contextualizando: eu sou daquelas que acorda com as galinhas, às cinco para entrar uma hora depois e, embora já siga este horário já vai a caminho de dois anos, continuo sempre a sentir que nunca me irei habituar. 

companhia literária...

Mais sobre mim

foto do autor

Mensagens

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Sigam-me

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
| A literatura é a maneira mais agradável de ignorar a vida. Fernando Pessoa. |