Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Um Mar de Pensamentos

Um mar de leituras. Um mar de sonhos. Um mar de conquistas, lutas e fracassos. Um mar de mil pensamentos. O diário de M*

Um Mar de Pensamentos

Um mar de leituras. Um mar de sonhos. Um mar de conquistas, lutas e fracassos. Um mar de mil pensamentos. O diário de M*

12
Mar19

7 | A Última Ceia de Nuno Nepomuceno.

1540-1.jpg

A Última Ceia é o meu livro de estreia do escritor português Nuno Nepomuceno. Centrado na famosa obra de Leonardo DaVinci, o quadro A última ceia, o policial passa-se entre Lisboa, Londres e Milão e dá-nos a conhecer diversas personagens que contribuem para o desenrolar e desfecho da narrativa. O livro é inspirado nos mais famosos roubos a obras de artes ocorridos ao longo da História.

 

Sofia, uma jovem e bela mulher, conhece o milionário Giancarlo, numa visita à Igreja de Santa Maria delle Gazie, em Milão, onde é possível contemplar uma réplica do famoso quadro. O relacionamento desenvolvesse com altos e baixos, mostrando o lado excêntrico de Giancarlo e arrastando Sofia para um relacionamento tóxico. Porém, o que inicialmente parecia ser um conto de fadas, rapidamente se transforma num inferno quando o Afonso, professor e agente dos serviços secretos portugueses, contacta Sofia para lhe contar a teia de mentiras em que a namorado a mergulhou e, assim, com a ajuda dela, desmascarar Giancarlo que acreditam ser o responsável pelo roubo dos famosos quadros de Leonardo DaVinci. Sofia sente-se dividida, entre o amor e o medo que sente de Giancarlo, mas a personalidade obsessiva e controladora do namorado, levam-na a ajudar Afonso e as restantes policiais internacionais. E à medida que novas pistas são reveladas, um jogo de rato e gato, de vida e morte, se desenrola...

 

RA47.jpg

(o autor com a obra que inspirou o livro)

 

O nome de Nuno Nepomuceno não me era estranho. Li críticas muito positivas ao seu trabalho o que contribuiu para que eu alimentasse a curiosidade literária em ler os seus livros. De facto, as críticas ao seu trabalho não são exageradas: a sua escrita é simples mas cativante, um policial que nos prende desde a primeira página à última, deixando a duvida de quem será o responsável pelos roubos das artes permanecer até aos últimos capítulos. Resumindo, não sei como não li mais cedo Nuno Nepomuceno. A Última Ceia é uma narrativa que se lê muito bem, deixando cada capítulo em suspense, obrigando o leitor a querer retomar a leitura num breve espaço de tempo. É um livro bem estruturado e documentado, mostrando o excelente trabalho de pesquisa desenvolvido pelo autor. Por outro lado, o livro faz referência a outros livros do autor, reaproveitando a personagem de Afonso e de outra personagem (e, julgo que igualmente de Sofia), o que acalentou o desejo de voltar a ler mais livros destes autor.

 

- O amor é um sentimento poderoso. Pode levar-nos a fazer coisas das quais nunca julgámos ser capazes. (p. 39)

 

- Então, e o passado? - perguntou-lhe. - Como é que o enterro?
(...)

- Olha para o presente, meu filho - aconselhou-o ele, envolvendo-lhe novamente as mãos. - E aproveita todas as oportunidades de redenção que ele te der. (p. 92)

 

- As mulheres sabem mentir com maior naturalidade porque têm de fazê-lo desde muito cedo, seja para protegerem os filhos, agradar os maridos ou singrar profissionalmente. É um ato de sobrevivência num mundo que ainda é dominado pelos homens. Privadas de força, usam a inteligência para obterem o que querem. (p. 183)

 

Avaliação (de um a cinco): 3.5*

 

entrada-site-lcor.jpg

 

---

 

A Última Ceia de Nuno Nepomuceno 
ISBN: 9789898886385
Edição ou reimpressão: 01-2019
Editor: Cultura Editora
 
SINOPSE

Uma nota enigmática é encontrada junto a lascas de tinta e tela, e à moldura vazia de um quadro famoso. O ladrão deixou um recado. Promete repetir a façanha dentro de um ano. De visita à igreja de Santa Maria delle Grazie em Milão, uma jovem mulher apaixona-se por um carismático milionário. Mas quando alguns meses depois é abordada por um antigo professor, Sofia é colocada inesperadamente perante um dilema. Deverá denunciar o homem com quem vai casar-se, ou permitir tornar-se cúmplice deste ladrão de arte irresistível?

Enquanto a intimidade entre o casal aumenta, um jogo de morte, do gato e do rato, começa. E aquilo que ao início aparentava ser um conto de fadas, transforma-se rapidamente num pesadelo, enquanto um plano ousado e meticuloso é urdido para roubar a obra-prima de Leonardo da Vinci. Requintado, intimista, inspirado em acontecimentos verídicos, A Última Ceia transporta-nos até ao elitista mundo da arte. Passado entre Londres e Milão, habitado por uma coleção extraordinária de personagens, para as quais a ambição e fama sobrepõem-se a qualquer outro valor, este é um thriller sofisticado de leitura compulsiva. Uma viagem surpreendente ao centro de uma teia de intrigas, romances e traições.

companhia literária...

Mais sobre mim

foto do autor

| A literatura é a maneira mais agradável de ignorar a vida. Fernando Pessoa. |

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D

Mensagens

Sigam-me

Facebook