Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Um Mar de Pensamentos

Um mar de leituras. Um mar de sonhos. Um mar de conquistas, lutas e fracassos. Um mar de mil pensamentos. O diário de M*

Um Mar de Pensamentos

Um mar de leituras. Um mar de sonhos. Um mar de conquistas, lutas e fracassos. Um mar de mil pensamentos. O diário de M*

13
Mar19

Sobre os programas da Sic e Tvi: a minha opinião.

No domingo passado, eu e o meu namorado decidimos assistir ao programa de estreia da SIC, Quem quer namorar com o agricultor?. Pessoalmente, este género de programas, quer o da SIC quer o da TVI - Quem quer casar com o meu filho? e que acabei por ver uma parte no dia seguinte - não me atraem, tal como não me cativou os similares que os mencionados canais já transmitiram no passado. Todavia, assisti para também puder falar e argumentar sobre os mesmo. 

 

Quem-Quer-Casar-Shifter.jpg

 

Muito se escreveu sobre eles: sobre a falta de criatividade das televisões portuguesas, sobre a procura de exposição mediática dos participantes, sobre a objectivação da mulher e a reprodução de estereótipos. A Cristina Ferreira, no seu instagram, defendeu o formato transmitido pela SIC, como sendo uma forma de mostrar que Portugal é mais do que Lisboa: "Portugal não é Lisboa. Portugal não é urbe. Portugal é também campo, isolamento, tradição e solidão. Para perceberes o pensamento tens de perceber as condições. A minha tarefa é ajudar na mudança. Mas é também perceber a diferença. E saber que tudo muda, mas devagarinho." Sim, de facto o formato mostra uma realidade que talvez poucos conhecem mas não deixa de colocar a mulher numa posição ingrata e desvalorizar o amor. Mas, tal como o formato mostra o outro lado de Portugal, também acredito que os criativos de conteúdo do canal de Paços de Arcos conseguiriam fazer nascer um programa que mostrasse esse lado desconhecido, sem expor as mulheres como gado. Em oposição, o programa da concorrência mostra-nos meninos de 20, 21, 22 anos com desejos de casar (eu, com 30, não tenho esse desejo mas, cada um com a sua tolice), em que as mamãs dos pequenos avaliam e escolhem as futuras noras, com base em premissas como o saber cozinhar ou arrumar a casa, fumar ou ter filhos. Resumindo, se um coloca as mulheres como se de uma venda de gado se tratasse, o outro opta por retroceder no tempo como se as mulheres de hoje se assemelhassem às nossas avós, bisavós e às do século XVIII.

 

Os formatos são errados mas, infelizmente, traduzem e reflectem a realidade. A luta das mulheres pela igualdade não termina nem terminará nos próximos tempos e estes programas mostram-nos. A SIC e a TVI são, com os programas do género que já transmitiram e pretendem transmitir, o espelho da sociedade. Ficamos chocados com a forma como uma mãe questiona uma mulher sobre os conhecimentos de cozinha para, futuramente, alimentar o seu filho... mas, quantas de nós já não ouviu o choque de outrem, homens e mulheres, por não sabermos cozinhar? Ou quantos de nós, homens e mulheres, não fomos condenados por termos filhos fora do casamento ou assumirem novo relacionamento com filhos de outrem? Quantos de nós, homens e mulheres, não recebemos olhares negativos relativamente ao aspecto físico? Nada disto é correcto mas, infelizmente, é a realidade e este género de programas demonstra-os. Obviamente que, na guerra das audiências, o objectivo dos programas não é educar ou fazer-nos reflectir sobre o que precisamos de mudar, mas acabam por ser um género de chamada de atenção para todos nós e na forma errada como educamos... seria de prever que esta geração de mamãs e filhos fosse menos retrogada mas enganamo-nos redondamente. 

 

Cabe a cada um de nós, homens e mulheres, saber educar para quebrar o reflexo que estes programas transmitem. Não é objectivo dos canais privados educar a sociedade, mas cabe a cada um de nós, homens e mulheres, educar para a igualdade. É chocante e revoltante a forma que ambos os programas assumem, mostrando um retrocesso nos direitos e na luta das mulheres mas, e se, no fundo, esse progresso em que tantos de nós acreditavamos estar a acontecer, na verdade, nunca tivesse passado de uma ilusão? Existe tanto por fazer, tanto por lutar, tanto por mudar.

 

No meio de tudo o que já se escreveu e que eu mesma escrevi, saltaram-me algumas questões à mente, como:*

 

O que é que leva mulheres jovens e bonitas a participar neste género de programas? O que leva jovens citadinas e independentes a considerarem que o amor das suas vidas está no campo? E o que leva aqueles homens a acharam que é num programa televisivo que vão encontrar a parceira ideal?

 

O que é que leva jovens bonitos de 20, 21, 22 anos a desejarem casar? E, sobretudo, porque é que consideram que a escolha da mãe seja a mais acertada? O que é que aquelas mães andaram a ensinar aos seus filhos sobre o que é uma mulher para casar?

 

Onde é que entra realmente o amor nestes género de programas?

 

Porque é que os mesmos formatos foram sucesso de audiências noutros países e, em Portugal, eles foram massacrados com críticas? 

 

*Se alguém tiver resposta a estás questões, por favor, deixe-as nos comentários.

 

Eu, enquanto mulher e, quem sabe, futura mãe, revi nestes programas aquilo que não quero ensinar aos meus filhos: a objectivação e desvalorização da mulher e do amor. 

companhia literária...

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

| A literatura é a maneira mais agradável de ignorar a vida. Fernando Pessoa. |

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D

Mensagens

Sigam-me

Facebook