Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Um Mar de Pensamentos

Um mar de leituras. Um mar de sonhos. Um mar de conquistas, lutas e fracassos. Um mar de mil pensamentos. O diário de M*

Um Mar de Pensamentos

Um mar de leituras. Um mar de sonhos. Um mar de conquistas, lutas e fracassos. Um mar de mil pensamentos. O diário de M*

16
Out18

Situação profissional: perdida.

Quando, no início deste ano, resolvi abraçar um novo projecto profissional sabia que as minhas rotinas seriam alteradas, embora não tivesse pensado muito nas mesmas.

 

O motivo principal que me levou a mudar de algo que parecia estável, nos quadros de uma grande empresa de hipermercados, foi a manifestada vontade em mudar de secção (quando tal nunca é bem encarado pelos superiores) e, por conseguinte e muito mais, a pressão psicológica que senti deste últimos. Não vou entrar em detalhes sobre o tema porque tal entra num campo muito pessoal e, neste momento, não me sinto capaz de falar mas, sentia que se algo não mudasse, eu acabaria por ter um esgotamento. Por outro lado, como licenciada e mestre, tinha ambições e objectivos que enquanto operadora de loja não conseguia combater: o sonho de trabalhar na minha área. Quando, nas inúmeras entrevistas a que fui, me colocavam a questão sobre a situação profissional era incontornável, embora eu tenha tentado evitar, confirmar que já fazia parte da empresa e imediatamente sentia as portas fecharem-se com justificações improváveis. Foram horas passadas à frente do computador, entre envios de emails, consulta de ofertas e entregas em mão do CV actualizado, sem qualquer sucesso. Sentia-me frustrada e triste porque, embora numa situação ambicionada por muitos, o meu trabalho não era reconhecido e desvalorizado (na verdade, só o foi depois de me despedir)... queria e sonhava com mais. A caminho dos trinta anos, sentia que não era de todo aquilo que eu queria fazer e, por isso, nas minhas férias, dediquei-me em exclusivo à tarefa de procurar um novo trabalho... e consegui.

 

A empresa para a qual trabalho, desde o início deste ano, não é na área comercial mas é quase como se fosse. Desloco-me para qualquer zona, em trabalhos diversos, numa viatura da empresa e telemóvel deles. Não trabalho os fins-de-semana ou feriados, como anteriormente, mas o meu horário nunca é fixo e independentemente da distância a que esteja, mais ou menos próxima de casa, não o termino mais cedo. O salário é, embora pouco significativo, menor do que quando trabalhava como operadora de loja. Os superiores contactam via email ou telemóvel, presencialmente, só quando algo de grave acontece. Não existe qualquer relação com colegas de trabalhos - pelo menos, no meu caso. Parece, aos olhos de muitos, um bom emprego mas não o é para mim. É rotineiro porque, apesar de nunca ser no mesmo local, não se alterar. Não existem possibilidades de crescimento. É fisicamente desgastante pelas horas que passo no automóvel e sinto, novamente, a sensação de frustração e tristeza porque não me sinto activa, plena nem desenvolvida intelectualmente. Sinto que me atirei de cabeça, sem ponderar nos benefícios e desvantagens de mudar, pela necessidade e pressão que sentia e que acabariam com a mudança de superiores passados três meses de me mudar profissionalmente... foi, para muitos, a melhor coisa que fiz mas eu não tenho tanta certeza disso.

 

Profissionalmente sinto-me completamente perdida e confusa. Procuro, tal como já o fiz no passado, diariamente novas oportunidades de emprego que não aparecem. É, na minha zona, sempre mais do mesmo: comerciais, fábricas e operadores de loja. Parece que nunca muda, embora os dias e semanas passem, os anúncios repetem-se. As poucas ofertas profissionais que encontro e às quais sinto que teria capacidades para responder e crescer, como administrativo ou recursos humanos, nunca pareço satisfazer as necessidades dos recrutadores. É esgotante. Não sinto que ser comercial seja para mim e tenho receio de trabalhar em fábricas, por tudo o que de negativo já ouvi. E são estes sentimentos meios confusos a nível profissional que me fazem pensar que se alguém me tivesse dito, no passado como seria o meu presente, talvez eu não tivesse arriscado tanto... O meu sonho e objectivo sempre foram o de trabalhar na minha área. Sempre quis mais... estudar, crescer, subir. Hoje compreendo que será realmente difícil e isso deixa-me revoltada, triste e frustrada. Embora eu não me imagine toda a vida a repor produtos alimentares, percebo que foi uma área da qual gostei e que me fez crescer pessoal e profissionalmente, mais do que a actual. E, com tudo isto, tenho receio de mudar novamente...

 

trabalho.jpg

 

A minha actual situação profissional é completamente perdida e confusa... preciso, urgentemente, de um mapa para me guiar. 

companhia literária...

11 comentários

Comentar post

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • M*

    acho que foi esse o meu problema com o segundo liv...

  • A rapariga do autocarro

    Esta saga é maravilhosa, acho que é por os livros ...

  • M*

    bolas... quando comprei a caixa, por estar entusia...

  • Magda L Pais

    Acho que me vou inscrever tambem :)já cá tenho est...

  • M*

    Sim, é mesmo :) mas obrigada*

| A literatura é a maneira mais agradável de ignorar a vida. Fernando Pessoa. |

Facebook

Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D