Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Um Mar de Pensamentos

Um mar de leituras. Um mar de sonhos. Um mar de conquistas, lutas e fracassos. Um mar de mil pensamentos. O diário de M*

Um Mar de Pensamentos

Um mar de leituras. Um mar de sonhos. Um mar de conquistas, lutas e fracassos. Um mar de mil pensamentos. O diário de M*

Línguas estrangeiras.

As línguas nunca foram o meu forte. Nunca fui uma aluna exemplar com o inglês, era terrivelmente péssima, e nem o francês, língua pela qual sempre senti forte atracção, consegui mais do que uns meros suficientes (o chamado revés). A única língua na qual me destaquei, obviamente para lá do português, foi o espanhol. Teoricamente, seria a minha língua oficial, uma vez que nasci num país onde se fala espanhol mas, na prática, vivendo em Portugal desde os meus cinco anos de idade (tenho vinte e nove), a verdade é que o meu espanhol é mais o chamado portunhol, aquela mistura de português com espanhol, do que um espanhol fluente ou sem sotaque ou pronúncia. De resto, embora goste da língua italiana mas sem qualquer conhecimento para além do básico, como bambino ou ragazza, tenho um grande défice com as línguas. 

 

Este ano, por me ter candidatado a uma oferta de emprego onde o espanhol é requisito essencial, decidi investir nestas lacunas linguísticas. Preciso, claramente, de lutar contra estas falhas que talvez tenham influenciado negativamente ofertas de emprego a que me candidatei.

 

A primeira aposta é notoriamente com o espanhol. Eu entendo e compreendo muito bem a língua mas, na hora de falar, é mais do género "desenrasco-me"... o mesmo se aplica à escrita. Quando enviei o meu currículo a candidatar-me à vaga de emprego, fiz-o em espanhol recorrendo frequentemente ao "amigo google". Aproveitando o facto de morar próximo da fronteira com Espanha, decidi dar um saltinho até lá e adquirir dois livros na língua de "nuestros hermanos". Sim, a minha estratégia para aperfeiçoar o espanhol é ler mais na língua de Cervantes, ouvir músicas e assistir a séries cuja tradução esteja, escrita ou oral, em espanhol. E, claro, sempre que me for possível, quer no meu actual trabalho - como operadora de loja -, quer em casa - os meus pais ainda falam muito bem a língua -, tentar falar o máximo de espanhol. Acredito que estás opções me ajudaram a melhorar na primeira língua que aprendi. Afinal, as primeiras palavras que proferi, escrevi ou o primeiro livro que li foi em língua espanhola. O meu problema é, contudo, a escrita: não sei como treinar a escrita... o que me sugerem?

 

Quanto à língua inglesa, por agora, fica em stand-by... na verdade, qualquer outra língua. O meu foco é mudar de emprego e conseguir a vaga a que me candidatei em língua espanhol. Infelizmente, o facto de trabalhar por turnos rotativos, fins-de-semana incluídos, não ajudam a que consiga conciliar um curso com o trabalho. Provavelmente teria de optar por aulas particulares o que, de momento e por motivos financeiros, está totalmente fora de questão. No entanto e caso consiga realmente a vaga, será no inglês que investirei... porque quase todos os empregos pedem alguém que saiba relativamente bem inglês. O horário, sendo fixo, permite-me conciliar com um curso ou formações nocturnas. E, claro, à medida que conhecesse a língua de Shakespeare, aventurar-me nos livros. 

 

As minhas próximas leituras são, portanto, em língua espanhola...

 

20180116_191751-01.jpeg

 

Albert Espinosa é a leitura de cabeceira e David Saflier a próxima leitura.