Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Um Mar de Pensamentos

Um mar de leituras. Um mar de sonhos. Um mar de conquistas, lutas e fracassos. Um mar de mil pensamentos. O diário de M*

Um Mar de Pensamentos

Um mar de leituras. Um mar de sonhos. Um mar de conquistas, lutas e fracassos. Um mar de mil pensamentos. O diário de M*

21
Abr15

Conduzir,

definitivamente, detesto conduzir. É, para mim, um momento angustiante, de suores, medos e calafrios. O automóvel é bom, como o das escolas de condução - a gasóleo - mas eu, embirro com o bicho. Portanto, de cada vez que pego no meu ovo kinder - designação atribuída ao carro por ser um daqueles bichos pequenitos, de duas portas e quatro lugares - é como se estivesse a ser conduzida para a sala da enfermaria e, consequentemente, agulhas e injecções - quiçá, seja uma comparação ridícula mas, a verdade é que ambos produzem sentimentos semelhantes.

 

A verdade é que, tenho a carta de condução desde dois mil e sete mas só, à coisa de uns meses, é que recomecei a conduzir. Os longos anos de paragem, pelas longas ausências de casa em virtude da Universidade e pela falta de um carro disponível nos regressos a casa, fazem com que paragens e consequentes pontos de embraiagem e estacionamentos, sejam um verdadeiro tormento. Definitivamente não são para mim. O meu irmão tenta explicar-me - tenta, ele jura e eu acredito - mas, o moço não têm paciência para as explicações que, para ele, são simples... ou seja, desatamos os dois aos berros.

 

Mas, aquilo que mais me assusta na estrada, na condução, são os chicos-espertos da estradas, homens (na qual se incluí o chico-esperto do meu irmão) e mulheres que conduzem como se todos os que andam na estrada tivesse obrigação de saber conduzir à anos, conduzir a elevadas velocidades e fazer manobras estranhas... bolas, está malta não teve receio quando, nas primeiras vezes, se meteu num carro enquanto condutor? Será que não se lembram do que sentiram e das asneiras que cometeram nos primeiros tempos de condução? É que, senhores e senhoras, na estrada há gente como eu, com falta de prática e excesso de medo... Portanto, da próxima vez que se encontrem com as apelidadas lesmas/burros da estrada lembrem-se: provavelmente será alguém a dar os quilómetros na estrada.

companhia literária...

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • M*

    acho que foi esse o meu problema com o segundo liv...

  • A rapariga do autocarro

    Esta saga é maravilhosa, acho que é por os livros ...

  • M*

    bolas... quando comprei a caixa, por estar entusia...

  • Magda L Pais

    Acho que me vou inscrever tambem :)já cá tenho est...

  • M*

    Sim, é mesmo :) mas obrigada*

| A literatura é a maneira mais agradável de ignorar a vida. Fernando Pessoa. |

Facebook

Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D