Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Um Mar de Pensamentos

... nasce do desejo inconstante de partilhar um pouco de mim e do que sou numa espécie de diário. Resumo-me em: Maria, 32 anos, signo gémeos, amante de livros, sonhadora, romântica, dramática q.b., viciada em chocolates.

Um Mar de Pensamentos

... nasce do desejo inconstante de partilhar um pouco de mim e do que sou numa espécie de diário. Resumo-me em: Maria, 32 anos, signo gémeos, amante de livros, sonhadora, romântica, dramática q.b., viciada em chocolates.

A ousadia de lutar pela vida... é fácil falar quando não somos nós.

É fácil falar quando, um dia atrás do outro, um tecto nos protege das intempéries da vida. Um tecto que protege os nossos dias recheados de pequenos nadas aos quais pouco valor lhe atribuímos, um tecto onde abrigamos os pequenos nadas que recheiam as nossas vidas, um tecto repleto de coisas singulares e rotineiras. 

 

É fácil falar quando o estômago não reclama as longas horas sem o sabor dos alimentos (a não ser, claro, quando por puro capricho, impingimos dietas loucas). Alimentos que facilmente encontramos ao simples virar de esquina, numa rua mais longínqua, numa avenida movimentada. Reconfortamos o estômago rapidamente com um qualquer alimento para nós insignificante e banal (e, ao qual, muitas vezes nos damos ao luxo de desperdiçar): uma peça de fruta, uma fatia de pão, um pedaço de chocolate.

 

É fácil falar quando todos os dias caminhamos com a certeza de um mais um dia igual ao anterior. Sabemos para onde vamos, de onde vimos, o que iremos fazer. Um emprego, por mais chato que seja, é algo que preenche os dias e atribui conforto à vida mas, e quando isto falha?

 

É fácil falar quando nascemos e vivemos num cantinho de mar, terras verdes e clima ameno. Um pais onde ser-se mulher (apesar de diversos nãos) é fácil, onde ser-se criança é significado de liberdade, onde o somos livres para escrever e dizer o que quisermos sobre nós, os outros, o mundo. Um pais que não conhece a morte pela guerra, a tortura pela guerra, o medo pela guerra, a fome pela guerra... o tudo que a guerra envolve um pais. 

 

É fácil falar e alcunharmos quem ousa lutar pela vida de terrorista. Homens e mulheres a quem a religião, para lá de toda a desgraça das suas vidas, os rótulas de terroristas por ambicionarem fugir das almas fanáticos que lhes roubaram o vida, o pais, a fé. 

 

É fácil falar quando por entre goles de café (ou de outra coisa qualquer), no conforto do lar ou numa troca de opiniões, disparamos contra aqueles que ousam lutar pela vida. É simples falar quando, sem lhe atribuirmos valor, temos uma vida recheada de tudo. É fácil opinar sobre a vida alheia sem nunca pensarmos, vestimos a farda de privilegiados, sem assumir as dores alheias. 

 

ILKA-FOTO-TOMADA-DE-INTERNET-migrantes.jpg

 

Somos, todos os dias, bombardeados com imagens negras de homens, mulheres, crianças e idosos que, na ânsia de viver, aventuram-se por terra e mar a caminho de uma nova vida. Enfrentam, com valentia, os perigos, acreditando que se trata de uma fase difícil que em breve ultrapassaram. Arriscam a vida, engolem os medos, mergulham nos sonhos de uma vida para si e para os seus um pouco melhor daquela que abandonaram. 

 

Criticamos. Julgamos. Falamos. Solucionamos. É fácil tudo isto quando não somos nós. É fácil erguer muros e barreiras, travar entradas, devolver às terras e esquecermos que as vidas por detrás das nacionalidades ou religiões. É fácil fecharmos os olhos aos problemas, esquecermos a História, desresponsabilizarmos. Quero eu, que escrevo no conforto da minha casa, do meu sofá, através de um privilegiado computador, não critico, não julgo, não soluciono... porque escrevo e falo sobre vidas. É urgente uma solução humana, para lá das estatísticas, nacionalidades, religiões... porque é de homens, crianças e mulheres que falamos. 

 

É fácil falar quando não somos nós, um amigo, um familiar, um vizinho, um conhecido a quem vemos lutar pela vida. Impõem-se a questão... se fossemos nós? E se fossemos nós?

 

migrantes08observatoriofronterasurdemexico_5.jpg

 

*(publicado a 27.08.2015 e novamente publicado)

3 comentários

  • Imagem de perfil

    M* 06.09.2015 10:49

    escrevi este post a 27 de agosto quando, no café, ouvi alguém criticar ferozmente... revoltei. chamava-lhes loucos por atravessarem o mar num barco pequeno e que eles é que deveriam resolver os seus problemas. revoltei-me porque, sinceramente, é sempre mais fácil fechar os olhos ao passado e à realidade e criticar, no conforto de um café... a maioria não sabe o que é ser imigrante, não faz ideia do que é fugir à miséria ou à guerra mas, achasse no direito de condenar. o que me revolta e enoja, confesso, é que a maioria fala como se todos os refugiados fossem terroristas à espera de destruir a Europa... 
  • Sem imagem de perfil

    Anónimo/a 06.09.2015 12:47

    Claro que não são todos terroristas e claro que a grande maioria se sujeita a arriscar a vida para poder viver em segurança, mas alguns acredito que se juntem com o objectivo de destruir. Em todo o lado há gente boa e gente má. O meu marido por exemplo trabalha em Marrocos e quando digo às pessoas isso dizem "credo logo nesse pais e com essa gente?"
    Nunca teve problemas com nenhum e eu própria as varias vezes que já lá fui achei-os simpáticos e prestáveis, mas claro que há outros que não olham a meios para levarem as suas ideias e crenças a bom porto.
    O Miguel no outro dia falava com um colega Marroquino acerca do terrorismo e ele diz que no Alcorão não diz para se matar.
    Mas resumindo continuo divida em ajudar ou não ainda mais hoje vi um video onde se viam refugiados a mandar fora comida e agua que tinha sido dada. Não compreendo...
  • | comentar:

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.