Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Um Mar de Pensamentos

... nasce do desejo inconstante de partilhar um pouco de mim e do que sou numa espécie de diário. Resumo-me em: Maria, 32 anos, signo gémeos, amante de livros, sonhadora, romântica, dramática q.b., viciada em chocolates.

Um Mar de Pensamentos

... nasce do desejo inconstante de partilhar um pouco de mim e do que sou numa espécie de diário. Resumo-me em: Maria, 32 anos, signo gémeos, amante de livros, sonhadora, romântica, dramática q.b., viciada em chocolates.

Inspira-me 3 | Itinerário de Férias

Um dia, quando a vida me permitir e se o destino cruzar os nossos caminhos, gostaria que embarcássemos numa viagem com destino à Europa e à descoberta do que para nós é desconhecido. Embarcávamos numa viagem de carro... ou será preferível comprar um daqueles passe de inter rail e viajarmos de comboio? Teremos de debater as vantagens e desvantagens de cada um e, entre nós, chegar a um acordo.

Como eu ia a dizer, perdão, a escrever... embarcamos num viagem com destino a Madrid e por lá descobriríamos um pouco dos encantos da gigantesca capital espanhola. Visitamos o Museu do Prado, o Palácio Real de Madrid e passearemos pelo Parque do Retiro e, se fizeres muita questão, vemos um jogo no Estádio Santiago Barnabéu. 

Seguiríamos rumo a Barcelona. Sabes, uma vez estive lá e bastou-me um dia para me apaixonar pela cidade. Não vi praticamente nada, mas apaixonei-me por aquela cidade. Como é que nos apaixonamos por uma cidade sem a conhecermos? Não sei, mas é possível. Temos que percorrer as ruas todas até os pés ficarem doridos de tanto caminhar, até não conseguirmos aguentar o peso do corpo. Aqui, em Barcelona, promete-me que vamos conhecer o máximo. E, recuso-me a sair de Espanha sem ver dançar o flamenco ou as sevilhanas. 

Quero conhecer a cidade do amor, aquela que dizem ser a mais romântica. Quero subir a Torre Effiel e ver Paris aos nossos pés. Quero ser mais uma entre milhões com uma fotografia engraçada da Torre. Deixa-me ver o máximo de museus e contemplar o Arco do Triunfo, a catedral de Notre Dame ou o Palácio de Versalhes. Vamos andar de bicicleta ou de carruagem e conhecer alguns dos imensos cantos à cidade. 

Chegamos a uma fase difícil no nosso itinerário de férias. Vamos conhecer os Alpes Suíços ou descobrimos a cidade das tulipas, Amesterdão? Quero tanto conhecer os dois e é tão difícil escolher um... prometes que se não for nesta viagem, um dia descobriremos o local que ficou excluído?

Vamos conhecer a Europa, sim? Quero passear em Veneza ou em Roma, sentir na pele a História que Berlim carrega, tocar Varsóvia e aprender Bucareste... dizem, sobre esta última, que é a Paris do Leste. E se continuarmos mais para leste? Conhecer Kiev, Moscovo ou Istambul? Ou ao norte frio das cidades Oslo, Estocolmo ou Helsínquia? Quiçá esteja a ser um pouco egoísta, desculpa... o entusiasmo em descobrir algo e esqueço-me que não estou sozinha. Talvez também queiras conhecer cidades que não referi... excluímos algumas, de forma a ficar equilibrado e reinventamos um novo trajecto? 

A minha viagem de sonho seria assim... conhecer um bocadinho da imensa Europa. Sei que sou uma exagerado, uma sonhadora, quero o impossível... quero conhecer todos os locais como conheço a terra onde vivo. Não preciso de muito: apenas nós, um mapa e decidir de que forma viajamos. O nós pode ser eu e tu ou aquele grupo de amigos com espírito de loucura que ainda irei descobrir... o essencial é conseguir um itinerário de férias que se tornem inesquecíveis.

 

 

E, troco tudo isto por saber que o dia em que conhecerei um amigo ou amiga, por saber que em breve me te conhecerei...

Inspira-me 2 | Dívidas Literárias

Mais ou menos graves e independentemente dos motivos e das circunstâncias, todos nós, em algum momento das nossas vidas contraímos algum género de dívida.

Eu, tal como ela, também contrai as minhas dez dívidas. Calma, não pensem mal, neste momento são dez as minha dívidas literárias que compartilho convosco. 

 

1. Terminar de ler Prometo Falhar,

Pedro Chagas Freitas escreve de forma encantadora. O escritor de Guimarães reuniu uma série de textos que falam sobre o amor: o amor dos namorados, o amor dos casais, o amor dos pais para com os filhos, o amor entre irmãos. Gosto. Aliás, não gosto, adoro. Mas, tal como tenho falhado na escrita, também falhei na leitura e não tenho tido vontade de ler (ando numa fase mais apática e negativa, em que nada me atraí ou me motiva). A probabilidade de começar a chorar com as palavras escritas em Prometo Falhar, numa altura em que me sinto mais em baixo, é elevada. Mas eu prometo, prometo que vou terminar a leitura antes do final do mês.

 

2. Terminar a leitura de Chocoólico,

Recebi este livro no passatempo da Editorial Presença. É um livro leve, que fala sobre um obeso e a sua tentativa em perder peso. Embora o livro seja pequenino, perdi-me na leitura de Prometes? e, posteriormente, de Prometo Falhar. Ficou de lado e, até hoje, não lhe voltei a pegar. 

 

3. Ler todos os livros de Carlos Ruiz Zafón,

Já aqui referi que adoro, aliás, amo os livros do escritor espanhol. Li quatro (para muitos dizer que se ama um escritor pode ser perigoso), é-me difícil escolher qual o melhor dos que li (Marina, A Sombra do Vento, O Jogo do Anjo e O Prisioneiro do Céu) e estou ansiosa por ler todos os restantes. Não sei o que me atraí mais: se todo o mistério da escrita, se as aventuras, se a Barcelona descrita por Zafón (dos livros que li). É daqueles autores que não me canso. Devoro-o. Fazer o quê?

 

4. Tentar conseguir terminar a leitura de Mataram o Sidónio!,

Sempre gostei de História e, consequentemente, de livros históricos. Lembro-me que, quando o livro foi saiu, a primeira coisa que pensei foi: tenho mesmo de ler aquele livro! Embora Sidónio Pais não tenha tido tanto revelo como outras personagens históricas, ficou-me sempre o bichinho da curiosidade.

Porém, este livro, foi uma tremenda decepção. Pesado, chato, aborrecido. Ainda insisti e li até meio mas, não consegui mais. Ficou arrumado. Já pensei em vende-lo mas, ainda tenho para mim que se o livro ainda não saiu de casa é porque tenho de insistir e relê-lo. Há-de chegar o dia. Quando? Um dia.

 

5. Ler mais livros em espanhol, nomeadamente estes, 

 

6. Tentar ler um livro em inglês. Algo pequenino e simples, como um conto infantil. Recomendações?

 

7. Ler Orgulho e Preconceito,

Vi o filme mas não li o livro. Adorei o filme mas, por qualquer motivo, nunca li o livro... e, provavlemente, até foi o melhor, uma vez que me despertou curiosidade pelos detalhes que o filme não revelou. Bem sei que deveria ter sido ao contrário.

 

8. Ler livros dos autores portugueses Miguel Sousa Tavares e José Luís Peixoto,

Nunca li nenhum livro deles. Tenho muita curiosidade. Fazem parte da lista mas ainda não se proporcionou a leitura. Conselhos?

 

9. Ler alguns dos últimos livros que me deixaram mais curiosa,

O meu  Zafón lançou outro livro? Só contava com ele, tal como diz o livro, em Setembro. Definitivamente tenho de me despachar na leitura. 

 

 

Entre outros. A lista é enorme! 

 

10. Ler os livros que os livros que comprei e nunca li,

(os dois primeiros resultam do passatempo da Editorial Presença)

Inspira-me | Bolo Literário

 A ideia é simples: fazer um bolo literário. A escolha dos ingredientes tornou-se difícil: cada livro é especial e existe sempre algo a retirar dele.... e eu não só adoro ler como leio bastante (embora este ano, as minhas finanças não me proporcionem muitas leituras). Em alguns casos, tornava-se difícil escolher apenas um livro mas o meu bolinho acabou por sair do forno e, embora não seja dada às lides culinárias, quer-me parecer que este bolinho até se tornou apetecível.

 

 

1. Farinha - Um livro que demoraste a começar mas depois apanhaste-lhe o passo conforme foste lendo.

    A Desumanização de Valter Hugo Mãe

Sempre tive curiosidade em conhecer este autor, desde que lerá uma crónica sobre a Máquina de Fazer Espanhóis. A Desumanização foi o primeiro livro que li e, embora a escrita seja algo complexa (e, tal como li naquela crónica, a roçar a escrita de José Saramago, acabei por adorar (ah, e sou fã incondicional de Saramago).

 

2. Margarina - Um livro que teve um grande desenvolvimento.

     Ele Está de Volta de Timur Vermes

Se não se tratasse de um tema tão sensível, o livro do alemão Timur Vermes vem que poderia ser a cobertura deste bolo literário. Inclui momentos cómicos e divertidos - as peripécias de Hitler com as novas tecnologias -, assim como tristes e de reflexão (por exemplo, sobre a forma como o povo alemão olha para os restantes países europeus). Sim, o livro aborda o regresso de Adolf Hitler à Alemanha do século XXI.

 

3. Ovos - Um livro que achaste que ia ser mau mas acabou por ser agradável.

     O Segredo de Compostela de Alberto S. Santos

Não sou religiosa. Acredito numa força superior - porque tenho necessidade de acreditar que existe algo mais do que nós -, de que nada é por acaso. Não atribuo um nome a essa força desconhecida à qual, mediante as religiões, lhe chamam Deus, Alá, Buda, etc.. Mas sou uma curiosa pela religião... e respeito as crenças de cada um. Não sei muito bem qual o motivo para, naquela tarde, enquanto procurava a minha próxima leitura ter acabo por comprar O Segredo de Compostela... talvez porque tenha crescido a ouvir falar no Caminho de Santiago de Compostela.

Começar foi difícil. Alberto S. Santos, neste livro (para já, o único que li), utiliza uma escrita complexa, de palavras nem sempre acessíveis ou habituais do nosso quotidiano. Porém, toda a história de vida de Prisciliano torna-se cativante e envolvente, procurando a cada página conhecer qual o seu final e qual o segredo que guarda a catedral de Compostela.

 

4. Açúcar - Um livro doce.

     A Vida no Céu de José Eduardo Agualusa

Um livro doce... docinho. A Vida no Céu dirige-se a todos aqueles que, como eu, se definem como sonhadores. Inclui um pequeno dicionário dirigido a todos os sonhadores e vale mesmo muito a pena ler.

 

5. Cobertura - Um livro que abrangeu todos os elementos que gostas num livro (momentos cómicos, acção, momentos tristes, etc...)

     A Culpa é das Estrelas de Johan Green

Uma mistura de alegria, amizade, tristeza, comédia. A Culpa é das Estrelas é um livro comovente e tocante sobre o amor e a amizade, a inocência e a tragédia... uma história que vale a pena ser lida e à qual eu estou ansiosa por assistir à adapção.

 

6. Granulado - Uma série em que pegas sempre que precisas de te animar.

     A Sombra do Vento, O Jogo do Anjo e O Prisioneiro do Céu - coleção/série de O Cemitério dos Livros Esquecidos de Carlos Ruiz Zafón

Simplesmente adoro o espanhol Carlos Ruiz Zafón. Os ingredientes da coleção O Cemitério dos Livros Esquecidos são simples: mistério, romance e amizade. Confesso que numa fase inicial em A Sombra do Vento, considerei o livro algo aborrecido mas, à medida que vamos evoluindo na história, a cada nova página, somos envolvidos por uma escrita simples, cativante e envolvente. Zafón é de tal maneira mágico que desperta a vontade em conhecer a Barcelona de Daniel Sempere.

 

7. Cereja no Topo - O teu livro favorito do ano (até agora).

     A Rapariga que Roubava Livros de Markus Zusak

Uma história apaixonante e marcante, uma adapção brilhante.