Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Um Mar de Pensamentos

... nasce do desejo inconstante de partilhar um pouco de mim e do que sou numa espécie de diário. Resumo-me em: Maria, 32 anos, signo gémeos, amante de livros, sonhadora, romântica, dramática q.b., viciada em chocolates.

Um Mar de Pensamentos

... nasce do desejo inconstante de partilhar um pouco de mim e do que sou numa espécie de diário. Resumo-me em: Maria, 32 anos, signo gémeos, amante de livros, sonhadora, romântica, dramática q.b., viciada em chocolates.

1 | Becoming - A Minha História de Michelle Obama.

1540-1 (2).jpg

Becoming - A Minha História de Michelle Obama foi a minha primeira leitura de 2019. Iniciado a 29 do mês passado e concluído a 7 de Janeiro, resolvi comprar este livro pelo enorme sucesso de vendas que rapidamente alcançou, e alvoroço em seu redor, assim como pela admiração que nutro pela família Obama - a proximidade entre todos os membros e a amor que se sente entre o casal - desde que Barack se tornou o 44.º Presidente dos EUA.

 

Não sendo o meu género literário favorito, a biografia de Michelle Obama - a segunda que leio depois de Malala Yousafzai - veio reforçar a minha admiração por ela, em particular, e a imagem que criará dela: a de uma mulher inspiradora e forte, com uma personalidade marcante e vibrante. Neste resumo escrito que é a sua vida, Michelle mostra-nos, sem qualquer pincelada de cor-de-rosa ou de flores, a infância no seio de uma família humilde e trabalhadora, o estigma do preconceito racial, o drama da doença que debilitava a cada ano o pai e a importância que a educação, assim como a arte e música, assumiram na sua vida e na do seu irmão. A incertezas quanto às escolhas académicas e o rumo da sua carreira profissional, o primeiro contacto com Barack Obama e a relação que nasce, bem como o amor que nutre pelas filhas e preocupações de mãe para com o futuro delas, ocupam grande parte de Becoming. Descobri, ao longo das muitas páginas deste livro, uma história que em pouco se assemelhava aos boates que corriam sobre o ex-casal presidencial: o pouco à-vontade e gosto pela política dela e o envolvimento desde cedo de Barack na política. Mais do que isto, e talvez a parte que mais gostei, foi compreender como é viver na Casa Branca e a pressão que a família viveu naqueles oito anos de presidência, tal como determinados acontecimentos que marcaram a presidência de BaracK Obama, tais como a morte de Osama Bin Landen ou o tiroteio na escola primária de Sandy Hook. Livre dessa pressão, e usando um pouco de humor e ironia, Michelle dá-nos a conhecer como foi viver junto de um dos homens mais poderosos e importantes do Mundo, como isso a afectou e às duas filhas do casal, bem como tudo os seus movimentos, falas e vestuários eram avaliados pelos meios de comunicação social. Sentindo o peso de tudo isto, tal como da cor, profissão e da necessidade de ser mais do que a mera esposa do Presidente dos EUA, a ex-primeira dama decide usar a sua figura e os meios de comunicação social em seu proveito e fazer mais para ajudar crianças e jovens, bem como a ex-militares e respectivas famílias.  

 

Becoming é uma biografia intima e reveladora que nos mostra como o preconceito racial, em pleno século XXI, pode influenciar o crescimento e a vida de uma criança, bem como o valor e importância de crescer no seio de uma família onde o diálogo e o amor são essenciais. Mais do que isto, Michelle Obama - tal como Malala - é um exemplo claro de como a educação é uma arma poderosa na luta contra o preconceito, a discriminação e o ódio. As lutas de Michelle, enquanto menina, adolescente, profissional e mãe são exemplos de que a vida, por mais rica e luxuosa que pareça, também precisa de esforços e muitas reviravoltas. 

 

Uma leitura sincera, leve e apaixonante, de uma mulher inspiradora e magnifica. Cativante desde a primeira à última página.

 

A nossa história é o que temos, é o que teremos sempre. É algo que devemos assumir como nosso.

 

Toda a gente neste mundo (...) carrega consigo uma história invisível, e isso basta para merecer alguma tolerância. 

 

A vida ensinava-me que o progresso e a mudança acontecem devagar. (...) Lançávamos sementes de mudanças, cujo fruto poderíamos nunca chegar a ver. Tinhamos de ser pacientes. 

 

Avaliação (de um a cinco): 4* 

 

___

 

Becoming - A Minha História de Michelle Obama 
ISBN: 9789896656058
Edição ou reimpressão: 11-2018
Editor: Objectiva
Idioma: Português
Páginas: 400
 
SINOPSE

Nas suas memórias, uma obra de reflexão profunda e uma narrativa fascinante, Michelle Obama convida os leitores a entrar no seu mundo, relatando as experiências que a moldaram - desde a infância na zona sul de Chicago, passando pelos anos como executiva, equilibrando as exigências da maternidade e o trabalho, até ao tempo passado no endereço mais famoso do mundo..Terno, sábio e revelador, BECOMING é um relato íntimo de uma mulher de alma e substância que desafiou constantemente as expectativas - e cuja história nos inspira a fazer o mesmo.

Nas palavras de Michelle Obama:
«Escrever BECOMING tem sido uma experiência profundamente pessoal. Permitiu-me, pela primeira vez, o espaço para reflectir honestamente sobre a trajectória inesperada da minha vida. Neste livro, falo sobre as minhas raízes e como uma menina da zona sul de Chicago encontrou a sua voz e desenvolveu a força, de forma a usá-la para capacitar os outros. Espero que o meu percurso inspire os leitores a encontrar a coragem necessária para se tornarem quem quer que desejem ser. Mal posso esperar para partilhar a minha história.»

Frases em livros...

 

Por que razão continuamos a deixar de viver o presente com medo do futuro? (...) Não vivi o momento porque estava obececada com o dia de amanhã... Fiz uma jura a mim própria: no futuro, vou simplesmente viver o presente. (...) A regra vai ser: presente, presente, presente.

1539635812734

A Sociedade Literária da Tarte da Casca de Batata de Mary Ann Shaffer e Annie Barrows.

a-sociedade-litararia-da-tarte-de-casca-de-batata

 A Sociedade Literária da Tarte da Casca de Batata de Mary Ann Shaffer e Annie Barrows relata, por intermédio de diversas cartas, as aventuras da jovem Juliet Ashton no Londres do fim da II Guerra Mundial. Juliet é escritora que, com o final da guerra, se vê obrigada a enfrentar as feridas deixadas pelos bombardeamentos de Londres, o bloqueio que não lhe permite escrever e o desejo que não reconhece em conhecer um homem que partilhe o amor pela escrita e pelos livros. É no meio desta desordem que, surpreendentemente, Juliet recebe a carta do senhor Dawsey Adams, residente na ilha britânica de Guersney, sobre um livro que outrora lhe pertencerá. Curiosa por natureza, a jovem escritora iniciará uma troca de correspondência com os fascinantes membros da sociedade literária de Guersney, descobrindo a forma como cada um deles viveu a II Guerra Mundial.

 

O livro de Shaffer e Barrows é um dos mais cativante e comovente que li este ano. Confesso que inicialmente, não foi fácil abraçar a leitura por se tratarem de cartas e por considerar a narrativa dos acontecimentos um pouco lenta - talvez, as primeiras vinte páginas - mas, assim que consegui, o livro lê-se por si. Apesar dos meus entraves, a escrita é suave e envolvente e leva-nos a crer que aquelas cartas se dirigem a nós, oferecendo-nos a oportunidade de vestir a pele de Juliet e de querer conhecer pessoalmente cada um dos membros de Guersney. A Elizabeth foi, definitivamente, a personagem que mais me apaixonou e aquela que considero que merecia um livro só dela porque tanto ficou por contar... e, quem leu este livro certamente compreenderá a minha opinião. Diverti-me imenso com a Isola e as travessuras da pequena Kitty. 

 

A Sociedade Literária da Tarte da Casca de Batata é um livro que nos transmite lições de vida inesquecíveis, como o poder inigualável da amizade verdadeira, a importância dos livros, a luta pela sobrevivência, o significado da palavra 'vizinho/a' e valor do amor. Uma leitura que recomendo a qualquer curioso sobre a II Guerra Mundial.

 

Ler bons livros arruína a nossa capacidade de ler livros maus. 

 

Avaliação (de um a cinco): 4* 

O Labirinto dos Espíritos de Carlos Ruiz Zafón.

20136527_YhDLh.jpg

 

O Labirinto dos Espíritos de Carlos Ruiz Zafón é o quarto e último livro da saga O Cemitério dos Livros Esquecido, onde se inclui os títulos A Sombra do Vento, O Jogo do Anjo e O Prisioneiro do Céu. Indistinto na ordem de leitura, a saga O Cemitério dos Livros Esquecidos gira em torno da cidade de Barcelona e de um misterioso cemitério de livros onde poucos conseguem entrar. Uma saga recheada de mistério e suspense, finais trágicos e descobertas importantes, amizade e amor e, sobretudo, de personagens que nos tocam a alma... e de livros. É, definitivamente, uma das minhas sagas literárias favoritas. 

 

Soube desde o princípio que queria viver entre livros e comecei a sonhar que um dia as minhas histórias poderiam acabar num daqueles volumes que tanto venerava. Os livros ensinaram-me a pensar, a sentir e a viver mil vidas. (p. 701)

 

Retomemos ao livro que intitula este post...

 

- Ficarias espantado se soubesses como procuramos sempre no futuro ou no presente as respostas que estão no passado. (p. 192)

 

O Labirinto dos Espíritos é sobre Alicia, a corajosa e persistente protagonista que nos desvenda os segredos de um Ministro da Educação corrupto, que tudo faz na ânsia de subir numa Espanha duvida pelo regime do General Franco e de, acima de tudo, se marcar como homem das letras. Alicia reencontra velhas personagens de outros livros, como David Martín e Isabella, interligando-as ao presente das personagens de Daniel, Fermín e o velho Sempere. Paralelamente às descobertas que unem as personagens dos quatro livros, Alicia dá início a uma descoberta macabra que marcará Espanha: a venda de crianças.

 

- O destino conhece-nos melhor do que nós nos conhecemos, Fermín. (p. 584)

 

É, O Labirinto dos Espíritos, aliás como todos os restantes, um livro muito bem elaborado e cativante, envolvendo-nos a cada virar de página. Numa escrita intuitiva e cativante, Zafón convida-nos a perdemos-nos mistérios de uma Barcelona sedutora e cativante que, admito e muito graças a esta saga, à anos me apaixona. É impossível não sentir afinidade e compaixão por Alicia, sentir saudades de Fermín, desejar conhecer o cemitério de livros e o seu velho guardião, apaixonarmos-nos por Daniel e viver a pele de Bea... 

 

- Ninguém triunfa sem antes fracassar - garantiu-me. (p. 812)

 

Foi por acidente - e ainda bem - que tropecei em A Sombra do Vento, um dos meus livros favoritos de todo o sempre e aquele que mais me marca - embora não o meu preferido que é O Jogo do Anjo - e hoje recomendo a leitura de toda a saga aos apaixonados por livros. Carlos Ruiz Zafón é, resumidamente, um dos meus escritores favoritos... Muchas gracias Zafón!

 

Conta ao mundo as nossas histórias e não esqueças que existimos enquanto alguém se lembra de nós. (p. 835)

 

___

 

Sinopse:

Na Barcelona de fins dos anos de 1950, Daniel Sempere já não é aquele menino que descobriu um livro que havia de lhe mudar a vida entre os corredores do Cemitério dos Livros Esquecidos. O mistério da morte da mãe, Isabella, abriu-lhe um abismo na alma, do qual a mulher Bea e o fiel amigo Fermín tentam salvá-lo.

Quando Daniel acredita que está a um passo de resolver o enigma, uma conjura muito mais profunda e obscura do que jamais poderia imaginar planta a sua rede das entranhas do Regime. É quando aparece Alicia Gris, uma alma nascida das sombras da guerra, para os conduzir ao coração das trevas e revelar a história secreta da família… embora a um preço terrível.

O Labirinto dos Espíritos é uma história eletrizante de paixões, intrigas e aventuras. Através das suas páginas chegaremos ao grande final da saga iniciada com A Sombra do Vento, que alcança aqui toda a sua intensidade, desenhando uma grande homenagem ao mundo dos livros, à arte de narrar histórias e ao vínculo mágico entre a literatura e a vida.

 

Título: O Labirinto dos Espírito, volume IV

Autor: Carlos Ruiz Zafón, Espanha

ISBN: 9789896578497

Editor: Editorial Presença, 2016

Páginas: 848