Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Um Mar de Pensamentos

Um mar de leituras. Um mar de sonhos. Um mar de conquistas, lutas e fracassos. Um mar de mil pensamentos. O diário de M*

Um Mar de Pensamentos

Um mar de leituras. Um mar de sonhos. Um mar de conquistas, lutas e fracassos. Um mar de mil pensamentos. O diário de M*

21
Ago18

Confesso que...

Confesso que não consigo confiar totalmente em pessoas que dizem não gostar de chocolates ou de livros.

 

tag-chocolatelivros-colorindonuvens.png

 

O problema é que em minha casa, excepto eu, ninguém aprecia loucamente chocolate ou um livro...

09
Ago18

A Sociedade Literária da Tarte da Casca de Batata de Mary Ann Shaffer e Annie Barrows.

a-sociedade-litararia-da-tarte-de-casca-de-batata

 A Sociedade Literária da Tarte da Casca de Batata de Mary Ann Shaffer e Annie Barrows relata, por intermédio de diversas cartas, as aventuras da jovem Juliet Ashton no Londres do fim da II Guerra Mundial. Juliet é escritora que, com o final da guerra, se vê obrigada a enfrentar as feridas deixadas pelos bombardeamentos de Londres, o bloqueio que não lhe permite escrever e o desejo que não reconhece em conhecer um homem que partilhe o amor pela escrita e pelos livros. É no meio desta desordem que, surpreendentemente, Juliet recebe a carta do senhor Dawsey Adams, residente na ilha britânica de Guersney, sobre um livro que outrora lhe pertencerá. Curiosa por natureza, a jovem escritora iniciará uma troca de correspondência com os fascinantes membros da sociedade literária de Guersney, descobrindo a forma como cada um deles viveu a II Guerra Mundial.

 

O livro de Shaffer e Barrows é um dos mais cativante e comovente que li este ano. Confesso que inicialmente, não foi fácil abraçar a leitura por se tratarem de cartas e por considerar a narrativa dos acontecimentos um pouco lenta - talvez, as primeiras vinte páginas - mas, assim que consegui, o livro lê-se por si. Apesar dos meus entraves, a escrita é suave e envolvente e leva-nos a crer que aquelas cartas se dirigem a nós, oferecendo-nos a oportunidade de vestir a pele de Juliet e de querer conhecer pessoalmente cada um dos membros de Guersney. A Elizabeth foi, definitivamente, a personagem que mais me apaixonou e aquela que considero que merecia um livro só dela porque tanto ficou por contar... e, quem leu este livro certamente compreenderá a minha opinião. Diverti-me imenso com a Isola e as travessuras da pequena Kitty. 

 

A Sociedade Literária da Tarte da Casca de Batata é um livro que nos transmite lições de vida inesquecíveis, como o poder inigualável da amizade verdadeira, a importância dos livros, a luta pela sobrevivência, o significado da palavra 'vizinho/a' e valor do amor. Uma leitura que recomendo a qualquer curioso sobre a II Guerra Mundial.

 

Ler bons livros arruína a nossa capacidade de ler livros maus. 

 

Avaliação (de um a cinco): 4* 

17
Jul18

Nas Asas do Tempo de Diana Gabaldon.

Saga-Outlander-Livro-1-Nas-Asas-do-Tempo.jpg

 Poucos foram os livros em que, uma vez concluída a leitura, invejei a escrita talentosa do/a autor/a e a genialidade da história e, Nas Asas do Tempo é, definitivamente, um daqueles livros que eu adoraria ter escrito. Diana Gabaldon envolve-nos na magia das palavras, arrastando-nos para um universo entre o real e o imaginário, num talento tal que parece quase impossível abandonar a leitura. Confesso, fiquei arrebatada e apaixonada por esta história maravilhosa... e pensar que esteve na pilha de livros que pretendo vender ou doar.

 

Nas Asas do Tempo, o primeiro volume da saga Outlander, conta-nos a história apaixonante, envolvente e improvável de Claire e Jaime. Claire nasceu no século XX, casada e ex-enfermeira do Exército, vive uma segunda lua-de-mel na companhia do marido nas Terras Altas da Escócia quando, acidentalmente, toca num rochedo de um antigo círculo de pedras e se vê catapultada para o ano de 1743. Confundida com uma prostituta pelos ingleses e posteriormente sequestrada por um grupo de guerreiros escoceses que a julgam como feiticeira ou espia, Claire luta desesperadamente por sobreviver, regrar ao círculo de pedras e voltar a 1945, para os braços do seu marido. Porém, os seus conhecimento de enfermagem são uma mais valia numa época em que a medicina era rudimentar, conquistando o apoio e a compaixão do clã que a sequestrou. Claire, contudo, continua a correr risco de vida e, para a proteger, o grupo propõem que se case com Jaime, que lhe demonstra um amor sincero e uma paixão absoluta. É este amor avassalador de Jaime por Claire que a deixa dividida entre regressar à seguridade da sua época ou continuar a viver perigosamente no século XVIII. 

 

O primeiro volume de Diana Gabaldon é recheado de aventura e fantasia, história e amor. Numa escrita detalhada, Nas Asas do Tempo, descreve-nos e compara as paisagens Terras Altas da Escócia, bem como a evolução da medicina, a forma de vestir, a mudança nas formas de viver ou o modo como as mulheres são tratadas nos diferentes séculos. 

 

Este é, definitivamente, um dos livros que mais gostei de ler nos últimos tempos. Uma história cativante, envolvente e apaixonante e que quase me fez, por inúmeras vezes, esquecer o trabalho e alongar-me nas horas de almoço. Não sei se os restantes livros da saga Outlander serão tão marcantes como este mas, resumidamente, Nas Asas do Tempo foi um dos livros que me marcou profundamente. 

 

Avaliação (de um a cinco): 5*

12
Fev18

É Carnaval...

Sou, certamente, um ser invulgar, de gostos e preferências distintas à maioria. Confesso que, uma parte de mim, sempre gostou de se destacar pela diferença. Não na forma de vestir mas no ser, estar e gostar. E, o Carnaval é daquelas épocas festivas que menos me cativa... juntamente com o Halloween. Bem sei que é uma época em que podemos ser diferentes, tomar personalidade e comportamentos opostos ao do nosso dia-a-dia mas, para mim, a verdade é que se trata de uma festividade simplesmente parva. Não consigo compreender a graça de adultos se mascararem de velhotes, mulheres/homens ou de índios e ciganos. Vejo, admito, mais piada nas crianças porque sempre considerei que Carnaval era para os mais pequenos.

 

A lógica daquela típica frase "É Carnaval e ninguém leva a mal." é, de longe, aquela que mais me desagrada. Não, o Carnaval não perdoa tudo... os excessos e abusos da época cometidos pelos adultos não pode ser esquecido numa patética frase. Apesar da data, não deixamos de viver numa sociedade onde existem regras, onde a liberdade de alguém termina quando invade a de outro, onde deve existir respeito por todo o género de diferenças, quer de opinião ou afins. 

 

Definitivamente, a data passa-me completamente ao lado... desde sempre. Nunca fui criança de achar piada à data e, em adulta, continuo sem a compreender. Contam-se, pelos dedos de uma mão, quantas vezes me disfarcei de livre vontade em menina. Sou uma pessoa alegre e divertida, tal e qual como sou, sem entrar em fantasias ou excessos. A vida, no fundo, já de si é um verdadeiro Carnaval. 

 

27658133_2221494354531170_7857465369141654773_n.jp

 

Resumindo: o meu Carnaval vai ser assim, talvez com menos livros do que na imagem de cima mas, na companhia de um bom livro. 

24
Jan18

O M. lê...

Quando conheci o M., o meu namorado, à quase dois anos, ele não era dado à leitura. As leituras dele resumiam-se aos jornais, seja o desportivo ou generalista, e aos artigos específicos da sua área de trabalho. Não tinha o hábito de ler porque, como ele me confidenciou, não sabia muito bem o que ler.

 

Invejava, no entanto, o meu amor pela leitura. Impressionou-se com a recheada estante de livros que já tinha lido e com a pilha de leituras que parecia - e parece - nunca terminar. Comigo, onde quer que vá, anda na minha mala ou no banco do meu carro, um livro. Admirava-se que, sempre que esperava por ele, quase sempre fizesse agarrada a um livro. Cedo compreendeu que os livros eram como um amante... teria de aprender a lidar com uma mulher que adora ler. 

 

Um dia, porém, o M. confidenciou-me que gostava de ler mais, gostava de me acompanhar nas leituras, e pediu-me que o ajudasse. Perguntei-lhe sobre géneros literários com os quais se identificasse. Queria, para começar nesta coisa das leituras, uma leitura leve e agradável, que não puxasse muito por ele. Maldito Karma (de David Safier) foi uma das minhas sugestões, por já o ter lido e ainda ter o livro na estante, que o levou a desejar embarcar em novas aventuras literárias. Seguiram-se livros como Uma Praça em Antuérpia (de Luize Valente), A Sombra do Vento (de Carlos Ruiz Zafón) ou O Cônsul Desobediente (de Sónia Louro) e, cedo identificamos o género literário do meu M.: os livros onde a História seja escrita sem ornamentos ou romances, onde a Sociedade seja analisada e compreendida. O M., contrariamente a mim que prefiro o romance histórico, devora aqueles livros pesados de História, Política ou Sociedade e, tal como eu, detesta livros de terror. Vai lendo, volta e meia, outros géneros mas regressa sempre às suas paixões. 

 

O M. lê sempre que pode. Desliga a TV quando nada lhe agrada e lê. Porque trabalho aos fins-de-semana, lê enquanto estou a trabalhar, no café da terra. O livro não o acompanha sempre mas tira umas horas da semana para ler. Não lê todos os dias mas vai lendo. O M. descobriu o seu género literário. Não fui eu quem o incentivou a ler, foi ele quem quis compreender, com esforço, a minha paixão e acabou por ficar rendido. 

 

20180124_100646-01.jpeg

 

O M. lê e qualquer um pode abrir um livro... basta querer. O M. lê e qualquer pessoa que não possua o hábito da leitura pode descobrir o género literário que mais lhe agrade.... basta querer. O M. lê e qualquer pessoa pode dedicar alguns minutos do seu dia à magia da leitura... basta querer. O M. guarda os livros que comprou e já leu, porque muitos outros sairam da minha estante, numa caixa de sapatos e qualquer um pode transformar uma, ou várias, caixa de sapatos numa espécie de estante privada.

companhia literária...

Mais sobre mim

foto do autor

| A literatura é a maneira mais agradável de ignorar a vida. Fernando Pessoa. |

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D

Mensagens

Sigam-me

Facebook