Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Um Mar de Pensamentos

Um mar de leituras. Um mar de sonhos. Um mar de conquistas, lutas e fracassos. Um mar de mil pensamentos. O diário de M*

Um Mar de Pensamentos

Um mar de leituras. Um mar de sonhos. Um mar de conquistas, lutas e fracassos. Um mar de mil pensamentos. O diário de M*

14
Mar19

A caixa literária de Fevereiro da Ms.everythingshop .

A caixa literária mistério do mês de Fevereiro da Ms.Everythings não poderia ser outra coisa senão maravilhosa. Inspirada e dedicada às mulheres e ao dia 8 de Março, a caixinha foi composta por um livro escrito por uma mulher, um presente mistério e uma actividade relaxante, 

 

55480164_494692907728788_779813563844788224_n.jpg

 

A caixa contém uma máscara de beleza, um pack de massagens (para uma pessoa) da Odisseia e o livro da escritora portuguesa Helena Magalhães, Diz-lhe que não - livro que já li e cuja opinião podem ler aqui. O livro, infelizmente, eu já tenho; portanto, contactei a vendedora e conseguimos fazer a troca do livro por outro. Os restantes miminhos que compõem está deliciosa caixinha mistério serão, sobretudo a massagem, de grande utilidade. 

 

54433247_1933764910066702_9046226974019682304_n.jp

 

O lado menos positivo deste conceito é, sem duvida, a possibilidade de nos calhar um livro cujo o tema ou autor não apreciamos ou a repetição de livros que já temos. Todavia, apesar deste não, considero a ideia engraçada e divertida porque dá-nos a conhecer novos autores e a oportunidade de explorar novas áreas literárias. Quem não conhece, ainda, este conceito de caixas literárias mistérios não sabe o que anda a perder: aqui podem conhecer mais sobre as três caixas portuguesas do momento.

13
Mar19

Sobre os programas da Sic e Tvi: a minha opinião.

No domingo passado, eu e o meu namorado decidimos assistir ao programa de estreia da SIC, Quem quer namorar com o agricultor?. Pessoalmente, este género de programas, quer o da SIC quer o da TVI - Quem quer casar com o meu filho? e que acabei por ver uma parte no dia seguinte - não me atraem, tal como não me cativou os similares que os mencionados canais já transmitiram no passado. Todavia, assisti para também puder falar e argumentar sobre os mesmo. 

 

Quem-Quer-Casar-Shifter.jpg

 

Muito se escreveu sobre eles: sobre a falta de criatividade das televisões portuguesas, sobre a procura de exposição mediática dos participantes, sobre a objectivação da mulher e a reprodução de estereótipos. A Cristina Ferreira, no seu instagram, defendeu o formato transmitido pela SIC, como sendo uma forma de mostrar que Portugal é mais do que Lisboa: "Portugal não é Lisboa. Portugal não é urbe. Portugal é também campo, isolamento, tradição e solidão. Para perceberes o pensamento tens de perceber as condições. A minha tarefa é ajudar na mudança. Mas é também perceber a diferença. E saber que tudo muda, mas devagarinho." Sim, de facto o formato mostra uma realidade que talvez poucos conhecem mas não deixa de colocar a mulher numa posição ingrata e desvalorizar o amor. Mas, tal como o formato mostra o outro lado de Portugal, também acredito que os criativos de conteúdo do canal de Paços de Arcos conseguiriam fazer nascer um programa que mostrasse esse lado desconhecido, sem expor as mulheres como gado. Em oposição, o programa da concorrência mostra-nos meninos de 20, 21, 22 anos com desejos de casar (eu, com 30, não tenho esse desejo mas, cada um com a sua tolice), em que as mamãs dos pequenos avaliam e escolhem as futuras noras, com base em premissas como o saber cozinhar ou arrumar a casa, fumar ou ter filhos. Resumindo, se um coloca as mulheres como se de uma venda de gado se tratasse, o outro opta por retroceder no tempo como se as mulheres de hoje se assemelhassem às nossas avós, bisavós e às do século XVIII.

 

Os formatos são errados mas, infelizmente, traduzem e reflectem a realidade. A luta das mulheres pela igualdade não termina nem terminará nos próximos tempos e estes programas mostram-nos. A SIC e a TVI são, com os programas do género que já transmitiram e pretendem transmitir, o espelho da sociedade. Ficamos chocados com a forma como uma mãe questiona uma mulher sobre os conhecimentos de cozinha para, futuramente, alimentar o seu filho... mas, quantas de nós já não ouviu o choque de outrem, homens e mulheres, por não sabermos cozinhar? Ou quantos de nós, homens e mulheres, não fomos condenados por termos filhos fora do casamento ou assumirem novo relacionamento com filhos de outrem? Quantos de nós, homens e mulheres, não recebemos olhares negativos relativamente ao aspecto físico? Nada disto é correcto mas, infelizmente, é a realidade e este género de programas demonstra-os. Obviamente que, na guerra das audiências, o objectivo dos programas não é educar ou fazer-nos reflectir sobre o que precisamos de mudar, mas acabam por ser um género de chamada de atenção para todos nós e na forma errada como educamos... seria de prever que esta geração de mamãs e filhos fosse menos retrogada mas enganamo-nos redondamente. 

 

Cabe a cada um de nós, homens e mulheres, saber educar para quebrar o reflexo que estes programas transmitem. Não é objectivo dos canais privados educar a sociedade, mas cabe a cada um de nós, homens e mulheres, educar para a igualdade. É chocante e revoltante a forma que ambos os programas assumem, mostrando um retrocesso nos direitos e na luta das mulheres mas, e se, no fundo, esse progresso em que tantos de nós acreditavamos estar a acontecer, na verdade, nunca tivesse passado de uma ilusão? Existe tanto por fazer, tanto por lutar, tanto por mudar.

 

No meio de tudo o que já se escreveu e que eu mesma escrevi, saltaram-me algumas questões à mente, como:*

 

O que é que leva mulheres jovens e bonitas a participar neste género de programas? O que leva jovens citadinas e independentes a considerarem que o amor das suas vidas está no campo? E o que leva aqueles homens a acharam que é num programa televisivo que vão encontrar a parceira ideal?

 

O que é que leva jovens bonitos de 20, 21, 22 anos a desejarem casar? E, sobretudo, porque é que consideram que a escolha da mãe seja a mais acertada? O que é que aquelas mães andaram a ensinar aos seus filhos sobre o que é uma mulher para casar?

 

Onde é que entra realmente o amor nestes género de programas?

 

Porque é que os mesmos formatos foram sucesso de audiências noutros países e, em Portugal, eles foram massacrados com críticas? 

 

*Se alguém tiver resposta a estás questões, por favor, deixe-as nos comentários.

 

Eu, enquanto mulher e, quem sabe, futura mãe, revi nestes programas aquilo que não quero ensinar aos meus filhos: a objectivação e desvalorização da mulher e do amor. 

12
Mar19

7 | A Última Ceia de Nuno Nepomuceno.

1540-1.jpg

A Última Ceia é o meu livro de estreia do escritor português Nuno Nepomuceno. Centrado na famosa obra de Leonardo DaVinci, o quadro A última ceia, o policial passa-se entre Lisboa, Londres e Milão e dá-nos a conhecer diversas personagens que contribuem para o desenrolar e desfecho da narrativa. O livro é inspirado nos mais famosos roubos a obras de artes ocorridos ao longo da História.

 

Sofia, uma jovem e bela mulher, conhece o milionário Giancarlo, numa visita à Igreja de Santa Maria delle Gazie, em Milão, onde é possível contemplar uma réplica do famoso quadro. O relacionamento desenvolvesse com altos e baixos, mostrando o lado excêntrico de Giancarlo e arrastando Sofia para um relacionamento tóxico. Porém, o que inicialmente parecia ser um conto de fadas, rapidamente se transforma num inferno quando o Afonso, professor e agente dos serviços secretos portugueses, contacta Sofia para lhe contar a teia de mentiras em que a namorado a mergulhou e, assim, com a ajuda dela, desmascarar Giancarlo que acreditam ser o responsável pelo roubo dos famosos quadros de Leonardo DaVinci. Sofia sente-se dividida, entre o amor e o medo que sente de Giancarlo, mas a personalidade obsessiva e controladora do namorado, levam-na a ajudar Afonso e as restantes policiais internacionais. E à medida que novas pistas são reveladas, um jogo de rato e gato, de vida e morte, se desenrola...

 

RA47.jpg

(o autor com a obra que inspirou o livro)

 

O nome de Nuno Nepomuceno não me era estranho. Li críticas muito positivas ao seu trabalho o que contribuiu para que eu alimentasse a curiosidade literária em ler os seus livros. De facto, as críticas ao seu trabalho não são exageradas: a sua escrita é simples mas cativante, um policial que nos prende desde a primeira página à última, deixando a duvida de quem será o responsável pelos roubos das artes permanecer até aos últimos capítulos. Resumindo, não sei como não li mais cedo Nuno Nepomuceno. A Última Ceia é uma narrativa que se lê muito bem, deixando cada capítulo em suspense, obrigando o leitor a querer retomar a leitura num breve espaço de tempo. É um livro bem estruturado e documentado, mostrando o excelente trabalho de pesquisa desenvolvido pelo autor. Por outro lado, o livro faz referência a outros livros do autor, reaproveitando a personagem de Afonso e de outra personagem (e, julgo que igualmente de Sofia), o que acalentou o desejo de voltar a ler mais livros destes autor.

 

- O amor é um sentimento poderoso. Pode levar-nos a fazer coisas das quais nunca julgámos ser capazes. (p. 39)

 

- Então, e o passado? - perguntou-lhe. - Como é que o enterro?
(...)

- Olha para o presente, meu filho - aconselhou-o ele, envolvendo-lhe novamente as mãos. - E aproveita todas as oportunidades de redenção que ele te der. (p. 92)

 

- As mulheres sabem mentir com maior naturalidade porque têm de fazê-lo desde muito cedo, seja para protegerem os filhos, agradar os maridos ou singrar profissionalmente. É um ato de sobrevivência num mundo que ainda é dominado pelos homens. Privadas de força, usam a inteligência para obterem o que querem. (p. 183)

 

Avaliação (de um a cinco): 3.5*

 

entrada-site-lcor.jpg

 

---

 

A Última Ceia de Nuno Nepomuceno 
ISBN: 9789898886385
Edição ou reimpressão: 01-2019
Editor: Cultura Editora
 
SINOPSE

Uma nota enigmática é encontrada junto a lascas de tinta e tela, e à moldura vazia de um quadro famoso. O ladrão deixou um recado. Promete repetir a façanha dentro de um ano. De visita à igreja de Santa Maria delle Grazie em Milão, uma jovem mulher apaixona-se por um carismático milionário. Mas quando alguns meses depois é abordada por um antigo professor, Sofia é colocada inesperadamente perante um dilema. Deverá denunciar o homem com quem vai casar-se, ou permitir tornar-se cúmplice deste ladrão de arte irresistível?

Enquanto a intimidade entre o casal aumenta, um jogo de morte, do gato e do rato, começa. E aquilo que ao início aparentava ser um conto de fadas, transforma-se rapidamente num pesadelo, enquanto um plano ousado e meticuloso é urdido para roubar a obra-prima de Leonardo da Vinci. Requintado, intimista, inspirado em acontecimentos verídicos, A Última Ceia transporta-nos até ao elitista mundo da arte. Passado entre Londres e Milão, habitado por uma coleção extraordinária de personagens, para as quais a ambição e fama sobrepõem-se a qualquer outro valor, este é um thriller sofisticado de leitura compulsiva. Uma viagem surpreendente ao centro de uma teia de intrigas, romances e traições.

11
Mar19

Quando era miúda...

Eu, como todos as crianças, sempre gostei de pintar, de plasticina e de coisas do género. Não era, nem sou, menina de grande talento na área, nunca conseguia pintar dentro das linhas, mas sempre quis ter um kit com materiais diversos de pintura e livros para colorir. Nunca o consegui. Os meus pais não possuíam capacidade financeira para me oferecer, quer a mim quer aos meus irmãos, esse géneros de materiais. A falta de recursos não impossibilitou, apesar de tudo, a minha irmã mais nova de seguir a área das artes. Quanto a mim, não foi a falta de recursos económicos que me impediu de alguma coisa, mas a falta de talento para desenhar pessoas que se assemelhavam a paus com pernas, sóis com estranhos óculos e cores sempre por fora das margens.

 

53832694_557218881453657_6017291508598702080_n.jpg

 

Provavelmente, se os meus pais me tivessem oferecido este kit da JB Comércio Global, não me teria tornada a próxima Picasso ou algo semelhante, também não teria desenvolvido o talento da minha irmã, mas teria sido a concretização de um pequeno sonho. O pequeno conjunto de amostra que recebi recentemente é composto por materiais da marca Primo e Panini, 

 

53226694_1229720947184128_2890769885086875648_n.jp

 

E quem são esses Primo e Panini? Vamos a uma breve apresentação...

 

54002572_388494031741167_4570494872582094848_n.jpg

 

A marca Primo oferece um amplo leque de produtos educativos e diversificados para todas as idades. Tintas, guaches, tinta acrílica, telas de madeira e muito mais para despertar o lado artístico e criativo dos mais pequenitos.

 

54393347_2333883803501968_1594217084894576640_n.jp

 

Os livros, da marca Panini, são boas escolhas para os mais novos desenvolverem competências, talentos escondidos e o gosto pela leitura. "O Livro Faz-Tudo" é didático, incentivando os mais pequenos a realizarem tarefas diversas, como ligar números, decalcações e similares; "Milla Maghilla" é a história de um menino, o Tito, com medo da vizinha e dos fantasmas que habitam os seus sonhos. A marca possui, igualmente, dicionários, enciclopédias, lápis e diversos livros educativos.

 

Quanto à JB Comércio Global (escrevi sobre ela aqui), responsável por concretizar um sonho de criança, e que certamente fará outra criança feliz, é uma das mais importantes empresas na área da distribuição para papelarias, material de escritório, retalho, brinquedos e similares. Sediada na zona industrial de Vila do Conde, a empresa é mais do que uma cash e carry da distribuição, recebendo encomendas de profissionais da área e particulares.

 

Para quem interessar, podem encontrar a JB Comércio Global nos seguintes links:

 

jbnet-logo-20a.png

 

Página Oficial I Facebook I Youtube I Instagram I LinkedIn I Google +

 

Eu meu nome e em nome do pequenito G., um enorme obrigada à JB Comércio Global pela oferta.

08
Mar19

Dia Internacional da Mulher

Confesso, antes demais, que eu tenho uma relação de amor-ódio com este dia, 8 de Março, Dia Internacional da Mulher. Compreendo o seu significado, a sua essência, a sua importância, mas a forma que assumiu nos últimos anos, irritam-me por lhe retirarem o devido valor. A culpa talvez seja de todos nós por continuarmos a alimentar o potência económico de um dia que deveria ser, antes demais, para reflectir. 

 

DEGENERADAS_imagem_impr.png

 

Não me desejem um feliz dia da mulher quando ainda existe tanto por fazer, tanto por lutar, tanto por mudar. Intimamente, acredito que um dia conseguiremos atingir a igualdade de géneros, não para a minha geração e, provavelmente, também não será para a dos meus netos ou bisnetos, mas acredito que mais lá para a frente (quero acredita positivamente), um dia, homens e mulheres encontraram o equilíbrio, o Mundo dará a reviravolta e este dia deixará de fazer sentido... uma recordação das inúmeras lutas das mulheres ao longo da História. Porém, até que esse utópico dia seja alcançado, muito há para fazer, lutar e mudar em busca da igualdade entre homens e mulheres.

 

Não me desejem um feliz dia da mulher quando existem mulheres a sofrer diariamente abusos psicológicos e físicos daqueles que suspostamente as amam e, quando tantas de nós continuam a morrer nas mãos de familiares, (ex-)namorados e (ex-)maridos. Não me desejem um dia feliz quando as mulheres continuam a ser descriminadas em termos salariais e profissionais. Não me ofereçam flores ou chocolates quando uma mulher é condenada por não querer ser mãe como se todas nós nascêssemos com o "relógio da maternidade", como se as suas vidas e felicidade se devessem unicamente de um filho. Não me digam que hoje é o meu dia quando, no resto do ano, me condenam e me julgam exclusivamente por ser mulher. Não me ofereçam workshops e vales de desconto em beleza quando continuamos a catalogar as mulheres por padrões de beleza pouco reais, quando nos julgam por sermos magras ou gordas, baixas ou altas. Não me desejem um feliz dia da mulher quando existe tanto por lutar, mudar e fazer... em Portugal e no Mundo. Poderia continuar, alongar-me nas muitas lutas diárias travadas por tantas de nós, mas deixo este texto que me parece resumir claramente tudo o que ainda falta mudar para ser um dia feliz...

 

Não me desejem feliz dia da mulher quando ontem apareceu a cabeça de uma de nós num saco a boiar num rio.

Não me desejem feliz dia da mulher quando tem que sair uma lei que obrigue a que haja cotas nos locais de trabalho para haver equidade entre géneros (e minguem vai respeitar a puta da lei).

Não me desejem feliz dia da mulher se esta semana saíram notícias de que em vários hospitais públicos foram causados obstáculos a muitas de nós optarem por IVGs.

Não me desejem feliz dia da mulher se trabalho com mais de 80% de famílias monoparentais em que cabe às mães a gestão integral da vida dos filhos com deficiência.

Não me desejem feliz dia da mulher se tentam resumir este dia com bombons e calarem a nossa revolta com flores como se fôssemos tontas.

Não me desejem feliz dia da mulher se a percentagem de mulheres em cargos de chefia é vergonhosas

Não me desejem feliz dia da mulher se continuam a “esterilizar” à força mulheres com deficiência mental, se não há empregos para mulheres com deficiência e se a violência sobre mulheres deficientes institucionalizadas é uma realidade camuflada.

Não me desejem feliz dia da mulher se violaram no outro dia uma mulher em coma que acabou por engravidar como se fosse apenas um saco de despejo de esperma.

Não me desejem feliz dia da mulher se o mercado sexual está todo virado para fazer de nós objectos e se a vulnerabilidade a que o sistema nos veta empurra tantas de nós para ele.

Na me desejem feliz dia da mulher se há tráfico de mulheres no Mundo e mutilação genital feminina (em Portugal também, não sejam inocentes)e tantos crimes hediondos dirigidos a nós todos os dias.

Não me desejem feliz dia da mulher, não me ofereceram as putas das flores, a não ser que sejam cravos na lapela amanhã nas marchas e nas ruas.

E -mais importante- façam um pirete a que vos desejar feliz dia da mulher. Este dia não é feliz: este dia é de luta.

Lutamos?

Ontem, em Viera do Minho, uma mulher morreu às mãos do marido. No mesmo dia, em Leça da Palmeira, a cabeça de uma mulher foi encontrada numa praia. Hoje, neste dia que é das mulheres, uma mulher viu o seu título de representação internacional, conquistado por mérito próprio, ser-lhe retirado por expressar a sua opinião política, num Portugal que se diz "democrático e com respeito pela liberdade de opinião e expressão". Não me desejem um feliz dia da mulher quando isto ainda acontece...

 

tumblr_o3qsc88wKE1r9nzulo1_500.jpg

companhia literária...

Pág. 1/2

Mais sobre mim

foto do autor

| A literatura é a maneira mais agradável de ignorar a vida. Fernando Pessoa. |

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D

Mensagens

Sigam-me

Facebook