Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Um Mar de Pensamentos

... nasce do desejo inconstante de partilhar um pouco de mim e do que sou numa espécie de diário. Resumo-me em: Maria, 32 anos, signo gémeos, amante de livros, sonhadora, romântica, dramática q.b., viciada em chocolates.

Um Mar de Pensamentos

... nasce do desejo inconstante de partilhar um pouco de mim e do que sou numa espécie de diário. Resumo-me em: Maria, 32 anos, signo gémeos, amante de livros, sonhadora, romântica, dramática q.b., viciada em chocolates.

Os meus livros de 2016.

Não li, em 2016, tanto quanto desejei nem tão pouco tanto como no ano anterior. Porque, por um motivo ou por outro, o peso do trabalho, do cansado dos dias ou da apatia para a leitura ditaram que o ano que terminou não fosse tão recheado de leituras. Li, segundo o Goodreads, 26 livros - embora três não tenha chegado a concluir -  contra 55 do ano anterior, cumprindo a meta estabelecida de 20 leituras. Não são, no entanto, estes valores que importam mas sim as leituras que me marcaram em 2016... e são cinco os livros favoritos (e sem qualquer ordem de preferência),

 

O Rouxinol

Kristin Hannah 

19204365_l2ydZ.jpg

O Rouxinol é o relato marcante e inesquecível de duas irmãs francesas no decorrer da II Guerra Mundial. Um romance histórico sobre a invasão alemã de 1939 a territórios franceses e que é simultaneamente uma homenagem à bravura, coragem e força das mulheres pela sobrevivência e resistência.

 

Duas irmãs unidas pela dor e perda, separadas pela guerra e pela forma como a encaram. Vianne acredita que o mais correcto será aceitar os nazis, Isabelle acredita no oposto.

(opinião)

 

Uma Praça em Antuérpia

Luize Valente

CAPA Uma praça em Antuérpia - Portugal 2015.jpg

É, arrisco-me a escrever, um dos livros que mais me marcou e surpreendeu. É, igualmente, um livro sobre a II Guerra Mundial, na perspectiva de duas irmãs portuguesas cujos destinos é marcado pelos "e ses" e pequenos detalhes... 

 

A história inicia-se na voz de Olívia que, contemplando uma velha e antiga fotografia de uma família, revela à neta Tita o terrível segredo que guarda na alma e no coração. Olívia é, no alto dos seus 80 anos, uma bem sucedida empresária portuguesas em terras brasileiras que, por fim, revela a história da sua irmã gémea, Clarice... e a sua própria história de vida. Clarice e Olívia, irmãs nascidas no Norte de Portugal, sempre foram inseparáveis. Porém, o início da II Guerra Mundial e a perseguição aos judeus, uma vez que Clarice é casada com um jovem judeu pianista, marcará o trágico destino da irmãs e respectivas famílias.

(opinião)

 

As Serviçais

Kathryn Stockett

Serviçais_sobrecapa.jpg

O romance de estreia de Kathryn aborda a década de sessenta e a segregação racial nos EUA. Um livro sobre três mulheres distintas, unidas pela vontade e necessidade de combater o preconceito baseado na cor, recheado de humor, amizade e esperança.

 

Um projecto clandestino, marcado pelo perigo, unirá as três mulheres... é a necessidade de combaterem o preconceito racial e sociais, que as sufocam, que mudará o destino d' As Serviçais.

(opinião)

 

A Verdade Sobre o Caso Harry Quebert

Joel Dicker

alf-o-caso-harry-quebert_150dpi.jpg

É de um livro que este livro fala... e do assassínio de uma jovem. Um romance policial recheado de mistérios, capaz de nos envolver desde a primeira página, levando-nos a achar que descobrimos a verdade sobre o caso Harry Quebert quando, inesperadamente, um detalhe muda o rumo das suspeitas...

 

Confia em Mim

Lesley Pearse

500_9789892336435_confia_em_mim.jpg

É, arrisco-me a escrever, um dos livros mais marcantes e chocantes de Lesley Pearse. Confia em Mim relata-nos a história de duas irmãs inglesas a quem a vida cedo demais se revela dura. Perdem, ainda meninas, a mãe e o pai é condenado pela morte suspeita da mãe. Entregues aos cuidados de irmãs religiosas num orfanato inglês, as irmãs vivem marcadas pelas regras e punições severas. Porém, acreditando num novo recomeço e melhor futuro, as irmãs aceitam integrar um programa que as levará à Austrália e a uma vida que profundamente as marcará.

 

Os livros que marcaram o meu 2016 podem ser visualizados em goodreads ou pela tag leituras 2016. 

 

Quinze livros que pretendo ler em 2017 ...

... e que já moram na minha vergonhosa estante de "próximas leituras".

 

Conto, por alto, na estante de "próximas leituras" entre 40 a 50 livros em lista de espera, alguns à mais de dois ou três anos. Por isso e acrescentando a necessidade de poupar, pretendo reduzir a lista, tornando-me mais ávida de leitura e evitar a aquisição de mais livros para já martirizada e carregada estante. Comprei - à excepção de dois: um que habita na minha estante através de um passatempo e outro por presente - todos os livros que hoje possuo por motivos diversos que à data da aquisição fizeram todo o sentido e, embora alguns já lhes tenha perdido o interesse doutra fase, a todos eles pretendo ler.  Os quinze livros que se seguem são sobre temas variados que incluem biografias, romances e romances históricos, policiais e fantasia... ora vejamos, 

 

O Livro dos Baltimore de Joel Dicker

20170104_184730.jpg

O primeiro livro que li de Dicker, A Verdade Sobre o Caso Harry Quebert, fez-me desejar conhecer mais sobre o autor. A verdade é que gostei tanto do autor que inclusive o sugeri ao meu namorado como leitura. Não o leu mas ele também não se esqueceu... será uma das próximas leituras.

 

Um Novo Amanhã de Dorothy Koomson

20170104_184936.jpg

Uma da minhas escritoras favoritas não poderia ficar de fora da minha lista de próximas leituras. Um daqueles livros que anda à demasiado tempo a ser adiado...

 

 

Nas Asas do Tempo de Diane Gabaldon

20170104_184644.jpg

Uma amiga aconselhou-me a leitura deste primeiro volume da saga Outlander e já mora na minha estante desde o início do ano anterior. A verdade é que se trata de um dos livros que mais curiosidade me desperta mas talvez pelo tamanho - mais de 800 páginas - seja um dos que mais me amedronta... será que é este ano? 

 

Fala-me de Um Dia Quase Perfeito de Jennifer Niven

20170104_184700.jpg

As críticas positivas a este romance incentivaram-me adquiri-lo e a ser uma daquelas leituras de 2017.

 

O Cônsul Desobediente de Sónia Louro

20170104_185009.jpg 

O romance histórico/biográfico de Sónia Louro centra-se numa das figuras mais importantes, e esquecidas, do último século: Aristides de Sousa Mendes.

 

E, sendo eu uma apaixonada por História e romances históricos, não tive como deixar de fora outros romances baseados na História ou em personagens reais...

 

mçk.jpg 

A Mulher do Traidor de Allison Pataki 

Vitória de Inglaterra de Isabel Machado

Onde Vais Isabel? de Maria Helena Ventura

Os Bebés de Auschwitz de Wendy Holden

A Filha do Capitão de José Rodrigues dos Santos

A Improbabilidade do Amor de Hannah Rothschild

Orlando de Virginia Woolf

Os Luminares de Eleanor Catoon

 

O Espião Português de Nuno Nepomuceno

20170104_200510.jpg

Policial, dizem as críticas que é um dos melhores livros portugueses do género... não é um estilo literário ao qual esteja habituada mas espero conseguir escapar-me à literatura que tanto me caracteriza e gosto. 

 

Harry Potter e a Criança Amaldiçoada de J.K.Rowling 

20170104_184852.jpg 

É, provavelmente, o livro que mais receio tive de incluir na lista. A explicação é simples: para mim é fundamental ler todos os livros da saga Harry Potter antes de me aventurar neste. O último livro da minha lista de leituras para 2017 quiçá não chegue a ser realmente lido... 

 

Mas, antes de me aventurar em novas leituras, é importante terminar os dois livros inciados em 2016...

20170104_202951.jpg

20170104_203012.jpg

 

Resoluções.

Nunca fui dada a resoluções de ano novo. A verdade é que das poucas vezes que tracei planos para um novo ano antes de Janeiro terminar já eu desistirá dos mesmos. Provavelmente consideraram que alguém assim é fraco ou sem objectivos mas, na minha perspectiva, iniciar um ano focado em resoluções como emagrecer é um bocadinho tonto, ou seja, não deve ser o novo ano o responsável por isso mas sim nós mesmos numa qualquer altura... porque novos começos somos nós que os fazemos.

 

Não tenho planos para o novo ano mas decidi, por estes dias, que está é a melhor altura para me lançar nos objectivos de poupar mais, ler mais, escrever mais. Comecemos pelo último objectivo...

 

O blogue, este diário, nasceu no início do ano de 2014, por necessidade de desabafar e escrever o que me vai na alma. A data, uma mera coincidência, marcou-me pelas amizades que nasceram da escrita, pelos ensinamentos e lições, pela partilha de livros e do prazer de ler, pelas conquistas que alcancei nos 3 anos de blogue. É certo, porém, que a meio do ano anterior a escrita tornou-se praticamente esquecida e inexistente em virtude de um trabalho extremamente cansativo fisicamente - e no qual ainda me mantenho - mas, graças a incentivos de alguém importante, decidi retomar algo que tanto prazer me deu e dá. Quero escrever mais porque, a verdade é somente esta: eu sinto mesmo falta de escrever e de me sentir lida.

 

Ler mais. Eu sempre li muito mas, tal como o anterior motivo, a verdade é que 2016 ficou à quem das minha expectativas. A culpa não é do ano ou totalmente do trabalho que tenho, mas de mim e da falta de vontade que às vezes se apoderava... e é precisamente isso que pretendo combater. Conheci, a meio do marcante ano de 2016, o "meu" menino a quem eu, apesar de todos os contras e da minha apatia para a leitura, acabei por incutir o gosto de ler... e entre os dois nos incentivamos a ler.

 

O objectivo de poupar não é de agora, é um plano antigo que procuro implementar ao longo dos dias. A verdade é que a necessidade de crescer, de me tornar mais responsável e independente implicam que aprenda a gerir mais e melhor o meu salário, apesar de todos os progressos. Esperemos que os próximos dias, semanas e meses sejam de consolidação de objectivos antigos que não nasceram em noites de passagem de ano. 

 

Não são resoluções mas é a isto que me proponho para o novo ano que se avizinha... que 2017 seja um ano aninda melhor do que aquele que terminou.

Pág. 2/2