Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Um Mar de Pensamentos

... nasce do desejo inconstante de partilhar um pouco de mim e do que sou numa espécie de diário. Resumo-me em: Maria, 32 anos, signo gémeos, amante de livros, sonhadora, romântica, dramática q.b., viciada em chocolates.

Um Mar de Pensamentos

... nasce do desejo inconstante de partilhar um pouco de mim e do que sou numa espécie de diário. Resumo-me em: Maria, 32 anos, signo gémeos, amante de livros, sonhadora, romântica, dramática q.b., viciada em chocolates.

33 | Coisas de blogger... completa os favoritos.

A Marta, do blogue A Rapariga Com Trançinhas, criou o seu próprio desafio e incentivou-me a responder às suas questões. A tag é bastante simples e consistem as regras em:

- Responder a todas as perguntas;

- Nomeia no minímo 3 blogs;

- Marca quem te indicou no post;

- Comenta com o link a tua resposta à TAG de quem te indicou.

 

reading.jpg

 

Uma vez conhecidas as regras, eis as respostas...

 

O melhor filme que já vi... filme em português: Um Funeral à Chuva (2010); filmes estrangeiros: Medianeras (Argentina, 2011) e Amigos Improváveis (França, 2012). No entanto, porque escolher apenas um filme é como pedir a uma mãe que escolha o seu rebento preferido, fica o registo do meu top quinze de filmes, ao qual acrescento O Menino de Cabul (não que a adaptação seja excelente, mas é um filme inesquecível, tal como o filme).

 

O meu prato favorito... bacalhau à brás, arepas venezuelanas e esparguete à bolonhesa. 

 

O meu livro favorito... um livro é especial e por mais que deseje escolher apenas e somente um livro, é-me totalmente impossível. Elaborei, graças a um desafio, este ano, o meu top seis de livros favoritos e a estes seis, acrescento: Travessuras da Menina MáA Bibliotecária de Auschwitz, O Menino de Cabul, Nunca Me Esqueças e O Monte dos Vendavais - sem qualquer ordem de preferência.

 

A canção que mais gosto... é, mais uma vez, uma questão que não permite escolher apenas uma única. Respondi, no passado, a um desafio sobre músicas, sendo fácil constatar que um dos meus géneros musicais favoritos é o latino. Confesso, no entanto, que nos últimos dias tenho andado completamente viciada e rendida às vozes de Diogo Piçarra e Ed Sheeran...

 

A melhor viagem que fiz... viagem de finalistas a Lloret del Mar, Espanha: pelas pequenas aventuras e peripécias, pelas histórias, pelos amigos... e desengane-se quem imagina álcool ou exageros à mistura. 

 

A minha série favorita... sem nenhuma dúvida: A Guerra dos Tronos.

 

A minha peça de roupa favorita... vestidos!

 

A minha disciplina favorita... era, no ensino secundário, História, Geografia, Espanhol e Sociologia.

 

Não vou nomear ninguém... deixo-o, em aberto, para quem quiser responder. Sintam-se à vontade para roubar e responder!

Manias minhas.

Não gosto de livros de bolso. Não gosto de sentir as folhas finas do papel. Não gosto das capas frágeis dos pequenos livros de bolso.

 

Gosto dos livros de tamanho normal. Gosto de sentir o papel forte. O folhear e o sublinhar sem medos de rasgar. Gosto das capas consistentes dos livros de tamanho normal. 

 

tumblr_nseyc1PuO91uycjo9o1_1280.jpg

 

Os livros de bolso podem ser mais fáceis de transportar, mais leves e ocupar menos espaço mas, para mim, que não gosto da fragilidade de um livro, opto sempre pelos outros... e tenho alguns livros de bolso.

 

Manias!

Seis pequenos troques para quem quer ler mais.

Sempre, desde menina, me recordo de ter por companhia um livro. Fez-me companhia nos piores e melhores momentos da minha infância e adolescência porém, confesso, o vício sofreu altos e baixos. O bichinho da leitura, apesar da importância que assumiu em determinadas fases da minha vida, não foi sempre igual: existiram longos anos em que raramente lia e, outros, em que não os largava; resumia-se, em parte, à forma como eu vivia os sentimentos, aos amigos e à escola e, noutra, à quantidade de dinheiro que recebia e às prioridades da idade. No entanto, desde à uns dois ou três anos para cá, o vício dos livros renasceu em força. Não é que eu, nos anos de faculdade, não lê-se, porque li imenso, mas o prazer era outro, distinto.

 

Na era em que o vício dos livros se apoderou de mim, vivia uma fase delicada da minha vida e foi neles, para lá de alguns amigos, que encontrei conforto e refúgio, um medicamento para a dor de alma que sentia. A coisa poderia ter finalizado quando, a bem ou a mal, acabei por ultrapassar tal período marcante da minha vida... mas, o que é certo é que o bichinho, anos depois, se tornou uma espécie de droga à qual não consigo evitar. Faz parte de mim e, sem ele, dificilmente a vida teria a mesma cor. 

 

tumblr_mgejirk3fD1qe7mxjo1_500.png

 

Não existe nenhum método para se ler... basta, simplesmente, ler. Existem pequenos troques que estimulam a leitura e fomentam o bichinho. Em mim, esses troques pouco significam visto que sempre li mas, acredito que para quem nunca lhe sentiu o gosto pela leitura, seja necessário optar por encontrar-los. Não acredito, ainda assim, que alguém não goste verdadeiramente de ler... simplesmente ainda não acharam um livro que os estimule.

 

Não existe uma regra para se ler mais, embora se possam adoptar pequenos troques e baseados na minha experiência deixo algumas sugestões, como...

 

| Estabelecer capítulos ou número de páginas para mínimos diários.

Procuro, sempre, ler pelo menos um a dois capítulos por dia (embora, seja menina para ler bem mais por dia). Para quem não possui o hábito regular de ler, está pequena regra será um verdadeiro estímulo. Um capítulo por dia - ou dez páginas de leitura - nem sabe o bem que lhe fazia!

É, definitivamente, a dica mais útil e importante que posso dar...

 

| Escolha um horário.

Gosto de ler pela manhã, quando ainda me encontro fresca, ou ao final do dia, para relaxar e esquecer-me do mundo. Cada um deve, no entanto, optar por um horário adequando para cumprir os mínimos diários estabelecidos. Aproveite a viagem de comboio ou, se não enjoar, de autocarro. Aproveite a hora do almoço ou a pausa da tarde ou do cigarro. Basta escolher o horário mais adequado a si e ao seu tempo: certamente que na correria dos dias, encontrará um momento de pausa e relaxe... basta querer!

 

| Escolha um local.

Na cama ou na sala, no jardim ou no comboio, defina o melhor local para ler. Pessoalmente, adoro ler na cama... estendo-me nela, barriga para baixo, apoiada numa almofada e leio, leio, leio. Leio quase sempre acompanhada com música. Por exemplo, embora já o consiga, durante anos estudar ou ler num café era um verdadeiro tormento, desconcentrava-me com facilidade. É importante ler num local que gostemos, que nos permita relaxar e viajar pelo universo da leitura... ler onde haja televisão ou qualquer outra fonte de distracção não será, de todo, conveniente. 

 

| Aproveite as promoções e campanhas.

Ler em Portugal é caro. Impus, por isso, a mim mesma só comprar livros em segunda mão ou em campanhas/promoções que considere benéficas. Procuro sempre comprar livros abaixo dos 10€. Acredito que seja uma dica útil porque, em cada campanha ou promoção, é possível encontrar livros excelentes e do interesse de todos a preços bastante acessíveis. Portanto, não ler porque é caro não pode ser a desculpa...

 

| Leia o que gosta. 

Seja sobre futebol ou religião, a biografia de Karl Marx ou um romance erótico... leia o que gosta. Eu, M*, por exemplo, adoro ler romances, sejam eles bibliográficos (ou seja, baseados/verídicos em histórias reais) ou históricos, bem como livros de cariz religioso ou baseados em temáticas actuais. Não sou fã de literatura do terror, futurista ou ficcional. Leio romances eróticos, se estiver virada para isso...

O primeiro passo é ler as sinopse para ver se realmente nos cativa e, depois, ler alguns trechos do livro, ou vice-versa - por vezes, a sinopse não cativa tanto quanto ler alguns trechos do livro. Não fique com vergonha do que lê... alguns livros são verdadeiramente cómicos.

Estou convencida que ler, independentemente da temática, é preferível a nada ler. 

 

| Se um livro não o cativa...

Um livro, é a minha política, deve ler-me e não eu a ele. Ou seja, para mim, se um livro não me cativar nas primeiras páginas, dificilmente me cativará nas restantes. Não sou eu que tenho de me adaptar ao livro, mas sim o livro a mim (frase da minha professora de português). É pouco frequente acontecer mas... Por exemplo, o livro mais recente que não me cativou minimamente foi O Retrato da Mãe de Hitler: tinha tudo para dar certo mas, aqueles diálogos entre avô e neto de teor sexual não me incentivam a ler. Li mais de metade do livro mas, faz muito tempo que o livro deixou de me cativar e, para mim, não vale a pena insistir num livro que nada me diz. O mesmo se passou com outros livros que procurei ler este ano, como O Circo dos Sonhos ou o Bala Santa. O primeiro, porque é um livro de ritmo e desenvolvimento lento, o segundo e apesar de ter lido mais livros deste autor, a forma como este estava escrito não me prendeu. Se um livro, depois das devidas oportunidades, não cativa... não insista. Simples. Sem dramas.

 

Talvez possa parecer contraditório, porém...

 

É sempre importante oferecer uma ou duas oportunidades a um livro. Nem sempre, por diversos motivos, um livro nos cativa automaticamente às primeiras páginas. Um dos meus livros favoritos, A Sombra do Vento, não me cativou às primeiras cem páginas (creio que nem às duzentas): o ritmo inicial era lento, recheado de detalhes e personagens. Insisti uma vez. Insisti duas. Foi, somente, à terceira tentativa que me consegui prender à história, cativando-me de tal forma que se tornou num dos meus livros preferidos. O mesmo sucedeu com O Segredo de Compostela ou A Bastarda de Istambul. O primeiro tornou-se outro dos meus livros preferidos e o segundo foi uma excelente viagem de aprendizagem, do qual gostei imenso de ler. E, já me esquecia... Não fosse a obrigatoriedade da disciplina (e da rigidez da tal professora de português) e nunca teria conseguido ler e adorar Memorial do Convento - mais um, a par de Ensaio Sobre A Cegueira, livro favorito.

Sobre isto, meus amigos/as, tenho a certeza de que não existe uma formula. Julgo que é uma espécie de sexto sentido literário que, a cada novo livro lido, vamos desenvolvendo...

 

Por outro lado, existem duas pequenas dicas que, reconheço, não se aplicam a todos mas que podem ser úteis: não seguir modas/opiniões extremamente positivas e escrever nos livros.

 

Li, seguindo a moda, o primeiro volume e parte do segundo volume das Sombras de Grey, mas não fiquei fã. Li o Prometo Falhar e detestei. No entanto, a grande fatia dos que leram, adoraram. Não consigo deixar-me influenciar por opiniões extremamente positivas, que elevem os livros da moda ao patamar dos melhores dos últimos tempos. Não consegui, ainda, deixar-me enfeitiçar pelo livro A Rapariga No Comboio. Manias minhas (o melhor é não ligarem)! 

 

Pessoalmente, considero que escrever e sublinhar valoriza um livro. É um gesto de amor, de que gostamos e nos cativou, para com um livro. Por vezes, na nostalgia dos dias, abro O Memorial do Convento e ponho-me a ler as notas que tomei das aulas. Uma lição que jamais esquecerei da tal professora de português...

 

 

Não existe uma formula mágica que nos leve a ler mais... nem um comprimido. Podemos adoptar e introduzir pequenos troques que acabaram por tornar a leitura num gesto banal e rotineiro. Para mim, ler tornou-se nisso mesmo, um gesto simples, banal e rotineiro. É uma parte de mim. 

 

É estranho, porque às vezes eu leio um livro e acho que sou a pessoa do livro.

 

As Vantagens de Ser Invisível

Stephen Chbosky

Estantes ou... as dez casas ideais para amantes de livros.

Uma das minhas paixões, talvez a paixão mais evidente, refere-se ao universo da literatura. Quem por aqui passa sabe que um dos temas principais do meu diário virtual são os livros... e para quem não o sabe, basta pesquisar um pouquinho. Folhear, sentir, cheirar, viver, viajar são pequenos prazeres que a leitura de um livro me permitem sem nunca abandonar o local onde me encontro. Sou apaixonada por livros mas, igualmente, por estantes. Um universo não vive sem o outro. Dizer-se amante de livros e não gostar de contemplar estantes é, simplesmente, parvo. Recentemente encontrei um artigo, em português do Brasil, sobre estantes ou as 10 casas ideais para amantes de livros. Não vou expor todo o artigo mas eleger o meu top três favorito, ora deliciem-se...

 

Leitura e isolamento

casa_de_nerd_livros_07.jpg

Eis uma biblioteca que comporta 5.200 volumes. Neste espaço, há pouco para se ver que não os livros: a estrutura metálica da passarela e das escadas, uma poltrona neutra e confortável, uma pequena mesa de apoio para uma bebida ou um petisco e a vista. Trata-se de um verdadeiro espaço de leitura e contemplação desenvolvido pela firma de arquitetura suíça Ilai. O contraste entre o tom escuro das estantes, o branco da circulação e a madeira do piso tornam o espaço intimista e agradável, ainda que moderno.

 

Uma casa para 16 mil livros

casa_de_nerd_livros_09.jpg

Às vezes, os arquitetos se deparam com uma tarefa complicada. No caso de Gianni Botsford, foi construir uma casa para seu pai, escritor, que comportasse seus mais de 16 mil livros. A solução foi desenhar uma enorme biblioteca que também tem a função – secundária – de ser um lar. O projeto, todo de madeira, é simples e bonito, com diagonais emocionantes. O espaço capturado na foto carrega apenas parte da coleção.

 

100 nichos do piso ao teto

casa_de_nerd_livros_08.jpg

Em Estocolmo, na Suécia, este amplo apartamento foi criado no topo de um prédio, onde antes havia um grande estúdio. Sem dúvida, os dois elementos que mais chamam a atenção são a estante, com cem nichos, e as aberturas na cobertura. O móvel que ocupa a totalidade da parede não existia anteriormente, sendo construído para servir de divisória de ambientes. Além de livros, os pequenos espaços quadrados guardam os objetos significativos dos moradores, tornando a estante um grande organizador.

 

Três andares de livros

casa_de_nerd_livros_02.jpg

Em Roterdã, na Holanda, este “loft vertical” se desenvolve literalmente em volta da estante. Nada discreta, ela ocupa a maior parte da residência, tomando uma área grande da parede, do térreo ao segundo andar. No espaço da cozinha, a mesma estante se torna um armário fechado para guardar as louças e os utensílios. Mas o "móvel" homérico não carrega apenas livros e, sim, o próprio peso da casa – ou parte dele –, substituindo uma das paredes estruturais da construção original. O projeto é do escritório holandês Shift.

 

Mais em, revista Casa Vogue...

10 Casas Ideias Para Amantes de Livros 

 

Casas deliciosas! Estantes de sonho! Quero, um dia, uma casa assim!