Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Um Mar de Pensamentos

Um mar de leituras. Um mar de sonhos. Um mar de conquistas, lutas e fracassos. Um mar de mil pensamentos. O diário de M*

Um Mar de Pensamentos

Um mar de leituras. Um mar de sonhos. Um mar de conquistas, lutas e fracassos. Um mar de mil pensamentos. O diário de M*

Os livros do mês de Abril.

Maio 06, 2015

E As Montanhas Ecoaram

Khaled Hosseini

Liv01040550_f.jpg 

- É uma coisa engraçada, Markos, mas as pessoas geralmente interpretam isso ao contrário. Pensam que vivem de acordo com aquilo que querem. Mas, na realidade, o que as guia é aquilo de que têm medo.

 

E As Montanhas Ecoaram leva-nos a sentir o amor sincero entre um irmão, Abdullah e a irmã de quem sempre tomou conta após a morte da mãe de ambos, Pari. O pai de Abdullah e Pari é obrigado a separar os irmãos, vendendo Pari a um casal abastado de Cabul, Afeganistão e, desta forma, continuar a manter a restante família. A cruel escolha tomada pelo pai, deixa nas vidas de Abdullah e Pari, um enorme sentimento de vazio. Porém, a vida prossegue e é, deste modo, que descobrimos histórias paralelas e secundárias de quem, de alguma maneira, lidou com os irmãos. E As Montanhas Ecoaram fala do amor entre irmãos mas, de escolhas e decisões que, em algum momento alteram o rumo das nossas vidas e de sentimentos em relação a um país em constante guerra e destruição, Afeganistão.

 

Khaled Hosseini é, definitivamente, um mestre na arte de contar histórias, dono de uma enorme criatividade, sensibilidade e fluidez de palavras, capaz de nos levar a reflectir e a imaginar os seus cenários. A minha opinião sobre este livro, aqui.

 

Nunca Digas Adeus

Lesley Pearse

500_9789892319421_nunca_digas_adeus.jpg

- Penso que a maior parte de nós se apaixona sempre pelo mesmo género de pessoas - respondeu Steven. - Mesmo sabendo qual vai ser o resultado.

 

Nunca Digas Adeus é uma viagem ao coração puro da amizade. Susan e Beth são amigas desde infância, separadas pela força do destino para, vinte e nove anos depois, o caminho de ambas se cruzar pelos piores motivos. Beth é uma mulher lindíssima, uma advogada de sucesso, colocada a defender uma mulher que assassinou, a sangue-frio, duas pessoas numa clínica médica. Susan é essa mulher que, numa tarde chuvosa de Outono, matou a recepcionista e o médico. Beth e Susan mal se reconhecem mas, a força da amizade e as lembranças daquelas férias de verão é poderosa e ambas embarcam na aventura dos segredos que levaram Susan a cometer tal atrocidade.

 

Nunca Digas Adeus é muito mais do que um romance sobre a amizade. Aborda temas sensíveis, como a violência doméstica, o alcoolismo, a escravatura infantil, a perde de um filho ou a violação sexual. As personagens longe de serem perfeitas, mostram-nos o lado humano de quem encerra em si traumas e medos e, a forma como luta para os ultrapassar. Um romance sensível, humano, carregado de emoções e sentimentos. A escrita é simples, cativante, viciante. Prende-nos. A cada nova descoberta, mais segredos vamos descobrindo. O final é surpreendente. 

 

É fácil conseguir-me identificar com Susan. Baixa, roliça, bonita mas não atraente, Susan é uma mulher de fraca auto-estima com quem facilmente partilho os sentimentos sobre o corpo e o sexo oposto...

 

Lesley Pearse, com este segundo livro que leio, conquistou-me. Tornou-se, marcadamente, uma das minhas escritoras favoritas.

 

Glória Mortal

J. D. Robb

9789898032423_1229687158.jpg

Ele tinha o maxilar esmurrado, sangue no casaco e um brilho no olhar. Ela perguntava-se se perdera o juízo. - Estamos aqui, espancados de morte, a abandonar o local do crime onde um de nós ou ambos podíamos ter ido desta para melhor, e pedes-me em casamento?

Ele voltou a passar o braço à volta da cintura dela e puxou-a. - É a altura perfeita.

 

Glória Mortal é um policial futurista com romance à mistura. Eva Dallas é a famosa tenente da polícia de Nova Iorque, encarregue de investigar a estranha e horrível  morte de uma famosa procuradora do ministério pública daquela cidade. Porém, a esta morte, outras mortes se sucedem e, a tenente Dallas vê-se envolvida numa teia de conspirações, segredos e poder. A minha opinião sobre esta leitura pode ser lida aqui

 

Equador

Miguel Sousa Tavares

equador.jpg

- É difícil de responder... a vida ensinou-me que a nossa capacidade de resistência e de sofrimento é sempre maior do que supomos.

 

Equador é uma viagem às ilhas de S. Tomé e Príncipe, da escravatura, das roças e da produção de cacau do início do século XX.

 

Luís Bernardo Valença é um jovem empresário lisboeta, solteiro e dotado de humanidade e inteligência. Sob a ideia de um falso humanismo, rapidamente compreende o jogo adoptado pelas potências estrangeiras, nomeadamente a Inglaterra, que procuram eliminar a concorrência portuguesa de cacau, alegando trabalho escravo nas ilhas. Porém, a realidade nas colónias portuguesas não é distinta de outras colónias europeias e, o jovem denuncia-o. É a denúncia de Luís Bernardo que leva o rei D. Carlos a convidar o jovem Valença a assumir o cargo de governador das ilhas de S. Tomé e Príncipe com o objectivo de conhecer a realidade sobre a escravatura na ilha e convencer o cônsul enviado por Inglaterra, igualmente para verificar o mesmo facto, de que a escravatura naquela colónia portuguesa é algo do passado. 

 

Luís Bernardo não existiu mas, a escravatura e exploração negra sim. Equador é um romance sensível e inesquecível, recheado de detalhes históricos sobre a vida naquela colónia portuguesa, numa escrita absorvente e cativante.

 

E As Montanhas EcoaramNunca Digas Adeus Equador são os meus destaques para o mês de Abril (ou seja, quase todos).

Dia Seis. Livro(s) que leste mais vezes.

Maio 06, 2015

Confesso: não tenho por hábito reler livros. O vício da leitura, de ler com regularidade, cresceu nos últimos dois ou três anos. Nos anos anteriores, entre a licenciatura e o mestrado, a necessidade de leitura ficou guardado numa espécie de caixa, na mesma onde guardo as coisas mais importantes. Na época, os textos e livros académicos eram mais do que suficientes para "matar" um pouco o meu desejo de leitura, o chamado ler por necessidade. Ainda assim, volta e meia sentia necessidade de ler por prazer e, tendo sempre o dinheiro contado, procurei reler alguns livros, sendo eles,

 

Para A Minha Irmã

Jodi Picoult

image17195889.jpg

 Li-o umas duas vezes. Vi a adaptação para cinema umas três vezes. Definitivamente, depois de ler cinco livros de Picoult este, é de longe, o meu preferido desta escritora norte-americana. Primeira leitura em 2010.

 

Memorial do Covento

José Saramago

Memorial-do-Convento.jpg

 Uma vez que, tratando-se de leitura obrigatória no ensino secundário e tinha pequenos testes semanais sobre os capítulos, reli-os várias vezes na ânsia de não perder pequenos detalhes. Lido em 2006.

 

Os Retornados: Um Amor Nunca Se Esquece

Júlio Magalhães

51UDsyXWd8L.jpg

 Li-o duas vezes. Não me recordo ao certo porque motivo o comprei... talvez pelo tema, talvez pelo título, talvez pelo nome de quem o escreveu. Mas, o que é certo é que gostei imenso deste livro, de leitura leve e simples. Longe de ser um dos melhores romances de época que li, Júlio Magalhães convida-nos a conhecer, numa escrita absorvente e delicada, a dolorosa Ponte Aérea de 1974 e 1975, entre Angola e Portugal. Joana, a protagonista desta história, tinha tudo para ser uma advogada promissora mas, o sonho vira realidade e, a jovem torna-se naquilo que sempre quis ser: hospedeira de voo. É, num voo sobrelotado, que o destino de Joana se cruza com o de Carlos Jorge, um homem perturbado pelo retorno forçado a Portugal. Através do olhar de Joana e Carlos, conhecemos o drama de dois países: de um lado, Angola, a braços com movimentos independentistas que semeavam a morte e a guerra, do outro, Portugal, onde a revolução de Abril de 1975 produzia mudanças e consequências. E, é neste espiral de mudança que, os retornados da maior Ponte Aérea portuguesa abandonam casa, empregos e amigos. Lido em 2012.

 

O Principezinho

Antoine de Saint-Exupéry

6666158_chQQJ.jpg

 

 Não me recordo em que ano o li mas, relembro-me de o ter lido e relido com a minha irmã mais nova. Uma história intemporal, verdadeiramente encantadora e inesquecível.

 

___

 

11180265_10153384994744636_836664787_n.jpg

 O desafio literário foi-me sugerido pela Magda. A ideia é, durante quarenta e cinco dias, todos os dias, à mesma hora, falar-se sobre livros, respondendo às questões sobre o universo dos livros. O objectivo do desafio é simples: se por um lado, consiste numa de gostos e experiências sob o mundo dos livros, por outro, este desafio leva-nos-à a pensar e a reflectir sobre os livros que já lemos. Iniciado a 1 de Maio de 2015 e durante 45 dias, neste blog, falar-se-à maioritariamente de livro. Não se esqueçam de visitar a Magda e conhecer as suas escolhas literárias

companhia literária...

Mais sobre mim

foto do autor

Mensagens

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Sigam-me

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
| A literatura é a maneira mais agradável de ignorar a vida. Fernando Pessoa. |