Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Um Mar de Pensamentos

Um mar de leituras. Um mar de sonhos. Um mar de conquistas, lutas e fracassos. Um mar de mil pensamentos. O diário de M*

Um Mar de Pensamentos

Um mar de leituras. Um mar de sonhos. Um mar de conquistas, lutas e fracassos. Um mar de mil pensamentos. O diário de M*

04
Dez18

Chave Negra: (segunda caixa) Dezembro.

Cessaram, por fim, as minhas expectativas quanto à caixa mistério da Chave Negra. Eu, aqui me confesso: pareço uma criança pequena a abrir uma caixa de chocolates ou a receber a primeira Barbie. A minha caixa não vai directamente para minha casa, uma vez que a minha caixa de correio é pequena e teria de a levantar nos CTT portanto, para evitar esperas, a caixa vai directamente para o estabelecimento comercial que o meu irmão possui. Resumindo, passei a semana anterior toda a perguntar-lhe se tinha recebido alguma caixa para mim e, mal soube que ela lá estava, passei por lá para a recolher. Sou, definitivamente, uma criança... mas adoro receber surpresas!

 

IMG_20181204_213415_549.jpg

 

A segunda caixa literária mistério da Chave Negra é dedicada ao romance, sob o lema "Aquecer o Coração". O livro de Dezembro é um romance e todo o conteúdo da caixa está ligado a ele, os seis a oito brindes que a compõem.

 

20181204_210302.jpg

 

Confesso que, apesar de toda a magia que envolve este género de caixas, fiquei desiludida. O autor, Raul Minh'Alma, não me diz absolutamente nada nem me atrai. Admito que está longe de ser um livro que irei ler brevemente... se o fizer porque, confesso-me, estou mais tentada a vender ou dar o livro. É o mal deste género de caixas mistérios literárias: nunca sabemos que livro vamos receber, se gostamos do autor ou, inclusive, se já o temos ou fazem parte de uma saga. Riscos que assumo pelo prazer de receber uma caixa, sobe um tema, no qual eu não tenho nem ideia de qual será o seu conteúdo. Apesar de o livro não ser do meu agrado (é uma caixa mistério e eu sabia que corria o risco de não gostar do conteúdo), adorei o forro para livro, o frasquinho com os bombos - que desapareceram no momento em que abri a caixinha - e o miminho para a árvore de Natal.

 

20181204_210812.jpg

 

A Chave Negra é, para quem ainda não conhece, a primeira mistery book box portuguesa. A primeira caixa mistério literária foi lançada em Novembro deste ano e o tema de Janeiro será "A chave para desvendar o mistério!". O preço é de vinte e cinco euros e podem (e devem) reservar a caixa até dia dez deste mês. Mas, para mais informações, podem contactar a Chave Negra via Instagram, Facebook ou página. Vou receber a minha caixa de Janeiro e vocês?

29
Nov18

2019: o ano em que vou (continuar) a apostar em mim.

 Não tenho, por norma, o hábito de fazer resoluções ou traçar objectivos de ano novo ou de aniversário. Acredito que a mudança deve acontecer quando queremos, numa segunda-feira ou numa quarta-feira, em qualquer altura do ano, e por nada em específico, só porque queremos mudar algo na nossa vida. No entanto, apesar da contradição das minhas palavras, o próximo ano será o ano em que quero muito apostar em mim... ou continuar.

 

20373439_sh7iq.png

(Imagem: Acredita em ti e voa!)

 

No início deste ano, algures depois das festividades dos Reis, decidi que iria mudar a minha alimentação e apostar na minha saúde. Nunca fui, desde os meus dez anos, uma miúda de corpo delicado, magro e de auto-estima elevada. Pelo contrário, desde essa idade e até aos meus presentes trinta anos, sempre fui gordinha, de fraca auto-estima e com problemas de acne. Não posso, segundo o dermatologista que consultei à uns anos, resolver o problema do acne mas posso lutar contra o resto... e foi isto que procurei fazer ao longo dos últimos ano. Lutei, ano após ano, contra os meus complexos e medos, procurando descer os números do meu peso na balança, mas se consegui atingir níveis satisfatórios relativamente à minha auto-estima, o mesmo não o posso afirmar com os números na balança (e quem me segue no blogue à mais anos, sabe do que falo). Não tenho uma auto-estima ao nível dos cem porcento mas, talvez não exagere se a considera a uns setenta quando, na minha meninez e adolescência, equivalia a uns vinte. Não acredito, todavia, que algum dia esteja a cem porcento, porque isto é uma luta que nunca acaba, mas quero evitar ir-me abaixo de cada vez não caibo numas calças.

 

Posto isto, no início deste ano decidi que iria mudar a minha alimentação, praticar mais exercício físico e reduzir os valores do meu colesterol. Se consegui o último, o mesmo não posso afirmar do segundo e o primeiro, embora já não viva sem a minha sopa à hora do almoço, ficou um bocadinho longe dos meus planos. A ideia era, ao mudar a minha alimentação, comer mais legumes e fruta, preparar refeições mais saudáveis, reduzir nos doses e refrigerantes, beber mais água e comer mais sopa... de tudo isto só consegui reduzir nos refrigerantes e aumentar o consumo de sopa. Os restantes sofriam de picos de humor: ora passava semanas sem tocar num chocolate e dias a comer fruta seguidas, como podia passar três dias a enfardar chocolates e nada de fruta. É, a convulsão alimentar, uma das minhas lutas de há anos e que não sei se jamais a conseguirei enfrentar... porque é na comida que muitas vezes encontro refugio e consolo para os meus medos e dramas, embora saiba que também me causa mais e mais problemas. 

 

46893566_2293769397314281_4787451924314062848_n.jp

(Imagem: Facebook Disney Ironica)

 

A mudança a nível profissional veio desmobilizar os meus planos de saúde iniciais. Eu estava a conseguir perder peso. A adaptação a um novo ritmo e estilo profissional, mais sedentário que o anterior, levou-me a ganhar o peso que tinha perdido. Senti-o nas calças que outrora tanto usara, senti-o nas roupas que em lojas ditas normais outrora conseguia caber e deixei de conseguir, senti-o na minha saúde. Conjugar o meu horário de trabalho com o pouco tempo que me sobrava é, ainda hoje, uma tarefa que estou a aprender (a escrita e a leitura sentiram tanto com esta mudança profissional). Inscrevi-me num ginásio mas não o fiz por mais de três meses... estava a pagar para nunca o frequentar porque chegava sempre muito tarde a casa. E é isto que quero mudar e não o quero só no próximo ano, quero-o já. Para tal e, porque a nível profissional não me sinto numa situação muito estável, decidi retomar as aulas de zumba, com duas sessões semanais. O objectivo não é, mais uma vez refiro-o, emagrecer mas sim tornar-me mais saudável e activa.

 

Não quero que dois mil e dezanove seja o ano de mudar, pelo contrário, quero que seja um ano de continuidade, aquele em que vi que podia ser mais. Não vou esperar por Janeiro para o fazer, mas começar agora... um novo ano é quando quisermos começar verdadeiramente a mudar. Dois mil e dezanove é o ano em que vou continuar a apostar em mim... a nível pessoal, profissional e de saúde.

 

46516849_2289396821084872_5385349893478940672_n.jp

(Imagem: Facebook Disney Ironica)

 

Pessoal:

- Aprender a língua inglesa: adiei durante meses e meses iniciar uma formação nesta língua mas não posso continuar a negar a minha lacuna nesta área e na necessidade em investir na aprendizagem. 

- Ler um livro por mês e escrever, pelo menos, um a dois posts por semana.

- Gerir melhor as minhas finanças: aprender a pensar duas vezes antes de comprar e registar diariamente (na agenda ou numa folha excel) os meus gastos, bem como tentar colocar todos os meses um valor fixo numa conta poupança.

 

Profissional:

- Mudar de trabalho (obviamente).

 

Saúde:

- Retomar (já este mês) as aulas de zumba e/ou caminhar pelo menos trinta minutos.

- Beber mais água e continuar a cortar nos refrigerantes.

- Procurar passar um mês sem consumir açúcar (não sei se consigo mas vou tentar... li o desafio neste blogue).

- Continuar a comer diariamente um ou dois pratos de sopa e comer mais fruta e legumes. 

22
Nov18

Os livros que eu gostava de comprar na black friday.

A única coisa que comprei numa black friday foi, no ano anterior, um telemóvel samsung para substituir o meu anterior, também samsung, com falta de espaço e já desgastado do uso. Não o fiz por ser black friday mas porque simplesmente calhou. Confesso que, embora tenha um grande problema em gerir o meu dinheiro e seja pouco ou nada poupada, não ligo nada a este dia... mas admito que, se tivesse possibilidades, aproveitaria o dia para comprar um macbook da apple. O dia é, para mim, mais uma forma estúpida e exagerada de consumismo. Apesar de todo o contra-censo, este ano pretendo aproveitar o dia para comprar livros, caso considere que as promoções compensam. Bem sei que tenho vários livros em lista de esperar para ler, talvez uns cinquenta, mas livros nunca são demais e preciso/gostaria mesmo de me apoderar destes...

 

350x.jpg

1540-1.jpg

1540-1 (1).jpg

klkll.jpg

250x.jpg

250x (1).jpg

250x (2).jpg

250x (3).jpg

livro_historiasdeadormecerpararaparigasrebeldes.jp

1290966.png

 

Claro que a minha lista de livros é infindável... quero sempre mais livros, embora não tenha nem dinheiro nem tempo para ler tantos quanto gostaria. Porém, estes são alguns dos que gostaria de comprar na black friday... o termo mais correcto é o 'gostar' porque embora eu precise de todos eles na minha estante, só me posso contentar em adquirir o primeiro da lista (o de Diana Gabaldon porque estou simplesmente viciada nos livros) e seleccionar algum dos restantes mediante os descontos que as livrarias realizaram. A esperança é que alguém, família e namorado, seja uma pessoa querida e me ofereça algum dos restantes... e, com o tempo, ir comprando o que conseguir.

21
Nov18

Digam-me lá...

Numa entrevista de emprego é sempre preferível admitir a verdade e confessar que não nos sentimos à vontade com uma determinada área ou mais vale dizer "amém" a tudo e mentir/omitir a quem nos entrevista? 

09
Nov18

A Sereia de Brighton de Dorothy Koomson.

image (1).jpg

 A Sereia de Brighton de Dorothy Koomson foi, de entre todos os livros que li este ano e à excepção dos livros com menos de cinquenta páginas, o livro que li mais rápido: comprei-o numa sexta-feira ao final do dia, só porque a sinopse não me abandonava a cabeça, e terminei-o no domingo à noite. Fiquei completamente rendida e viciada na narrativa e sempre que me via forçada a parar de ler, só pensava em retomar para descobrir mais contornos da dramática história. Uma leitura que nos devora por dentro, dada a curiosidade com que nos envolve e nos leva a reflectir sobre temas actuais.

 

Nell e Jude são duas amigas de quinze anos que, certa noite e após mentirem aos pais, decidem fugir de casa para irem a uma festa de adolescentes. No regresso a casa, atraídas pela curiosidade própria da idade, as jovens descobrem o corpo de uma jovem mulher, com cerca de dezanove anos, abandonado numa praia de Brighton: julgam-na, inicialmente, inconsciente mas rapidamente percebem que está morta. A polícia é chamada ao local, apelidando a jovem assassinada de A Sereia de Brighton, e as duas amigas são interrogadas pela polícia e ambas consideradas suspeitas daquela morte. Porém, a vida de Nell e da família mudará drasticamente quando, uma semana depois da descoberta, a amiga Jude desaparece. Vinte e cinco anos depois, Nell não esquece a fatídica noite que lhe mudou a vida e, por sua conta em risco, decide descobrir quem era a sereia de Brighton e compreender o que aconteceu à sua amiga Jude. No entanto, alguém que a controla de perto não quer que Nell descobra as verdades daquela dramatica noite...

 

Dorothy Koomson, neste livro, aborda com mestria temas delicados como o racismo e o preconceito, a violência policial, a violência contra mulheres e as marcas que a violência na infância se traduzem num jovem adulto. É uma narrativa incrivelmente cativante, mergulhando rapidamente na história e no drama vivido por Nell, onde só queremos descobrir toda a verdade e justiça para quem lhe fez tanto mal. A narrativa de A Sereia de Brighton vária em dois tempos: no presente e no passado, quer por Nell quer pela irmã desta, dando-nos a conhecer diferentes perspectivas e detalhes da história e fazendo-nos ver que a descoberta atingiu muito mais do que as duas amigas. As personagens, principais e secundárias, foram muito bem conseguidas e trabalhadas, todas elas - a meu ver - fundamentais para a narrativa. O final é macabro e surpreende - eu não o imaginava assim -, revelando a crueldade do ser humano e como uma única pessoa conseguirá mudar tanto a vida de duas adolescentes e família.

 

A Sereia de Brighton é considerado uma das minhas leituras favoritas de 2018 e Dorothy Koomson uma das minhas escritoras favoritas. A capacidade com que mistura, nos seus livros, suspense, drama, amor, amizade e temas sensíveis e actuais é genial e invejável, sendo impossível ficar-lhe indiferente. Não considero este livro como um romance e creio que está longe de o ser, é mais um género de policial ou mistério. Independentemente da categoria atribuída a este livro, recomendo a leitura de A Sereia de Brighton... muito bom!

 

Avaliação (de um a cinco): 5*

companhia literária...

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • M*

    eu ainda ando a gatinhar mas vou indo. tenho de i...

  • Just_Smile

    Este ano tinha decidido que também ia mudar a minh...

  • M*

    Nem eu... até este mês, Admiti a verdade, o de não...

  • M*

    Foi o que eu tentei fazer mas parece que surtiu o ...

  • M*

    Eu desgracei-me: comprei o 4 volume de Outlander e...

| A literatura é a maneira mais agradável de ignorar a vida. Fernando Pessoa. |

Facebook

Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D