Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Um Mar de Pensamentos

Um mar de leituras. Um mar de sonhos. Um mar de conquistas, lutas e fracassos. Um mar de mil pensamentos. O diário de Maria, 28 anos*

Um Mar de Pensamentos

Sex | 08.07.16

O tempo dos 28.

M*
Começo a dar-me conta, por intermédio de conversas à hora do almoço com algumas colegas de trabalho, de que estou a ficar velha quando me dizem que aos 26 anos já planeiam o casamento ou, com a mesma idade, mantêm um relacionamento de dez anos. Eu, aos 28, tenho dificuldade em fazer nascer laços de amizade... quanto mais conquistar alguém. É um triste sentir-se sozinha. Dizem-me, com frequência, que é tudo uma questão de tempo, para toda e qualquer conquista - e eu bem o sei -. (...)
Ter | 09.06.15

Portanto,

M*
... prometeram-me chuva para hoje, trovoada, descida da temperatura, o distrito pintado de amarelo e o diabo a sete e, o único que realmente vi acontecer e cheirar foi, um maldito incêndio florestal.   Oh, gente! Oh raio dos meteorologistas, porque é que nunca acertais com o Norte, hum? Que embirração é essa, expliquem-me... é que, definitivamente, nunca acertam. Desisto. E eu aqui, tola, aguardava a tão prometida e ansiada chuva e, bolas, nem uma amostra!   EU PRECISO DE CHUVA, (...)
Qua | 25.02.15

Levo-te comigo.

M*
Presente em cada sonho. Nos dias que vivo, nos sons que escuto, nas cores que me rodeiam e pintam os meus olhos. Levo-te comigo. Na tristeza dos dias, nos sorrisos sinceros do presente, nos sonhos do amanhã. Levo-te comigo. Nos livros que partilho contigo, nos passos pelas ruas da vila, na ausência que sinto de ti. Sinto-te comigo. No frio que me barre a alma e o corpo, quando mergulho nos pensamentos do amanhã e te sinto num livro. Sinto-te comigo. Quando fecho os olhos invades sempre (...)
Sex | 20.02.15

Tempo... doce e cruel, tempo.

M*
E, a verdade é que, o tempo é o mais perverso no esquema da vida. Ora faz sentir que os dias avançam depressa, quase como que a correr, ora nos engana e nos deixa angustiados. Um ano parece tanto tempo e, quando damos por nós, trezentos e sessenta e cinco dias passaram a voar, quase que nem sentimos. O tempo é cruel quando somos para lá de felizes, fazendo-o passar sem que o notemos e amargo para quem aguarda ansiosamente por algo ou alguém... quanto mais os dias passam, (...)