Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Um Mar de Pensamentos

Um mar de leituras. Um mar de sonhos. Um mar de conquistas, lutas e fracassos. Um mar de mil pensamentos. O diário de Maria, 29 anos*

Um Mar de Pensamentos

Um mar de leituras. Um mar de sonhos. Um mar de conquistas, lutas e fracassos. Um mar de mil pensamentos. O diário de Maria, 29 anos*

Por falar em política,


M*

16.10.15

também tenho algo a dizer. Não é que a minha opinião seja qualquer coisa de relevante. Quem julga que vou escrever uma espécie de tese sobre o actual estado da política portuguesa, aconselho a parar precisamente agora a leitura.

 

A verdade é que eu nunca gostei de política. Fugi, na faculdade, sempre de disciplinas orientadas para a política ou leccionadas por professores demasiado politizados. A política é daqueles temas que, a par do futebol, evito debater. O único plano que me interessa da política é aquele que diz respeito aos aspectos sociais, ou seja, educação, família, cultura, envelhecimento, juventude e emprego. Reconheço, no entanto, que estás áreas não se dissociam das restantes. Sou, em resumo, mais uma jovem que não vê na política qualquer verdade ou interesse. 

 

55f2cd630cf21392a0b27616.png 

 

No entanto, também eu tenho algo a dizer sobre os últimos falatórios. Nada de especial. Uma opinião pessoal. Não gosto do homem do submarinos, Paulo Portas, nem do Coelho mentiroso. Pergunto-me, ainda hoje, como é que os portugueses voltaram a elege-los. Certamente, seguindo a linha de pensamento destes portugueses. E, juro, o meu voto nas últimas eleições não foi para estes senhores... Não gosto do António Costa. O homem não se decide. Não sabe o que quer. Hoje diz uma coisa, amanhã outra. Os três homens mencionados podem, muito bem, formar um partido político. Sofrem ambos do mesmo problema: mentir. Gosto da Catarina Martins. A mulher parece-me ter fibra e personalidade fortes. Aplaudo-lhe os discursos. É sangue novo na política, tendo conseguido unir um Bloco dividido. Confesso, simpatizo com esta geração de bloquistas. O Jerónimo de Sousa é, por seu turno, um avozinho com ideias um bocadinho utópicas a precisar de reforma... para bem do próprio partido. Para finalizar, o deputado do partido PAN-Pessoas, Animais e Natureza parece-me um ser alienígena... do pouco que já o ouvi falar, o senhor parece necessitar de uma dose de realidade. 

 

Por falar em política... aqui fica a minha opinião sobre os últimos acontecimentos nacionais. Nada de importante, apenas uma singela opinião. Em resumo, por falar em política, vai tudo dar ao mesmo... e foi isto que expliquei, ontem, a uma amiga partidária do JSD/PSD. 

Marias há muitas...


M*

12.10.15

O problema, porém, é que eu Maria não me identifico com o segundo nome e, portanto, nunca compreenderei a necessidade de usar o meu segundo nome. A verdade é que eu não gosto, nunca gostei, do nome que acompanha o primeiro mas, inevitavelmente, é sempre o segundo o preferido. Quem me conhece já o sabe. Repito-me, em consultas de dentista, medicina ou noutra qualquer área, o pedido para me tratarem somente por Maria. Um nome simples, giro e comum. 

 

maria-em-mdf-e-scrap.jpg

 

Se as Anas e Joãos não são tratados pelos segundos nomes, apesar da vulgaridade, qual a necessidade de fazer o mesmo com as Marias? 

 

Isto tira-me do sério. Marias há muitas... e eu adoro ser Maria. 

Manias minhas.


M*

12.09.15

Não gosto de livros de bolso. Não gosto de sentir as folhas finas do papel. Não gosto das capas frágeis dos pequenos livros de bolso.

 

Gosto dos livros de tamanho normal. Gosto de sentir o papel forte. O folhear e o sublinhar sem medos de rasgar. Gosto das capas consistentes dos livros de tamanho normal. 

 

tumblr_nseyc1PuO91uycjo9o1_1280.jpg

 

Os livros de bolso podem ser mais fáceis de transportar, mais leves e ocupar menos espaço mas, para mim, que não gosto da fragilidade de um livro, opto sempre pelos outros... e tenho alguns livros de bolso.

 

Manias!

É certo que, a mim, nada me diz mas ...


M*

25.08.15

... confesso que faz-me calafrios e imagino um universo tão negro, frio e negativo sempre que escuto um pai ou mãe tratar um filho ou filha por você - V-O-C-Ê - e, obviamente, o contrário. Catarina, você já escolheu o seu bolo? O menino Gonçalo já pediu o seu gelado? O Pai não vai pedir nada? Dá-me vontade de sacudir pais e filhos e perguntar como conseguem usar o você como se de desconhecidos se tratassem... e quando os pais são casais novos com filhos pequenos a tratarem-se deste modo, menos consigo engolir e compreender. Não é nada comigo mas confesso, faz-me uma confusão tremenda... 

 

tumblr_mycaxmZJEb1qenie3o1_500.jpg

Cães, bichos de quatro patas.


M*

24.08.15

(um post capaz de ferir as susceptibilidades dos amantes de cães)


Nunca gostei muito de cães. Nunca tive o sonho de adoptar um cão para animal de estimação. Nunca os achei animais queridos, companheiros ou dóceis, antes pelo contrário... Quando era miúda, entrava em pânico e chorava sempre que um cão me ladrava ou escondia-me junto do meu pai, pedinchando por colo sempre que algum se aproximava de mim para me cheirar. Tinha dez anos quando vi o meu irmão ser atacado pelo cão do meu avô. E, pouco mais de vinte e cinco quando abri instintivamente um guarda-chuva para evitar a aproximação de um cão louco (possivelmente abandonado) e cujos relatos indicavam já ter atacado crianças e adultos. Porém, apesar de não ter o maior amor pelas quatro patas e de os evitar a qualquer custo, a verdade é que, no passado, tive como companheiros de brincadeira um rapaz e o seu cão - o amarelo, como lhe apelidava pela cor do pêlo e em quem eu, ingenuamente, depositava total esperanças de fazer com que o bicho caminhasse em duas patas. Aprendi, com o tempo e paciência de quem ama animais peludos de quatro patas, a evitar sentir medo e pânico sempre que um cão se aproxima para me cheirar pois que o medo assusta-os. E, apesar de tudo os meus medos, quando num dia tórrido de Verão me cruzei, ao sair de casa, com um cão de olhar perdido e a necessitar urgentemente de água, não hesitei em dar-lhe de beber, deixando-lhe água num recipiente. Não gostar e ter medo de cães, todavia, não se interligam obrigatoriamente com a vontade de lhe fazer mal. É, parvamente, um erro que aqueles que dizem gostar de cães cometem e demonstram incapacidade em compreender que todos somos distintos... eu não gosto de cães, como não gosto dos donos que os abandonam, nem gosto de ver os ditos amigos do ser humano nas ruas sozinhos e de olhar perdido. 

 

tumblr_lndjz9nPIB1qd6ngho1_500_large.png

 

Certa tarde, vinha eu carregada com os sacos de compras do supermercado para casa quando, sem saber de onde, vejo um cão a correr na minha direcção, a ladrar loucamente e sem ninguém por perto. O cão não era grande mas, para mim, o mais pequeno e (aparentemente) inofensivo cão enche-me de medo e pânico. O meu instinto, tal como me ensinará o meu amigo, foi engolir o medo, e na impossibilidade de mudar de passeio, seguir o meu caminho como se não tivesse um cão a ladrar a meia dúzia de passos. O bicho de pêlo preto estudou-me com olhar atento e, quando nos começámos a aproximar, camuflei os receios e deixo-o cheirar-me, afastando-lhe instintivamente as mãos (e não me perguntem o porquê). Segundos depois, considerando que o animal estaria satisfeito, retomei o meu caminho... engano meu, ladrou e correu novamente na minha direcção. Por esta altura já a dona tinha aparecido, uma quarentona bem apresentada (toda boazona ou tiazinha como diria uma colega do café), cigarro numa mão e coleira do bicho na outra, apresando-se a chamar o cão que orelhas de surdo lhe faz. Pressentindo o meu medo, a dona do animal disse-me que não tinha porque ter medo, que o animal (não me recordo, apesar de inúmeras vezes o ter chamado, do nome do cão) era extremamente meigo e bastava fazer-lhe uma festa. A medo, depois de deixar os sacos no chão, fiz-lhe umas festas na cabeça e dispus-me a retomar o meu caminho. Nisto, a dita perguntou-me se tinha cães ou gatos em casa porque o animal não era daquele género de demonstrações a desconhecidos e eu, ingenuamente, respondi-lhe que não gostava e tinha medo a cães embora gostasse de gatos. Erro. Enorme erro. O que fui eu dizer! A quarentona, do alto dos seus saltos altos, fica claramente ofendia por eu não gostar de cães, deixando escapar uma exclamação de profundo horror entre dentes e responde-me o cliché esperado:

 

Os cães são melhores companhias do que algumas pessoas... são sinceros e verdadeiros, contrariamente algumas pessoas.

 

Quis responder-lhe à boa maneira minhota, um sonoro e feio vá-se f**** mas, limitei-me a responder-lhe: 

 

Admito que não gosto de cães e não embarco na moda de amar cães falsamente. Não ando a fingir amor e a passear-me nas ruas com um cão para amigos verem, e depois, quando a moda passar, os deixar ao abandono na rua.

 

Apelida-me de mal-educada e outros blablabla, claramente à espera de armar uma enorme discussão e eu, porque tinha mais do que fazer e virando-lhe as costas para não desatar à asneirada, digo-lhe que ainda bem que não somos todos obrigados a gostar do amarelo... tadinho do preto, se todos gostássemos do amarelo! Não ando, no fundo, por aí a falar aos sete ventos que não gosto de cães, disfarço-o, mas também não saiu-o por aí a fingir-me apaixonada pelos bichos peludos de quatro patas só para agradar... se eu não fico ofendida por gostarem de cães, porque raio é que ficam ofendidos por eu não gostar deles? Há, igualmente, muito boa gente que não gosta nem aprecia gatos e, todavia, eu que lhes acho piada e os adoro, não fico ofendida... ou, como diz o meu irmão oh mania das modas

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Mensagens

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Sigam-me

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D