Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Um Mar de Pensamentos

Um mar de leituras. Um mar de sonhos. Um mar de conquistas, lutas e fracassos. Um mar de mil pensamentos. O diário de Maria, 29 anos*

Um Mar de Pensamentos

Um mar de leituras. Um mar de sonhos. Um mar de conquistas, lutas e fracassos. Um mar de mil pensamentos. O diário de Maria, 29 anos*

Chegaram hoje ...


M*

15.12.15

 ... à minha estante, tão de si preenchida. Procuro conter-me mas, admito, não resisti a estes dois quando,  

 

12346413_456756887846666_5293560200617463716_n.jpg

 

O Rapaz Que Venceu Salazar despertou-me a minha atenção, essencialmente, pelo título e, por outro lado, porque o período da ditadura portuguesa de Salazar aguça-me a curiosidade, sendo um tema raro nos meus livros e na minha estante.

 

A aventura improvável de quatro amigos que quiseram derrubar a ditadura.

Na década de 1960, numa pequena vila alentejana, quatro amigos encontram-se secretamente para jogar à sueca, comer, beber e ouvir a Rádio Moscovo e a BBC. Zé Maria, Carapau, Tonico e Martinho Lutero discutem política, gastronomia, mulheres e a vida. Sem que o saibam, há um espião que regista tudo o que dizem, pondo o grupo em perigo num tempo em que a ditadura, abalada por uma guerra colonial e pelas tentativas de derrube do regime, começa a apertar o cerco com a ação dos informadores e dos agentes da PIDE.

Em tempos de ditadura, uma criança ousou enganar a PIDE.

Um romance pleno de humor e de ternura sobre a vivência da ditadura e da Guerra Colonial numa pequena vila do interior alentejano, e sobre as criativas formas da subversão possível de quem nunca se rendeu. É também a interrogação de uma geração sem saudosismos nem ilusões sobre o testemunho que deixou desse tempo e sobre o tempo que lhe sucedeu. Capta magistralmente o espírito de uma época numa história com ecos de policial, em que os pequenos eventos e a vida quotidiana de uma vila perdida no mapa se tornam grandiosos, tecendo assim um retrato sobre a amizade e a dignidade, mas também celebrando aqueles que, anónimos, e arriscando perder tudo, tentaram ser livres.

 

Kristin Hannah é autora de um dos meus livros favoritos - uma história marcante sobre a morte, o perdão, a família, o amor e a amizade - Estrada da Noite. Há muito que desejava reencontrar-me com esta escritora e, atendendo às inúmeras críticas positivas em blogues e canais de youtube, bem como pela eleição para melhor livro do ano de dois mil e quinze no Goodreads categoria de ficção histórica, não resisti a comprar O Rouxinol... juntando-se a Entre Irmãs, da mesma escritora.

 

Vianne decide ficar. O marido partiu para a frente de guerra, mas ela não acredita que os alemães consigam invadir o país. Já Isabelle resiste ao medo, ao acatar, à presença dos nazis. Num emocionante regresso aos conturbados anos da Segunda Guerra Mundial em França, sob a ocupação nazi, Kristin Hannah constrói um envolvente romance histórico entre os diferentes caminhos escolhidos por duas irmãs, separadas pela guerra. Best-seller nos Estados Unidos, permaneceu durante seis meses consecutivos na lista dos livros mais vendidos do New York Times e os direitos de adaptação ao cinema foram já adquiridos pela TriStar Pictures.

 

Os livros qua acumulo e espero no próximo ano ler,

 

InShot_20151214_221340.jpg

Um livro para cada dia da semana.


M*

15.10.15

Dias da semana em livros... parece estranho? Um livro para cada dia da semana... e, porque não? A ideia é muito simples: mediante as características definidas para cada dia da semana, seleccionar um livro... ou dois, três, os necessários! Vamos brincar com os livros? Uma nova book tag...

 

6705610799_c0f368je44a_b.jpg

 

Domingo: Um livro que não queres que termine ou não quiseste que terminasse.

Liv01040559_f.jpg

O Menino de Cabul é um dos meus livros favoritos. Na verdade, todos os livros de Khaled Hosseini são especiais, inesquecíveis, favoritos; cada um deles, à sua maneira, me marcou. Não queria que está história de amizade terminasse, embora me sentisse obrigada a ler todos os dias... sofria se não lesse um pouco mais. O meu livro de domingo. Um livro que recomendo mil vezes. Uma história que, um dia, pretendo reler.

 

Segunda-feira: Um livro que tens preguiça de começar.

67069_palmeras-en-la-nieve_97884999802321.jpg

Quero muito ler Palmeras En La Nieve... apesar da preguiça. Decidi comprar o livro de Luz Gabás mal descobri que um dos meus actores espanhóis favoritos, Mario Casas, assumiria um papel principal na adaptação deste livro à tela do cinema. O livro é-me cativante: um romance histórico da Espanha colonial. Porém, existem dois nãos em contra este livro: é um livro de bolso, escrito em espanhol. O preço acessível e o facto de ainda não se encontrar traduzido a português precipitaram a comprar. Por outro lado, sentia necessidade de investir um pouco mais na língua espanhola, nomeadamente, na leitura. O filme estreia em Dezembro e apesar da minha enorme curiosidade para com o livro, a verdade é que tenho arrastado a sua leitura. Um dia acontecerá.

 

Terça-feira: Um livro que te custou a ler ou leste por obrigação.

18322875_SMgz9.jpg

Custou-me imenso ler Glória Mortal. Não me cativou. Não gostei, apesar da escrita fluida e de todo o mistério associado às misteriosas e violentas mortes. Senti necessidade de o abandonar logo nas primeiras páginas. O género futurista não é, de todo, o meu género...

Li-o em leitura conjunta

 

Quarta-feira: Um livro que deixaste pela metade ou estás a ler no momento. 

500_9789892330624_as_meninas_proibidas_de_cabul_Fo 

Orgulho e Preconceito As Meninas Proibidas de Cabul são as minhas leituras actuais. Estou a gostar imenso do primeiro, embora exija uma leitura atenta e cuidada. Iniciei recentemente o segundo, um livro recheado de relatos de vida de meninas afegãs.

Contabilizo, desde o início do ano, quatro livros que abandonei pela metade.

 

Quinta-feira: Um livro que não recomendas.

500_9789724617909_a_rapariga_que_inventou_um_sonho

Não recomendo A Rapariga Que Inventou Um Sonho. É um dos livros que tentei ler este ano e abandonei a meio da leitura. Era alguma a minha curiosidade em conhecer o aclamado escritor japonês mas, talvez, por se tratar de um livro recheado de contos não me senti cativada ou tentada a terminar. O título enganou-me: não julguei que se tratassem de contos diversos. Não li, confesso, com atenção a sinopse e deixei-me levar. Provavelmente, uma escolha polémica mas, desculpem, simplesmente não gostei...

Na altura em que comprei este livro, comprei também Sono. Li algures que Haruki Murakami aprendesse a gostar; talvez Sono me cative mais do que A Rapariga Que Inventou Um Sonho.

 

Sexta-feira: Um livro que queres que chegue já à tua estante (lançamento ou compra).

91oi8UOeuaL.jpg

Comprei, em segunda mão e através de um grupo no facebook, Jesus Cristo Bebia Cerveja e do qual tenho uma enorme curiosidade. A sinopse e as criticas a este livro cativaram-me. Nunca li Afonso Cruz. Será, certamente, uma próxima leitura.

image.jpg

Recém lançado no mercado literário português, A Contadora de Histórias é outro dos livros que estou desejosa de comprar, ler e ter na minha estante. Gosto muito da Jodi Picoult e da forma como escreve, a sinopse cativou-me e, enfim, tenho de ter brevemente este livro.

No entanto, tenho tantos, imensos, montes de livros pelos quais estou desejosa de ler e ver na minha estante... 

 

Sábado: Um livro que quiseste começar novamente assim que terminou.

9789722635882.jpg

Jane Eyre tornou-se um dos meus livros favoritos. Um clássico apaixonante. Uma história inesquecível. Um livro marcante. Senti-me um enorme vazio quando terminei este livro. Queria que não terminasse... queria recomeçar. Jane Eyre será, um dia, um dos livros a reler.

 

*(tag original de Pam Gonçalves)

E, da Feira do Livro,


M*

18.06.15

... não a de Lisboa, mas a de outra cidade bonita no litoral português, trouxe para casa,

 

InstaShot_20150618_101502.jpg

 

Livros que há muito desejava. A verdade é que me limitei a estes porque, contrariamente ao que se diz por aí, feiras de livros não me ficam baratas. Quiçá a de Lisboa valha a pena mas, nas restantes, pelos preços praticados, minha nossa!. Vi livros com valores mais elevados do que numa livraria, outros cujo o preço se resumia a menos um euro no preço de editor e outros que, cedo ou tarde, irei encontrar em promoção. Ou seja, trouxe alguns dos livros que desejava por uns quarenta euros: no caso da Picoult, vinte euros, pouco menos de oito euros por Maldito Karma Índice Médio de Felicidade por perto de doze euros. Quanto a Arroz de Palma custou-me uns dez euros na Feira do Livro da note.it. Sobre livros recém lançados, não vi praticamente nada e poucos foram os clássicos que consegui descobrir... a verdade é que aquela Feira do Livro é bastante pequenita e, confesso que, imaginava algo maior.

 

Por outro lado, estando eu habituada a comprar livros em segunda mão, muitos eles, em melhor estado do que quando comprados em livrarias ou na wook, por valores inferiores a dez euros, tornei-me mais exigente e restrita na hora de comprar livros... perguntava-me, quando pegava num livro cujo valor ultrapassava os dez euros, se não o conseguiria encontrar por outro preço, num grupo de livros no facebook. Talvez por isto, tenha achado os preços praticados nesta Feira do Livro exagerados. 

 

InstaShot_20150618_101943.jpg

 

Dezoito livros em espera na minha estante. Tenho, presentemente, dezoito livros por ler, fora dois que ganhei em passatempos... resumidamente, vinte livros! O assustador é que, contrariamente à maioria dos portugueses, estarei a trabalhar num café nos meses quentes de verão e tão pouco tempo para ler. Juro que não compro mais livros nos próximos meses... ou, pelo menos, irei tentar... prometo tentar!

A Feira do Livro,


M*

05.06.15

... é em Lisboa. Mas, para mim, que moro num cantinho do Norte português, longe da grande capital, a minha Feira do Livro é em segunda mão, 

11358707_1015492178470203_1246931955_n.jpg

Seis euros. Um verdadeiro achado. E, depois, para acrescentar à minha Feira pessoal de Livros, inclui-se a note.it,

11291839_1015492175136870_362395607_n.jpg

Portanto e resumindo, eis a minha Feira do Livro: livros em segunda mão e a note.it para comprar em primeira mão.

Vendi o meu primeiro livro.


M*

05.02.15

Vendi o meu primeiro livro. Custou-me. Foi um tanto ou quanto doloroso. Sou uma pessoa agarrada aos livros. Mesmo quando não gosto ou são péssimos. É parvo, bem sei, se não gosto não vale a pena manter e roubar espaço na estante. Mas, sei lá, imagino que alguém, algum dia, me pede aquele preciso livro. Ou que, num futuro, seria um presente ideal. Ou que... sei lá, é-me difícil explicar. Livros, mesmo os piores, significam sempre qualquer coisa. O defeito é meu, que me afeiçoo a eles, que me custa a desfazer de tudo e sou uma autêntica acumuladora de livros, recordações e tralhas com significado.

 

Debati-me durante semanas sobre o destino de alguns não-livros, portanto, dos que não gostei. Já tinha pensado na opção de vender mas, para ser sincera, custa-me pedir um valor porque, na verdade, nunca sei quanto pedir por eles. Outra opção que ponderei foi o de doar; porém, alguns deles assinei com o nome e logo descartei esta hipótese - não é que seja algo relevante, mas não me apetece ter o meu nome nas mãos de sabe-se lá quem. Por fim e a opção que mais me agradava: trocar. Prática e simples. 

 

Porém, quando finalmente ganhei coragem para me desfazer de um dos vários livros, descobri que as candidatas à compra do segundo volume de As Cinquenta Sombras de Grey (e, os comentários dos leitores na wook ao livro? simplesmente assustador... tão assustador como a excitação para ver um filme onde o abuso e a violência estão tão presentes, disfarçados num falso romantismo!) não possuem uma lista para troca. E, assim, acabei por vender... para quê guardar um livro que nunca conclui e que, pelos mais diversos motivos já aqui explicados, me desagrada? 

 

Vendi o segundo livro de As Cinquenta Sombras de Grey. Custou, é verdade. Mesmo não gostando e apesar dos motivos é um livro que traduz memórias. Discussões com as amigas, os olhares de censura e as piadas maldosas de outros. Apesar de tudo, não me arrependo... o primeiro volume não segue os passos do segundo porque está assinado e tenho sérias dúvidas que alguém o queira assim. Mas, acima de tudo, não me arrependo porque, com o dinheiro da venda, mesmo que em segunda mão, virá para minha casa um livro que me despertou imensa curiosidade A Todos Os Rapazes Que Amei... porque, também eu já escrevi cartas a um rapaz que amei. 

 

Amanhã as Sombras abandonam a minha casa rumo a uma nova casa. Menos um não-livro na estante, mais uma leitura... e, quiçá, mais um livro.

Mais sobre mim

foto do autor

Mensagens

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Sigam-me

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D