Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Um Mar de Pensamentos

Um mar de leituras. Um mar de sonhos. Um mar de conquistas, lutas e fracassos. Um mar de mil pensamentos. O diário de M*

Um Mar de Pensamentos

Um mar de leituras. Um mar de sonhos. Um mar de conquistas, lutas e fracassos. Um mar de mil pensamentos. O diário de M*

2M/12L | Persuasão de Jane Austen.

4650901_LC_3625_Persuasao_WEB.jpg

 Persuasão de Jane Austen é um romance sobre a ganância, a vaidade e a magoa das oportunidades perdidas.

 

A narrativa de Persuasão, a última obra acabada da escritora inglesa, desenrola-se em pleno século XIX e dá-nos a conhecer uma mulher de invulgar personalidade para a época. Crítica aos preconceitos sociais da época, às festas e luxos, Jane Austen joga com ilusões e persuasões à heroína do romance, envolvendo-nos numa escrita fluida e cativante. 

 

Sir Walter Elliot vive com as filhas Elizabeth e Anne em Kellynch-hall, casa familiar de décadas, até se ver obrigado a alugar a propriedade e mudar-se para Bath, para uma moradia mais pequena e modesta com as filhas. Sir Elliot nutre por Elizabeth, a filha mais velha, enorme carinho e cumplicidade porém, o tratamento é frio e distante relativamente à filha mais nova, Anne. É neste cenário de mudanças que Anne Elliot, de vinte e sete anos e sem grandes perspectivas românticas, decide passar uma temporada em casa da única irmã já casada, Mary, a filha do meio de Sir Elliot. No entanto, a vida surpreende Anne e leva-a a reencontrar um amor perdido...

 

Há tão pouca amizade verdadeira no mundo e, infelizmente (...) há tanta gente que se esquece de pensar nisso a sério antes de ser tarde de mais!

 

O capitão Frederick Wentworth é o novo inquilino, juntamente com os seus familiares, da casa familiar dos Elliot. Persuadida pela grande amiga Lady Russell e pelos seus familiares, oito anos antes, Anne termina o noivado com Frederick. O reencontro entre o par romântico de Persuasão é frio e distante, mostrando a magoa e dor de um amor perdido. Porém, à medida que o romance se desenrola, Anne liberta-se da influencia familiar e de Lady Russell, mostrando-se a força do seu carácter e personalidade. As peripécias vividas por ambos originará o aproximar da heroína ao seu amor perdido...

 

Persuasão é mais do que um romance, como já o mencionei anteriormente, é uma narrativa critica à sociedade dos luxos, festas, jantares e preconceitos. Um romance poderoso. Uma personagem feminina forte, dona de um coração sensato e bondoso, capaz de fazer frente ao socialmente bem aceite da época. É impossível não gostar de Persuasão e não ficar rendida à personalidade de Anne. 

 

Não se gosta menos de um lugar por se ter sofrido nele, a não ser que lá se tenha conhecido apenas sofrimento e só sofrimento...

 

É o segundo clássico literário que leio-o de Jane Austen. Comparando-o com Orgulho e Preconceito, atrevo-me a escrever que gostei mais de Persuasão, um romance onde as personagens principais mostram crescimento a cada nova página, uma maturidade distinta das personagens principais do primeiro. 

 

imagem do desafio literáario 12.jpg

 

 

Persuasão de Jane Austen foi a segunda leitura, o livro do mês de Fevereiro, no âmbito do desafio Doze Meses, Doze Livros. O objectivo deste desafio é ler um livro subordinado a uma temática particular. Fevereiro é o mês do Carnaval e da celebração do amor, por isso, o objectivo seria ler um romance romântico, uma comédia romântica ou um livro cómico/divertido. 

 

___

 

Título Original: Persuasion, 1817
Autora: Jane Austen, Inglaterra
ISBN: 9789722636254
Páginas: 240
Editora: Civilização Editora, 2013
Sinopse:
Aos vinte e sete anos, Anne Elliot já não é uma jovem, e tem poucas perspetivas românticas. Oito anos antes, foi persuadida pela sua amiga, Lady Russell, a terminar o noivado com Frederick Wentworth, um comandante naval bem-parecido mas sem fortuna nem posição social. Aquilo que acontece quando os dois se voltam a encontrar é narrado de forma comovente no último romance que Jane Austen deixou completo.
Persuasão é uma sátira brilhante sobre vaidade e pretensão mas, acima de tudo, é uma história de amor onde se sente a mágoa das oportunidades perdidas.

Doze livros de dois mil e quinze.

Dois mil e quinze, por diversos motivos, revelou-se um ano produtivo a nível de leituras. Li, contabilizado no Goodreads, cinquenta e cinco livros. A minha meta pessoal, segundo outros aspectos - porque a vida não se limita a livros -, era de vinte livros. Não leio para atingir metas ou completar desafios, leio pelo prazer de ler, pela companhia que me proporcionam. Não me canso de repetir e de o mencionar aqui que, para mim, livros são essenciais para o meu bem-estar, uma droga saudável, universos que conheço sem abandonar a vida real.

 

Mas... deixemos o blablabla, e falemos do que realmente importa: o meu top doze de melhores livros do ano.  

 

A ideia era publicar esta lista no início do próximo ano quando, de facto, dois mil e quinze tivesse terminado e não corresse o risco de encontrar um livro para acrescentar à lista depois da sua publicação. Porém, a verdade é que não pretendo iniciar nenhum novo livro antes do início de dois mil e dezasseis. Porquê? Simples: estou à espera de dois novos livros para a minha estante e que talvez só cheguem nos primeiros dias de Janeiro, dos quais um aguardo com enorme ansiedade e será a primeira leitura do ano que se avizinha - Guia Astrológico Para Corações Partidos (Sílvia Zucca), o tal que me está a deixar morta de curiosidade, e Quando Hitler Roubou o Coelho Cor-de-Rosa (Judith Kerr) - e, por fim, porque ainda não terminei os dois livros de contos, em língua espanhola, da saga A Seleção. É, portanto, com toda a segurança que posso publicar o meu top doze de melhores livros de dois mil e quinze. Não existe ordem de preferência; os livros apresentam-se pela ordem em que foram lidos...

 

Untitled.jpg

 

Top 12 dos Melhores Livros de 2015

 

 A Menina Que Fazia Nevar de Grace McCleen

 O Menino de Cabul de Khaled Hosseini

 Nunca Me Esqueças de Lesley Pearse

A Bibliotecária de Auschwitz de Antonio G. Iturbe

Perguntem a Sarah Gross de João Pinto Coelho

 Travessuras da Menina Má de Mario Vargas Llosa 

Jane Eyre de Charlotte Brontë

 Orgulho e Preconceito de Jane Austen

Viver Depois de Ti de Jojo Moyes

 A Contadora de Histórias de Jodi Picoult

saga A Seleção - A Seleção, A Elite e A Escolha (aguardo pela publicação, em Portugal, de A Herdeira) - de Kiera Cass

O Rapaz Que Venceu Salazar de Jacinto F. Matias

 

O ano que termina foi rico e variado em leituras: descobri os romances históricos de Lesley Pearse, aventurei-me na distopia de Kiera Cass, arrisquei nos clássicos, li mais escritores portugueses e três dos meus livros favoritos do ano relacionam-se com a temática da II Guerra Mundial (4, 5 e 10). Cada um destes livros tornou-se inesquecível pela forma como me cativou e empolgou na leitura. Livros que recomendo... sem hesitações, acreditando na energia das suas personagens e no poder da história por forma a cativar quem os lê.

 

Desejo, para o meu dois mil e dezasseis, novas e inúmeras aventuras e ser capaz de manter o ritmo da leitura... os restantes desejos guardo-os para mim. 

 

Para conhecerem os cinquenta e cinco livros que li em dois mil e quinze podem consultar a minha página no goodreads ou no facebook do blogue.

O meu livro clássico inglês favorito,

5018166459_d1259897d4_b.jpg

 Jane Eyre, de Charlotte Brontë.

 

Li, recentemente, três clássicos da literatura inglesa: O Monte dos Vendavais, Jane Eyre e Orgulho e Preconceito, por está ordem. Os dois primeiros das irmãs Brontë, Emily e Charlotte - respectivamente -, o último de Jane Austen. O meu preferido é Jane Eyre. Simplesmente encantador, apaixonante, cativante! 

Um mar de livros... estou a ler,

Mensagens

Mais sobre mim

imagem de perfil

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.