Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Um Mar de Pensamentos

Um mar de leituras. Um mar de sonhos. Um mar de conquistas, lutas e fracassos. Um mar de mil pensamentos. O diário de Maria, 29 anos*

Um Mar de Pensamentos

Um mar de leituras. Um mar de sonhos. Um mar de conquistas, lutas e fracassos. Um mar de mil pensamentos. O diário de Maria, 29 anos*

A mãe S.,


M*

21.05.15

têm 28 anos - dois anos mais velha do que eu -, trabalha para o meu pai e, certa tarde, quis saber a minha opinião e, do qual procurei reproduzir nosso diálogo,

 

- O meu P. agora diz que quer usar brincos com a irmã.

- Hum... e?

- E? Achas bem? Ele diz que quer usar brincos como a irmã! - altera a voz e acentua as últimas palavras.

- Continuo a não perceber...

- Primeiro, porque ele é menino e os meninos não usam brinco.

- Ah! Mas... - preparava-me para argumentar quando, a mãe me interrompe.

- E, segundo, porque ele só têm oito anos.

- Oh S., desculpa lá, uma coisa é o rapaz só ter oito anos. Pronto. Aceito que por isso não lhe queiras furar as orelhas mas, agora, dizeres que por ser menino e menino não usa brinco, desculpa, mas é uma idiotice. 

- Só os maricas é que usam brincos e o meu filho não é nenhum maricas.

- Oh S. poupa-me. Se o teu filho tiver que ser alguma coisa, há-de ser quer queiras quer não queiras...

 

desigualdade-na-escola.jpg

 

Primeiro: a mãe S. é a mesma mãe que diz Deus me livre que os meus filhos sejam gays mas, se realmente o rapaz ou a rapariga o assumirem jamais rejeitarei os meus filhos por isso mas prefiro que não sejam.

 

Segundo: a mãe S. é a mesma mãe que diz praticar uma educação pela igualdade. Ou seja, segundo ela, rapaz e rapariga realizam tarefas domésticas em casa e educa-os de maneira a que o rapaz respeite uma mulher e vice-versa ou a que ela se defenda de quem a maltrata. Porém, aí do rapaz que se lembre de pintar as unhas ou de usar a mala Hello Kitty da irmã e, à miúda diz-lhe senta-te como uma mulher... seja lá o que isso for. É, igualmente a mesma que diz às crianças, não comas isso porque ficas feia e gorda ou os meninos não choram

 

Terceiro: a mãe S. é a mesma que me diz só dizes essas coisas porque não és mãe e que quando tiveres filhos e um homem, quero ver se vai ser igual. 

 

Quarto: a mãe S. é o reflexo de tantas mães que se dizem modernas e progressistas mas que, cuja realidade é distinta e, quando toca nos seus, um Deus me livre escapa-lhes da boca...

Quebrando tabus,


M*

13.04.15

preconceitos e medos. Desmitificando as questões do género e da igualdade. Quebrar, desmitificar, lutar, questionar. Afinal, para nós, adultos - pais e mães, irmãos e irmãs - o que importa mais: os valores da sociedade, o olhar alheios e o julgamentos dos desconhecidos ou a felicidade das nossas crianças - filho e filha, irmã e irmão? Cabe, a cada um de nós, conhecer o grau de importância que a sociedade e os outros assumem nas nossas vidas e o grau de felicidade, realização e auto-estima que transmitimos aos mais pequenos. Um pequeno e poderoso filme que vale a pena reflectir e partilhar. 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Mensagens

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Sigam-me

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D