Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Um Mar de Pensamentos

Um mar de leituras. Um mar de sonhos. Um mar de conquistas, lutas e fracassos. Um mar de mil pensamentos. O diário de M*

Um Mar de Pensamentos

Um mar de leituras. Um mar de sonhos. Um mar de conquistas, lutas e fracassos. Um mar de mil pensamentos. O diário de M*

A Livraria dos Finais Felizes de Katarina Bivald.

1507-1.jpg

 A Livraria dos Finais Felizes de Katarina Bivald é, tal como o título já induz, uma história sobre livros.

 

A jovem heroína é Sara, uma sueca recém desempregada de uma livraria, a quem os pais e irmã pouco ligam e sem namorado. É, no entanto, uma apaixonada por livros. Sara vive para ler. O seu mundo é feito de releituras e novas descobertas literárias, os amigos vivem mergulhados nas páginas de um livro, incapaz de estabelecer relações socias. A protagonista sueca revela uma personalidade insegura, desastrada, reservada e introvertida, numa vida sem sabor ou quais perspectivas. 

 

Amy é, porém, a única pessoa com quem Sara conversa. Na verdade, Amy vive numa pequena cidade no estado do Iowa, EUA, e trata-se de uma senhora de 65 anos com quem Sara troca cartas. A amizade nascida nas cartas, graças aos livros, levará Sara a visitar Amy, a cidade e gentes que tanto descreve e menciona, Broken Wheel. Todavia, uma vez em Broken Wheel (e isto não é nenhum spoiler), Sara descobre que Amy morreu... e o mundo de Sara mudará nesta pequena cidade, descobrindo o sentimento de pertença, o valor da amizade e o poder do amor. 

 

- Consegues senti-lo? O cheiro de livros novos. Aventuras por ler. Amigos que não conheceste, horas de escape mágico à tua espera.

 

A Livraria dos Finais Felizes era um livro que desejava mesmo muito ler. O título é chamativo e a sinopse fez-me encontrar em Sara um pouco de mim. O interesse cresceu quando a Magda, do blogue StoneArtBook, referiu que o iria reler mal terminasse a leitura... e a verdade é que o releu mal terminou de o ler. E, confesso, não pensei em aguardar: mal o descobri num hipermercado da minha zona de residência, trouxe-o comigo - e, bem sei que, aguardando, o teria a um preço mais amigável. Não lhe resisti... confesso que - e é mau, muito mau - deixei A Promessa de Lesley Pearse um bocadinho de lado para ler este livro. É um livro onde qualquer apaixonado por livros se pode rever, identificando-se com Sara ou nos peculiares e excêntricos habitantes de Broken Wheel. Um livro sobre livros. 

 

É preciso ser-se um pouco sonhador para gostar de livros...

 

Numa escrita encantadora, Katarina Bivald mostra-nos o poder dos livros e o significado dos mesmos. A fluidez das palavras leva-nos a não desejar largar o livro. Por outro lado, tratando-se de um livro sobre livros, Bivald mostra-nos conhecimentos sobre uma série de livros e de escritores, num bom trabalho de pesquisa, revelando detalhes e histórias sobre os mesmos. Fiquei, admito, extremamente bem surpreendida com este de estreia da sueca Katarina Bivald. Adorei a leitura.

 

A Livraria dos Finais Felizes é, resumidamente, um livro para os apaixonados por livros... ficaram apaixonadamente encantados!

 

Há sempre um livro para cada pessoa e uma pessoa para cada livro.

___

 

Título Original: (é sueco e não o consegui encontrar)

Autora: Katarina Bivald, Suécia

ISBN: 9789896650704

Páginas: 528

Editora: Suma de Letras, 2016

Sinopse:

Se a vida fosse um romance, o da Sara certamente não seria um livro de aventuras. Em vinte e oito anos nunca saiu da Suécia e nenhum encontro do destino desarrumou a sua existência. Tímida e insegura, só se sente à vontade na companhia de um bom livro e os seus melhores amigos são as personagens criadas pela imaginação dos escritores, que a fazem viver sonhos, viagens e paixões. Mas tudo muda no dia em que recebe uma carta de uma pequena cidade perdida no meio do Iowa e com um nome estranho: Broken Wheel. A remetente é uma tal Amy, uma americana de 65 anos que lhe envia um livro. E assim começa entre as duas uma correspondência afetuosa e sincera. Depois de uma intensa troca de cartas e livros, Sara consegue juntar o dinheiro para atravessar o oceano e encontrar a sua querida amiga. No entanto, Amy não está à sua espera, o seu final, infelizmente, veio mais cedo do que o esperado. E enquanto os excêntricos habitantes, de quem Amy tanto lhe tinha falado, tomam conta da assustada turista (a primeira na história de Broken Wheel), Sara decide retribuir a bondade iniciando-os no prazer da leitura. Porque rapidamente percebe que Broken Wheel precisa de um pouco de aventura, uma dose de auto-ajuda e, talvez, um pouco de romance. Em suma, esta é uma cidade que precisa de uma livraria. E Sara, que sempre preferiu os livros às pessoas, naquela aldeia de poucas gente, mas de grande coração, encontrará amizade, amor e emoções para viver. E finalmente será a verdadeira protagonista da sua vida.

O Prisioneiro do Céu de Carlos Ruiz Zafón.

9789896573003.jpg

 O Prisioneiro do Céu de Carlos Ruiz Zafón é uma viagem de reencontro às personagens d' A Sombra do Vento e d' O Jogo do Anjo. A releitura do último volume da trilogia O Cemitério dos Livros Esquecidos permitiu-me relembrar detalhes e compreender aspectos que, numa primeira leitura, pareciam pouco relevantes. A verdade é que, embora eu considere este último livro como o mais fraco da saga, considero-o relevante para compreender o destino trágico de algumas personagens d' O Jogo do Anjo. Porém, ao suscitar novas dúvidas no leitor em virtude da revelação de um segredo, O Prisioneiro do Céu mergulha numa áurea de mistério e suspeita, cabendo ao leitor imaginar o futuro dos protagonistas e a forma como a revelação do marcante segredo influenciará os seus destinos.

 

A história d' O Prisioneiro do Céu é relatada a partir de uma das personagens mais cómicas e queridas d' A Sombra do Vento, Fermín Romero de Torres que nos presenteei com uma história de sobrevivência e amizade. Nos anos longos da Ditadura Franquista, Fermín é tortura e preso numa prisão sobrelotada de Barcelona. É aqui que conhece o David Martín, conhecido pelos prisioneiros como o Prisioneiro do Céu e principal herói d' O Jogo do Anjo que, entre ataques de loucura e acessos de raiva, relata a Fermín a sua história e segredos de vida. É ele quem ajudará Fermín a escapar da prisão e lhe pedirá um favor irrecusável... 

 

Carlos Ruiz Zafón é mestre na arte de cativar o leitor. Numa escrita acessível, fluida e misteriosa, Zafón não permite que o leitor caía em aborrecimentos, incluindo pontos de suspense nos momentos adequados. Os três livros que compõem O Cemitério dos Livros Esquecidos lêem-se por qualquer ordem embora, para mim, faça sentido a leitura por A Sombra do Vento, O Jogo do Anjo e O Prisioneiro do Céu. 

 

O Cemitério dos Livros Esquecidos é uma trilogia indicada para amantes de livros... dos livros malditos e proibidos numa Barcelona apaixonante. 

 

- Nesta vida, perdoa-se tudo, menos dizer a verdade.

 

- Não sei agora onde terei lido que, no fundo, nunca fomos a pessoa que julgamos ter sido, que só nos lembramos do que nunca aconteceu...

  

- O futuro não se deseja, merece-se.

___

 

Título Original: El Prisionero del Cielo, 2011
Autor: Carlos Ruiz Zafón, Espanha
ISBN: 9789896573003
Páginas: 400
Editora: Editorial Planeta, 2012
Sinopse:
Barcelona, 1957. Daniel Sempere e o amigo Fermín, os heróis de A Sombra do Vento, regressam à aventura, para enfrentar o maior desafio das suas vidas. Quando tudo lhes começava a sorrir, uma inquietante personagem visita a livraria de Sempere e ameaça revelar um terrível segredo, enterrado há duas décadas na obscura memória da cidade. Ao conhecer a verdade, Daniel vai concluir que o seu destino o arrasta inexoravelmente a confrontar-se com a maior das sombras: a que está a crescer dentro de si.

O Jogo do Anjo de Carlos Ruiz Zafón.

o jogo do anjo.jpg

 O Jogo do Anjo de Carlos Ruiz Zafón, segundo volume da trilogia O Cemitério dos Livros Esquecidos, é uma trama intensa e delicada, onde reencontramos velhas personagens d' A Sombra do Vento e novas e importantes personagens que apimentam a narrativa e a tornam marcante.

 

David Martín é a personagem principal de um livro recheado de mistérios. Homem apaixonado pelas letras e dono de um talento para a escrita inigualável, o destino de Martín cruza-se com o de um misterioso editor francês que, a troco de fama, saúde e dinheiro, lhe propõe que escreva um livro para si. O jovem aceita a proposta do estranho admirador Andreas Corelli longe de imaginar que tal lhe roubaria os bens mais preciosos da sua vida: o amor de Cristina e a amizade de Isabella. 

 

Zafón, neste segundo volume, recupera algumas - na verdade, não muitas personagens como no terceiro volume - personagens do primeiro livro e dá-nos a conhecer a jovem Isabella, a mãe do protagonista do primeiro volume, Daniel Sempere, bem como o seu avô e traços da personalidade do seu pai. Isabella é comunicativa, energética mas extremamente leal e amiga... uma amizade pura nasce entre a jovem e David. Na verdade, o segundo volume é a história da livraria Sempere e Filhos, local de elo dos três livros.  

 

- Não tenha medo, senhor Sempere, que os livros são a única coisa no mundo que não se rouba.

 

Releitura de 2014, O Jogo do Anjo foi, na época como agora, e apesar de todo o carinho que tenho pelo primeiro volume, A Sombra do Vento, o meu livro favorito da saga. Intenso, dramático e mais misterioso que o primeiro livro, senti verdadeira empatia e familiaridade com os sentimentos de David Martín. A realidade é que A Sombra do Vento e O Jogo do Anjo são narrativas diferentes, cuja histórias embora se interliguem entre si, igualmente se afastam... é difícil explicar-me porque, na época, fiquei com enormes questões na cabeça sobre David Martín que só vi resolvidas no terceiro volume, O Prisioneiro do Céu, porém e uma vez que se trata de releitura, já li os três livros da saga, conheço o destino e a verdade sobre as personagens, tornam-se complexo explicar-me. 

 

- Sabe o que têm de melhor os corações despedaçados? - perguntou a bibliotecária.

Fiz-lhe sinal negativo.

- Só se podem despedaçar uma vez. Tudo o resto são arranhões.

 

Por outro lado, Zafón é extraordinário na escrita e na forma como descreve os cenários e os traços de Barcelona... é como se de facto estivéssemos naquela cidade em meados do século XX. Uma escrita deliciosa e envolvente, o escritor possui o dom invejável da escrita.

 

Ergui o olhar para a imensidão do labirinto.

- Como se escolhe só uma livro entre tantos?

Isaac encolheu os ombros.

- Há quem prefira acreditar que é o livro que nos escolhe a nós... o destino, por assim dizer.

 

O Jogo do Anjo é uma história sobre a magia da escrita e o poder dos livros. Recomendo-o para os fãs de mistérios, magia dos livros e drama. 

 

O segundo volume da saga O Cemitério dos Livros Esquecidos foi uma leitura conjunta das bloggers Pandora,  JP, NathyCristina, Magda e Just.

 

Não há nada no caminho da vida que não saibamos já antes de o iniciar. Não se aprende nada de importante na vida; apenas se recorda.

 

___

 

Título Original: El Juego del Ángel, 2008

Autor: Carlos Ruiz Zafón, Espanha

ISBN: 9789722037075

Páginas: 576

Editora: Dom Quixote, 2008

Sinopse:

Na turbulenta Barcelona dos anos de 1920, um jovem escritor obcecado com um amor impossível recebe a proposta de um misterioso editor para escrever um livro como nunca existiu, em troca de uma fortuna e, talvez, de muito mais.

Com um estilo deslumbrante e impecável precisão narrativa, o autor de A Sombra do Ventotransporta-nos de novo à Barcelona de o Cemitério dos Livros Esquecidos para nos oferecer uma aventura de intriga, romance e tragédia, através de um labirinto de segredos, onde o encantamento dos livros, a paixão e a amizade se conjugam num romance magistral.

Um mar de livros... estou a ler,

Mensagens

Mais sobre mim

imagem de perfil

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.