Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Um Mar de Pensamentos

Um mar de leituras. Um mar de sonhos. Um mar de conquistas, lutas e fracassos. Um mar de mil pensamentos. O diário de Maria, 29 anos*

Um Mar de Pensamentos

Um mar de leituras. Um mar de sonhos. Um mar de conquistas, lutas e fracassos. Um mar de mil pensamentos. O diário de Maria, 29 anos*

É certo que, a mim, nada me diz mas ...


M*

25.08.15

... confesso que faz-me calafrios e imagino um universo tão negro, frio e negativo sempre que escuto um pai ou mãe tratar um filho ou filha por você - V-O-C-Ê - e, obviamente, o contrário. Catarina, você já escolheu o seu bolo? O menino Gonçalo já pediu o seu gelado? O Pai não vai pedir nada? Dá-me vontade de sacudir pais e filhos e perguntar como conseguem usar o você como se de desconhecidos se tratassem... e quando os pais são casais novos com filhos pequenos a tratarem-se deste modo, menos consigo engolir e compreender. Não é nada comigo mas confesso, faz-me uma confusão tremenda... 

 

tumblr_mycaxmZJEb1qenie3o1_500.jpg

Sobre o gravíssimo fanatismo... do meu irmão.


M*

26.05.15

Domingo. Final de dia. Regresso a casa depois de visitar a família. Rádio ligado num jogo de futebol. Quando perguntei ao meu irmão porque raio estavamos a ouvir o relato do jogo de equipas que nada nos dizem, reproduz-se o seguinte diálogo,

 

- É que eu quero que o União da Madeira suba de divisão.
- Porquê?
- Ah é que joga lá um gajo emprestado pelo Sporting!
- Só podes estar a gozar comigo... é que só podes mesmo estar a gozar, meu! Tu bates mal... muito mal!
 
E, portanto, este é o meu irmão. É, nestes momentos, que acredito piamente que o rapaz foi trocado na maternidade, adoptado ou um extraterrestre. 
 
 

A mãe S.,


M*

21.05.15

têm 28 anos - dois anos mais velha do que eu -, trabalha para o meu pai e, certa tarde, quis saber a minha opinião e, do qual procurei reproduzir nosso diálogo,

 

- O meu P. agora diz que quer usar brincos com a irmã.

- Hum... e?

- E? Achas bem? Ele diz que quer usar brincos como a irmã! - altera a voz e acentua as últimas palavras.

- Continuo a não perceber...

- Primeiro, porque ele é menino e os meninos não usam brinco.

- Ah! Mas... - preparava-me para argumentar quando, a mãe me interrompe.

- E, segundo, porque ele só têm oito anos.

- Oh S., desculpa lá, uma coisa é o rapaz só ter oito anos. Pronto. Aceito que por isso não lhe queiras furar as orelhas mas, agora, dizeres que por ser menino e menino não usa brinco, desculpa, mas é uma idiotice. 

- Só os maricas é que usam brincos e o meu filho não é nenhum maricas.

- Oh S. poupa-me. Se o teu filho tiver que ser alguma coisa, há-de ser quer queiras quer não queiras...

 

desigualdade-na-escola.jpg

 

Primeiro: a mãe S. é a mesma mãe que diz Deus me livre que os meus filhos sejam gays mas, se realmente o rapaz ou a rapariga o assumirem jamais rejeitarei os meus filhos por isso mas prefiro que não sejam.

 

Segundo: a mãe S. é a mesma mãe que diz praticar uma educação pela igualdade. Ou seja, segundo ela, rapaz e rapariga realizam tarefas domésticas em casa e educa-os de maneira a que o rapaz respeite uma mulher e vice-versa ou a que ela se defenda de quem a maltrata. Porém, aí do rapaz que se lembre de pintar as unhas ou de usar a mala Hello Kitty da irmã e, à miúda diz-lhe senta-te como uma mulher... seja lá o que isso for. É, igualmente a mesma que diz às crianças, não comas isso porque ficas feia e gorda ou os meninos não choram

 

Terceiro: a mãe S. é a mesma que me diz só dizes essas coisas porque não és mãe e que quando tiveres filhos e um homem, quero ver se vai ser igual. 

 

Quarto: a mãe S. é o reflexo de tantas mães que se dizem modernas e progressistas mas que, cuja realidade é distinta e, quando toca nos seus, um Deus me livre escapa-lhes da boca...

Conversas entre irmãos.


M*

22.04.15

Por falar em conduzir, contei ao meu irmão que, ontem, ao final do dia, meti-me no ovo kinder, juntamente com a minha irmã, aventurando-nos no meio das aldeias, por caminhos apertados, estranhos e recheados de buracos. Expliquei-lhe que, embora não tenha apanhado nenhum susto ou trânsito, constantemente imaginava o momento em que outro carro me aparece-se e eu, assustada, fosse espetar o ovo kinder contra um muro, numa valeta ou no meio do monte. Ele, que é simplesmente um amor de irmão, responde-me,

 

- E depois? O ovo kinder têm seguro contra todos os riscos. 

 

Ah! É sempre útil saber. Já o posso espetar contra o primeiro muro! Mas, porque não me quis ficar, perguntei-lhe,

 

- Olha lá, o ovo kinder pode ter seguro mas, nós podemos ir parar ao hospital! Que raio de irmão que fomos arranjar!

- E? São vocês as duas. É da maneira que deixo de vos aturar enquanto estiverem no hospital... é que vocês são cá umas chatas! 

 

Portanto, a esta frase, responde-lhe a minha irmã,

 

- É bom saber, maninho. Quando fores parar ao hospital, também não te faço nenhuma visita ou, se for obrigada, ainda levas umas chapadas onde mais te doer. É só para avisar!

 

Pronto, é isto. Já pensamos em destruir o ovo kinder e hospitais. A conversa não se ficou por aqui, foi agressiva e feia - ainda assim, estamos todos bons de saúde e com todos os membros no sítio - mas, dá para entender a carga elevada de parvoíce que sofremos. Definitivamente, somos mesmo irmãos... ou não. 

A minha mãe (da saga: a minha mãe enganou-me).


M*

11.04.15

A minha mãe, numa visita a um espaço de decorações para casa, afirma:

 

   - Quando tiver mais dinheiro, daqui a uns meses, compro-te uma estante destas. Ou duas. Uma para colocar ao lado da outra e a outra para a sala. O que achas?

 

Uba, uba! O que é que eu acho?! Obviamente que, por mim, era para ontem. Por dentro, estou a dançar e a dar piruetas! Fiquei estupefacta de alegria perguntando aos meus irmãos se tinham escutado o mesmo que eu.

estantes-madeira-2.jpg

Mas, porque a minha mãe é senhora dos mas, ainda mal tínhamos entrado no continente vira-se para mim e diz:

 

   - Mas, menina, nem penses que vais comprar mais livros! Lá porque penso comprar uma estante não significa que te vá dar mais livros... Lê os que tens em casa, são muitos.

 

Enganou-me! A minha mãe enganou-me com aquele ar de simpatia, minutos antes, oferecendo estantes. E, assim se engana uma filha... bandida, má, nem um livro baratinho me comprou!

Mais sobre mim

foto do autor

Mensagens

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Sigam-me

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D