Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Um Mar de Pensamentos

Um mar de leituras. Um mar de sonhos. Um mar de conquistas, lutas e fracassos. Um mar de mil pensamentos. O diário de Maria, 29 anos*

Um Mar de Pensamentos

Um mar de leituras. Um mar de sonhos. Um mar de conquistas, lutas e fracassos. Um mar de mil pensamentos. O diário de Maria, 29 anos*

Podemos saltar para Setembro?


M*

03.08.15

Podem odiar-me por isto, eu deixo, mas...

 

tumblr_m5z7fbxTMG1qkww7to1_500_large.png

 

 

Não gosto do Verão. Nunca gostei do Verão. No meu mundo perfeito, o Verão era estação que não existiria. Não odeio, simplesmente, não aprecio. E, podemos, se possível, saltar o mês de Agosto... preciso urgentemente do meu querido mês de Setembro. 

 

   Calor. Não suporto o calor. Não me dou bem com ele. Faz-me, com alguma frequência, doer a cabeça. Deixa-me mole. E, qualquer coisa que use, mesmo o vestido de tecido mais leve, parece inadequado ao calor. Por isso, quando o tempo muda e lhe dá para dias mais frescos ou até chuvosos, sinto-os como uma bênção...

 

   Suor. Não gosto de sentir o suor escorrer-me pelas costas ou pernas. Provavelmente, ninguém acha graça. Mas, para mim, o pior é acabar de tomar banho e sentir que preciso de um novo banho. E, quando somos obrigados a entrar num autocarro apinhado de gente em que uma ou várias almas transpiram e emanam cheiros estranhos?

 

   Praia. Com a chegada do calor, sou obrigada a abandonar a minha querida praia. Não gosto de frequentar praias precisamente porque não suporto o calor e o suor, porque me amolece e não gosto do barulho de crianças e adultos em jogos e embirrações, nem de miúdos a correr sem qualquer cuidado com quem está deitado. Abandono a minha praia para regressar em Setembro ou Outubro, ao abrigo do frio e do silêncio, para reencontrar paz e tranquilidade. Não frequento praias porque, a única coisa que lhe acho piada é estar dentro de água ou ler um livro. 

 

   Turistas. A vila onde moro é a parvalandia o ano todo. Não se passa nada mas, no fundo, eu prefiro a parvalandia do ano todo do que a confusão de turistas... sejam eles turistas portugueses fugidos de Lisboa, sejam eles i(e)migrantes franceses, sejam eles ingleses e alemães a conhecer o Norte português - os espanhóis, esses, ficam de fora do pacote porque é como se fizessem parte da vila, andam por cá o ano todo. E, sim, eu tenho família no estrangeiro, à qual gosto sempre de rever mas, mesmo assim, gosto do sossego e da calma.  

 

   Festas. A terriola vive de festas apenas dois meses por ano. É curioso porque, no resto do ano, as festas são raras... é como se, o pessoal que mora na vila não precisasse de uma festarola para desanuviar e descomprimir. E, se por um lado, é bem verdade que nestes dois meses as festas são quase todas de cariz religioso, também não é menos verdade que, no Inverno, as festas que se realizam não fogem à componente religiosa. Compreendo que, quiçá, o retorno económico destas festas em época de turistas e imigrantes seja vantajoso mas, a vila não vive apenas dois meses...

 

Cinco motivos que, para mim, fazem com que a estação do Verão e mais especificamente os meses de Julho e Agosto sejam meses chatos. E, sim, contrariamente à grande maioria do país, eu trabalho nestes meses. Podem dizer que tal se deve, o meu não gostar, a esse facto mas, a verdade é que eu também já fiz férias. No ano passado, passei a segunda quinzena de Agosto no Algarve e, sabem que mais? Não gostei. Não achei o Algarve nada de extraordinário embora, tenha ficado maravilhada com as águas quentes em oposição às geladas do Norte. Imaginei como seria viver no Algarve o ano todo... e, imaginei um cenário triste e desolador, aquelas casas habitadas e movimentadas no Verão, fechadas e abandonadas no Inverno. Na minha pequena vila também existe disto mas ao contrário: são casas de primeira habitação, de quem vive o ano todo e as abandona apenas em férias; a dificuldade maior é para quem aqui deseja passar férias e cujas poucas casas alugáveis são caras. 

 

Outra coisa que, confesso, não compreendo do Verão é a necessidade de peles bronzeadas. Algumas mulheres e homens ficam tão estupidamente feios bronzeados... dizem que é saudável mas, no fundo, não vejo nada disso em pessoas que parecem passar vinte e quatro sob vinte e quatro horas na praia. Gosto tanto de ser uma copinho de leite - embora, não ache piada alguma quando me perguntam se estou doente por estar tão branca e pálida no Verão.

 

Reconheço que, para muitos, sobretudo famílias, estes meses sejam a altura ideal para estarem em conjunto. Provavelmente, no meu futuro, algo semelhante me irá acontecer e, inclusive, altere a minha maneira de ver. Mas, no fundo, sou mulher que prefere o silêncio, a paz e a calma à confusão e agitação do Verão... e ao calor. Já disse que odeio o calor? Não? Pois odeio verdadeiramente o calor! 

 

Nem tudo é, ainda assim, necessariamente mau. Gosto de uma coisa que só os meses quentes podem fazer por mim... vestidos. Gosto de usar vestidos leves e coloridos e, ah não podia esquecer, de sandálias e pés cuidados à mostra. É, resumidamente, a única vantagem que vejo na estação do Verão. 

 

Podemos saltar para Setembro? 

 

tumblr_static_rp2q0wx0idc0k04goc4c8kgo.jpg

*(pode argumentar que tal se deve ao mês em que nasci. nasci em Junho, aqui... precisamente na estação das chuvas.)

Assim foram as minhas pseudo-mini-férias,


M*

09.09.14

(a explicação aqui)

 

Confesso que nunca fui muito apreciadora de praia e papo para o ar, torrar ao sol e pele morena. Mas, eu, aqui me confesso: já sinto aquela saudadinha. 
Foram umas mini-férias especiais e diferentes e, refira-se, a minha primeira vez no Algarve. Gostei da zona, mas não morri de amores e, contrariamente ao meu grupo de amigos, também não me mudaria para o Algarve só por ser considerado uma zona quente. É uma zona do país bonita, com pessoas simpáticas mas excessivamente turistica... dei por mim a imaginar um Algarve triste e abandonado no inverno. Adianta. A maior desilução? Faltaram as tais águas quentes! Sempre que me falavam do Algarve, falavam-me da águas quentes e, embora sejam efectivamente mais quentes que as do Norte, estava frio... a culpa é do tempo, já o sei, mas fiquei triste. Quiçá para a próxima tenha mais sorte. 

Sobre a longa ausência.


M*

02.09.14

Diz que as minhas mini-pseudo-férias se prolongaram no tempo e, o que era suposto durar uma semana, vai a caminho da terceira semana. De facto, a primeira semana foram para férias; as restantes, justificam-se pela procura de trabalho, um bocadinho de preguiça para a escrita (embora já sinta saudades da escrita e daqueles blogs especiais) e ausência do meu bom e velho amigo computador (isto de escrever textos em smartphone não é, definitivamente, para mim... que gosto de um grande ecrã e sentir as teclas). E é isto. Espero regressar em breve.

Obrigado!


M*

13.08.14

Antes das mini-férias, um mininho...

 

Diz que vou de férias... numas mini-pseudo-férias com um grupo de amigos. Curtas, porque o dinheiro é curto; pseudo, porque não sou muito amante de praia mas, pelo convivio com quem já não estou à tanto tempo e o conhecer um novo lugar, faz-se um sacríficio. Esperemos que tenha oportunidade de fugir às tardes na praia porque, do que eu gosto mesmo, é de conhecer monumentos e locais... mesmo que o tenha de fazer sozinha. Ou, em alternativa, dois livros não chegaram... 

Inspira-me 3 | Itinerário de Férias


M*

27.06.14

Um dia, quando a vida me permitir e se o destino cruzar os nossos caminhos, gostaria que embarcássemos numa viagem com destino à Europa e à descoberta do que para nós é desconhecido. Embarcávamos numa viagem de carro... ou será preferível comprar um daqueles passe de inter rail e viajarmos de comboio? Teremos de debater as vantagens e desvantagens de cada um e, entre nós, chegar a um acordo.

Como eu ia a dizer, perdão, a escrever... embarcamos num viagem com destino a Madrid e por lá descobriríamos um pouco dos encantos da gigantesca capital espanhola. Visitamos o Museu do Prado, o Palácio Real de Madrid e passearemos pelo Parque do Retiro e, se fizeres muita questão, vemos um jogo no Estádio Santiago Barnabéu. 

Seguiríamos rumo a Barcelona. Sabes, uma vez estive lá e bastou-me um dia para me apaixonar pela cidade. Não vi praticamente nada, mas apaixonei-me por aquela cidade. Como é que nos apaixonamos por uma cidade sem a conhecermos? Não sei, mas é possível. Temos que percorrer as ruas todas até os pés ficarem doridos de tanto caminhar, até não conseguirmos aguentar o peso do corpo. Aqui, em Barcelona, promete-me que vamos conhecer o máximo. E, recuso-me a sair de Espanha sem ver dançar o flamenco ou as sevilhanas. 

Quero conhecer a cidade do amor, aquela que dizem ser a mais romântica. Quero subir a Torre Effiel e ver Paris aos nossos pés. Quero ser mais uma entre milhões com uma fotografia engraçada da Torre. Deixa-me ver o máximo de museus e contemplar o Arco do Triunfo, a catedral de Notre Dame ou o Palácio de Versalhes. Vamos andar de bicicleta ou de carruagem e conhecer alguns dos imensos cantos à cidade. 

Chegamos a uma fase difícil no nosso itinerário de férias. Vamos conhecer os Alpes Suíços ou descobrimos a cidade das tulipas, Amesterdão? Quero tanto conhecer os dois e é tão difícil escolher um... prometes que se não for nesta viagem, um dia descobriremos o local que ficou excluído?

Vamos conhecer a Europa, sim? Quero passear em Veneza ou em Roma, sentir na pele a História que Berlim carrega, tocar Varsóvia e aprender Bucareste... dizem, sobre esta última, que é a Paris do Leste. E se continuarmos mais para leste? Conhecer Kiev, Moscovo ou Istambul? Ou ao norte frio das cidades Oslo, Estocolmo ou Helsínquia? Quiçá esteja a ser um pouco egoísta, desculpa... o entusiasmo em descobrir algo e esqueço-me que não estou sozinha. Talvez também queiras conhecer cidades que não referi... excluímos algumas, de forma a ficar equilibrado e reinventamos um novo trajecto? 

A minha viagem de sonho seria assim... conhecer um bocadinho da imensa Europa. Sei que sou uma exagerado, uma sonhadora, quero o impossível... quero conhecer todos os locais como conheço a terra onde vivo. Não preciso de muito: apenas nós, um mapa e decidir de que forma viajamos. O nós pode ser eu e tu ou aquele grupo de amigos com espírito de loucura que ainda irei descobrir... o essencial é conseguir um itinerário de férias que se tornem inesquecíveis.

 

 

E, troco tudo isto por saber que o dia em que conhecerei um amigo ou amiga, por saber que em breve me te conhecerei...

Mais sobre mim

foto do autor

Mensagens

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Sigam-me

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D