Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Um Mar de Pensamentos

Um mar de leituras. Um mar de sonhos. Um mar de conquistas, lutas e fracassos. Um mar de mil pensamentos. O diário de Maria, 29 anos*

Um Mar de Pensamentos

Um mar de leituras. Um mar de sonhos. Um mar de conquistas, lutas e fracassos. Um mar de mil pensamentos. O diário de Maria, 29 anos*

A rede social dos livros.


M*

07.11.15

Facebook, instragram, youtube, twitter. É fácil enumerar as redes sociais existentes no presente (e recordar outras que acabaram por cair em desuso). Usamos e abusamos delas (ou, de quase todas elas). O mundo virtual é feito de redes sociais... e de livros. Livros, milhões de livros, tantos quantos os utilizadores de redes sociais. É fácil, por isso, aliar redes sociais aos livros. A ideia é simples: basta escolher oito livros para oito redes sociais por intermédio de características comuns que os identificam. Impossível? Não é! Vamos brincar com os livros? 

InShot_20151106_201512.jpg

   | Twitter: um livro que quero compartilhar com todos. 

Viver depois de ti.jpg

 Viver Depois de Ti de Jojo Moyes, leitura terminada recentemente, é uma história com tanto de belo como triste. Já tinha lido noutros blogues e assistido a vídeos no youtube a recomendar este belíssimo livro e, de facto, é um romance diferente, uma leitura obrigatória para amantes dos livros. 

Viver Depois de Ti, uma história de amizade, cumplicidade, dor e reflexões. Lou sabe imensas coisas: o número de passos desde a paragem de autocarro até sua casa, a paixão pelo seu trabalho e sabe que não está apaixonada pelo seu namorado. Will tinha tudo para alcançar a plena felicidade e sucesso, uma enorme desejo de aventura e vontade de viver. Porém, o trágico acidente roubar-lhe-à os sonhos e a vontade de viver. O que Will e Lou não sabem é que, todavia, as suas vidas se iram cruzar, marcando-as inesquecivelmente. 

O romance de Jojo Moyes obriga-nos a reflectir sobre os outros, a dor e a ânsia de viver. Numa escrita simples, pautada por traços de humor, Viver Depois de Ti aborda temas sensíveis, obrigando-nos a reflectir sobre decisões e o direito a viver. Um livro tocante, marcante, inesquecível.

 

   | Facebook: um livro que gostei muito e me foi recomendada por outra pessoa. 

n17_renata1.jpgInes+da+minha+alma[1].jpg

 

 A blogosfera está carregada de recomendações literárias. A Magda recomendou-me o Perguntem a Sarah Gross (entre outros), a JustSmile indicou-me A Bibliotecária de Auschwitz ou O Tempo Entre Costuras, um leitor do blogue aconselhou-me Travessuras da Menina Má e a blogosfera inteira à muito que me incentivava a ler Viver Depois de Ti. Ler é, muitas vezes, um desejo que nasce de conhecer a história que tanto apaixonou alguém. Teria uma lista gigantesca de livros que gostei e me foram recomendados por outra pessoa... Porém, vou-me ficar por duas leituras que adorei e me foram recomendadas pela minha professora de português do ensino secundário: Para a Minha Irmã de Jodi Picoult (uma das minhas escritoras favoritas) e Inés da Minha Alma de Isabel Allende. 

 

   | Tumblr: um livro que li antes de criar o blogue e do qual ainda não falei.

agura.jpg

 O blogue nasceu em Janeiro de 2014 e eu li A Vida no Céu, de José Eduardo Agualusa, em Janeiro de 2013. Li-o pelo título, pela sinopse, pela capa. Um livro pequenino, fácil de ler e de escrita simples. Um romance distópico sobre um mundo sem terra, uma vida no universo das nuvens.

 

   | MySpace: um livro que não tenho intenções de reler.

500_9789898228741_nas_asas_do_amor.jpg

 Vários... todas as leituras que não consegui concluir. Mas, para evitar cair no cliché Prometo Falhar ou Sombras de GreyCirco dos Sonhos ou Mataram o Sidónio!, resolvi escolher um livro que consegui concluir a leitura, apesar de me ter desagradado.

Nas Asas do Amor, Sarah Sundin, tinha tudo para dar certo: um romance improvável, quase impossível na II Guerra Mundial, personagens de personalidade forte, escrita simples e acessível, explorando o lado americano dos que ficam e daqueles que partem a bordo de um avião de guerra. Porém, o romance peca pelo cariz excessivamente religioso: passagens religiosas e a atribuição do bem e do mal na vida das personagens à devoção e fé a Deus. Li-o a custo, saltando partes, concluindo-o pela curiosidade com o destino das personagens. 

 

   | Instagram: um livro com uma capa bonita.

 O meu primeiro pensamento e escolha foi para a capa do livro O Circo dos Sonhos: é, provavelmente, dos livros com a capa mais bonita que tenho na minha estante. Porém, é surpreendentemente um dos livros que não consegui terminar de ler, graças ao ritmo lento da história. Por isto, optei por escolher para esta categoria, duas capas de duas histórias que adorei: A Menina Que Fazia Nevar A Rapariga de Papel.

 

   | Youtube: um livro que eu gostaria de ver adaptado a filme.

a-sombra-do-vento.jpgo-jogo-do-anjo.jpg9789896573003.jpg

Trilogia O Cemitério dos Livros Esquecidos. Previsível? Certamente! É um dos meus escritores favoritos e os seus livros cativantes. Quem já leu os três livros ou, pelo menos um, sabe o quão misteriosa e envolvente pode ser a escrita de Carlos Ruiz Zafón. 

 

   | Skype: um livro com personagens com as quais eu gostaria de conversar. 

image.jpg

 Não vou escolher o livro de Jojo Moyes, mencionado na primeira categoria, nem tão pouco os livros de um dos meus escritores favoritos e tantas vezes aqui referido, Khaled Hosseini, ou um dos meus clássicos favoritos, Jane Eyre

Gostaria de conversar com Frances e Mehuru, as personagens principais do romance histórico de Philippa Gregory, Um Comércio Respeitável. Uma leitura recente, marcante. Numa escrita viva, somos catapultados para o interior dos navios, sentindo o horror do comércio de escravos no século XVIII. A frase que se lê na capa resume o livro Um romance sobre a ganância e a desumanidade que destruíram um continente

 

   | Linkedin: um livro que fala sobre uma profissão (ou que li para a faculdade, escola, trabalho).

106471_3_televisao-um-perigo-para-a-democracia.jpg

 Televisão: um perigo para a democracia de Karl Popper e John Condry. É um livro pequenino, não chega às cem páginas, numa escrita acessível. Trata-se de uma reflexão sobre os efeitos da televisão nos seres sociais, na era da democracia. Li-o para uma disciplina na faculdade. 

Ódios Literários: o outro lado dos livros.


M*

23.10.15

Um livro é recheado de páginas mágicas. Um livro é capaz de despertar mil e uma emoções em que o lê. Um livro, a cada nova página, possui poderes mil que nos provocam um sorriso ou uma lágrima. Ler é partilhar com as personagens pedaços de sentimentos, histórias, sonhos, viagens.

 

Um livro é capaz de tanta coisa... E, porém, nem sempre um livro nos marca pelo lado positivo. Nem sempre falamos do lado negativo de um livros. Todos nós temos os nossos ódios literários: uma personagem que não gostamos, um livro que detestamos ou um livro que julgamos adorar e acabamos a sentir o oposto por ele. É este lado que, por vezes, na verdade, tantas vezes, procuramos omitir ou esquecer, com receio de demonstrarmos que não gostamos de um livro, quando a amiga ou o Mundo o adoraram, ou sentir que respeitámos o trabalho de quem o escreveu. 

 

Hoje não vou falar do bom dos livros. Hoje vou falar-vos dos meus ódios literários... o outro lado dos livros que li*

 

Vamos brincar com os livros?

 

nqdknalibri-estate-2.jpg

  

   | Personagem masculina que menos gostei...

Theo de A Melodia do Amor, Lesley Pearse. 

9208513_akyMA.jpg

Theo, uma das personagens centrais do romance histórico da escritora britânica, é um carismático jogador de cartas que, na companhia de Jack e dos irmão Beth e Sam, embarca na aventura da Febre do Ouro de Klondike no Yukón, Canadá. Theo é, porém, para mim uma personagem desnecessária à história. Nunca deveria ter nascido... em nada contribui para o desenvolvimento os amigos, gerando problemas aos quais é incapaz de responder ou dar a cara. Personagem egoísta, individualista e perturbador, Theo foi a personagem que menos gostei de todos os livros que li, um elemento que não se justifica neste romance.

A Melodia do Amor foi um dos livros que menos gostei de Lesley Pearse, essencialmente porque embirrei com Theo.

 

   | Personagem feminina que menos gostei...

Admito que, contrariamente à personagem masculina, só depois de muito pensar, contemplar e folhear os meus livros é que encontrei uma personagem feminina que não gostei. Margo personagem importante do livro Cidades de Papel, do escritor John Green, foi uma das personagens femininas que menos gostei. Considero a Margo uma jovem mimada e irreflectida, embora aventureira e irreverente, que procura nas suas fugas chamar a atenção para si. Considero a aventura dos jovens amigos de Margo pela descoberta do seu paradeiro interessante, uma viagem sobre o valor da amizade e do amor, mas nunca consegui ganhar afeição à personagem principal feminina. 

CIDADES_DE_PAPEL_1403529514B.png

Reconheço que as adaptações cinematográficas nem sempre são as melhores porém, este não é o caso, reforçando o filme a minha opinião sobre a personagem.

 

   | O/A vilão/ã mais odiado/a...

Rashid, Mil Sóis Resplandecentes, Khaled Hosseini. 

01040386_Mil_Sois_Resplandecentes(RL).jpg

Mil Sóis Resplandecentes é um dos meus livros favoritos. É uma história de amor e amizade, uma ode à esperança e à luta constante pela vida. Rashid é o marido de Laila e Miriam, um homem agressivo, prepotente e mentiroso, capaz de recorrer a todas as formas de violência para subjugar as esposas à sua vontade e capricho. Um homem despido de sentimentos e compaixão, num Afeganistão vestido de medo e terror pela guerra e duas mulheres unidas por laços fortes de amizade em busca de paz e segurança para os filhos. 

 

   | Um livro que li de capa feia...

Na verdade, em vez de uma capa, vou optar por mencionar dois livros que li e adorei mas cujas capas considero feias. Portanto, são eles, Travessuras da Menina , do escritor peruano Mario Vargas Llosa e Estrada da Noite, da escritora norte-americana Kristin Hannah. 

travessuras-de-uma-menina-mc3a1.jpg1054333_1343819328.jpg

Não existe nenhum motivo especial para não gostar das capas.

O primeiro livro, a capa faz jus ao conteúdo do livro, uma história cujos protagonistas se vestem de irreverência e dor, uma história de amor com final triste e diferente. A capa considero-a simplesmente feia.

O segundo livro merecia mais trabalho de capa.  É um drama intenso e inesquecível sobre o valor da amizade, do amor, as dúvidas de uma mãe, a morte e o perdão. Na verdade, qualquer um dos livros de Kristin Hannah do Círculo de Leitores o merecia... capinhas mais feias!

 

   | A dupla de personagens que menos gostei...

Alice Jack, O Retrato da Mãe de Hitler, Domingos Amaral. Não gostei do livro e não gostei desta dupla, aliás, das personagens no seu todo. O livro é aborrecido. Não o cheguei a concluir. Peca pelos excessivos relatos sexuais da dupla de espiões a amantes Alice e Jack.

14993737_41Nab.jpg

O Retrato da Mãe de Hitler tinha tudo para dar certo... mas, para mim, simplesmente não deu.

 

   | Um livro que achei que não iria gostar e, no final, adorei...

O Tempo Entre Costuras, María Dueñas. 

tempo entre costuras.jpg

Quando iniciei a leitura d' O Tempo Entre Costuras achei que não iria gostar, essencialmente pela escrita e pela falta de diálogos. Não gosto de livros onde não existam diálogos. Fazem-me lembrar os livros académicos. Considerava a escrita demasiado cuidada e receava que entrasse em excessivos detalhes sobre costuras. No entanto, à medida que folheava o livro, a cada nova página, a cada nova aventura de Sira Quiroga, o ânimo e o gosto pelo livro aumentaram. É um livro que exige tempo e dedicação, pela escrita e detalhes históricos da Espanha do século XX, porém é uma aventura de amor e enganos fantástica. O final é diferente e deixou-me encantada. 

 

   | Um livro que pensei que iria adorar mas que, na verdade, me decepcionou...

Estava tentada a escolher A Melodia do Amor até me lembrar de um livro cuja capa maravilhosa e título me deixaram apaixonadas, porém profundamente decepcionada não tendo, inclusive, concluído o livro... O Circo dos Sonhos de Erin Morgenstern. 

11705095_Pf54o.jpg

O Circo dos Sonhos é um livro de desenvolvimento lento - muito muito muito lento -, sendo precisamente este o meu motivo de abandono, recheado de personagens diversas, cuja escrita nos envolve numa áurea de mistério e magia. 

 

   | O final de uma saga mais decepcionante...

Não tenho o hábito de ler sagas de livros. É algo que não me cativa. Procuro ler livros individuais, ou seja, sem continuação. Li, no entanto, algumas trilogias como as de Carlos Ruiz Zafón, nomeadamente O Cemitério dos Livros Esquecidos e trilogia Neblina, os dois volumes de Um Mundo Sem Fim, de Ken Follett, e não terminei a saga Harry Potter. Das sagas completas referidas, o final que menos gostei foi a de Um Mundo Sem Fim.

Liv99999918_l.jpg 

Esperava, simplesmente, um final distinto. Uma saga recheada de imprevisto, de constantes reviravoltas, teve um final previsível. 

 

   | O pior livro que já li...

Todos cuja leitura não conclui. Quando um livro não me cativa, após as merecidas insistências, simplesmente abandono a leitura, sem dramas. Nós, leitores, lemos um livro e um livro lê-nos. Quando tal não acontece, independentemente dos motivos, para mim torna-se um dos piores livros que li... a saber,

14993737_41Nab_Fotor_Collage.jpg

 

   | O livro que está na moda, todos adoraram, mas tu não...

Prometo Falhar de Pedro Chagas Freitas e a saga Cinquenta das Sombras de Grey de E. L. James.

biblioid03485.jpgsprite.png

 

 * (book tag adaptada das youtubers espanholas fly like a butterfly e Nube de Palabras)

Um livro para cada dia da semana.


M*

15.10.15

Dias da semana em livros... parece estranho? Um livro para cada dia da semana... e, porque não? A ideia é muito simples: mediante as características definidas para cada dia da semana, seleccionar um livro... ou dois, três, os necessários! Vamos brincar com os livros? Uma nova book tag...

 

6705610799_c0f368je44a_b.jpg

 

Domingo: Um livro que não queres que termine ou não quiseste que terminasse.

Liv01040559_f.jpg

O Menino de Cabul é um dos meus livros favoritos. Na verdade, todos os livros de Khaled Hosseini são especiais, inesquecíveis, favoritos; cada um deles, à sua maneira, me marcou. Não queria que está história de amizade terminasse, embora me sentisse obrigada a ler todos os dias... sofria se não lesse um pouco mais. O meu livro de domingo. Um livro que recomendo mil vezes. Uma história que, um dia, pretendo reler.

 

Segunda-feira: Um livro que tens preguiça de começar.

67069_palmeras-en-la-nieve_97884999802321.jpg

Quero muito ler Palmeras En La Nieve... apesar da preguiça. Decidi comprar o livro de Luz Gabás mal descobri que um dos meus actores espanhóis favoritos, Mario Casas, assumiria um papel principal na adaptação deste livro à tela do cinema. O livro é-me cativante: um romance histórico da Espanha colonial. Porém, existem dois nãos em contra este livro: é um livro de bolso, escrito em espanhol. O preço acessível e o facto de ainda não se encontrar traduzido a português precipitaram a comprar. Por outro lado, sentia necessidade de investir um pouco mais na língua espanhola, nomeadamente, na leitura. O filme estreia em Dezembro e apesar da minha enorme curiosidade para com o livro, a verdade é que tenho arrastado a sua leitura. Um dia acontecerá.

 

Terça-feira: Um livro que te custou a ler ou leste por obrigação.

18322875_SMgz9.jpg

Custou-me imenso ler Glória Mortal. Não me cativou. Não gostei, apesar da escrita fluida e de todo o mistério associado às misteriosas e violentas mortes. Senti necessidade de o abandonar logo nas primeiras páginas. O género futurista não é, de todo, o meu género...

Li-o em leitura conjunta

 

Quarta-feira: Um livro que deixaste pela metade ou estás a ler no momento. 

500_9789892330624_as_meninas_proibidas_de_cabul_Fo 

Orgulho e Preconceito As Meninas Proibidas de Cabul são as minhas leituras actuais. Estou a gostar imenso do primeiro, embora exija uma leitura atenta e cuidada. Iniciei recentemente o segundo, um livro recheado de relatos de vida de meninas afegãs.

Contabilizo, desde o início do ano, quatro livros que abandonei pela metade.

 

Quinta-feira: Um livro que não recomendas.

500_9789724617909_a_rapariga_que_inventou_um_sonho

Não recomendo A Rapariga Que Inventou Um Sonho. É um dos livros que tentei ler este ano e abandonei a meio da leitura. Era alguma a minha curiosidade em conhecer o aclamado escritor japonês mas, talvez, por se tratar de um livro recheado de contos não me senti cativada ou tentada a terminar. O título enganou-me: não julguei que se tratassem de contos diversos. Não li, confesso, com atenção a sinopse e deixei-me levar. Provavelmente, uma escolha polémica mas, desculpem, simplesmente não gostei...

Na altura em que comprei este livro, comprei também Sono. Li algures que Haruki Murakami aprendesse a gostar; talvez Sono me cative mais do que A Rapariga Que Inventou Um Sonho.

 

Sexta-feira: Um livro que queres que chegue já à tua estante (lançamento ou compra).

91oi8UOeuaL.jpg

Comprei, em segunda mão e através de um grupo no facebook, Jesus Cristo Bebia Cerveja e do qual tenho uma enorme curiosidade. A sinopse e as criticas a este livro cativaram-me. Nunca li Afonso Cruz. Será, certamente, uma próxima leitura.

image.jpg

Recém lançado no mercado literário português, A Contadora de Histórias é outro dos livros que estou desejosa de comprar, ler e ter na minha estante. Gosto muito da Jodi Picoult e da forma como escreve, a sinopse cativou-me e, enfim, tenho de ter brevemente este livro.

No entanto, tenho tantos, imensos, montes de livros pelos quais estou desejosa de ler e ver na minha estante... 

 

Sábado: Um livro que quiseste começar novamente assim que terminou.

9789722635882.jpg

Jane Eyre tornou-se um dos meus livros favoritos. Um clássico apaixonante. Uma história inesquecível. Um livro marcante. Senti-me um enorme vazio quando terminei este livro. Queria que não terminasse... queria recomeçar. Jane Eyre será, um dia, um dos livros a reler.

 

*(tag original de Pam Gonçalves)

Problemas de uma leitora.


M*

29.09.15

 Ler é sinónimo de prazer. Ler é mais do que um simples gesto de abrir e folhear livros. Ler é sonhar. Ler significa viajar a mil e um lugares distintos, vestir mil e uma personagens distintas, conhecer mil e um sentimentos... E, todavia, ler também se traduz em problemas de uma leitora compulsiva.

Adoro ler. Quem me conhece sabe que, para lá do vício e do prazer, ler traduz-se numa necessidade física e psicológica. É através da leitura que recupero a paz, o sonho e a calma que procuro. É o meu alimento diário. Ler um bocadinho por dia nem sabe o bem que lhe fazia... Porém, admito, o vício dos livros e da leitura manifesta alguns problemas que, em onze questões, procurarei responder. Não acreditam? Ora leiam...

 

 

Você tem 20 mil livros para ler. Como você decide o que vai que ler?

Muito aquém dos vinte mil livros por ler, tenho em espera cerca de trinta e cinco livros por ler. Não existe um critério na hora de escolher a leitura seguinte. Na verdade, o único critério que tenho é evitar ler, por exemplo, dois livros clássicos seguidos. Portanto, ler dois livros cujo género literário se assemelhem. É isto e o impulso... Atrevo-me a dizer que são os livros quem me escolhem. 

 

Você está no meio de um livro, mas não está gostando. Você pára ou continua?

Insisto, especialmente quando conheço o autor. Se, porém, o livro continua a não me agradar, abandono. Não vejo necessidade de insistir num livro que não me cativa. Não tenho qualquer problema em abandonar a leitura a meio. 

 

O fim do ano está chegando e você está perto, mas não tão perto de finalizar sua meta de leitura. O que você pretende fazer e como?

Não me preocupo com metas literárias. Embora, para escrever a verdade, tenha traçado uma meta literária para 2015 de vinte livros no goodreads, a verdade é que nunca me preocupei com ela. Fiz-o porque já o tinha feito noutros anos, por impulso, porque sim. Leio porque gosto. Leio quando quero. Leio quando posso. Leio vinte, trinta ou dez livros. Não é algo que sinta necessidade de estabelecer metas. Ler é um vício.


As capas de uma série que você ama são horríveis! Como você lida com isso?

Não tenho problemas com capas feias. Gosto de ler. Porém, admito que uma capa bonita me cativa mais a comprar e ler um livro.


Todo mundo, incluindo sua mãe, gostam de livro que você não gosta. Como você compartilha esses sentimentos?

É perfeitamente natural que nem sempre me identifique com um livro que toda a gente adorou. No meu grupo de amigas fui a única pessoa que detestou e criticou os livros de E. L. James, As Sombras de Grey. Pessoas distintas gostam de livros distintos. Não somos iguais. Provavelmente, numa primeira fase, reflectirei sobre o tema mas, rapidamente, esquecerei. Os livros nunca são lidos de igual forma por pessoas diferentes. 

(pequeno aparte: dificilmente a minha mãe irá gostar de algum livro. ela não lê e não compreende a minha paixão pelos livros.)

 

Você está lendo um livro e você está prestes a começar a chorar em público. Como você lida com isso?

Procuro reprimir o impulso de chorar. Porém, para escrever a verdade, até à presente data, sempre consegui evitar chorar em público enquanto estou a ler... quiçá uma ou outra lágrima tenha escapado.

 

A sequência do livro que você ama acabou de sair, mas você esqueceu parte da história anterior. Você lê o anterior novamente? Pula para a sequência? Lê uma sinopse ou resenha? Chora de frustração?!

Não leio séries de livros. Pessoalmente, são livros que não me cativam e, embora já tenha procurado uma explicação para tal, a verdade é que não a encontro... talvez porque, em algum momento, acabo por perder o interesse em esperar pela continuação - embora tenha quase completa a saga de livros A Guerra dos Tronos na minha estante. A única série que li, embora incompleta, foi a saga Harry Potter. Por ser uma história que adorei e muito comentada na época entre os meus amigos, tinha a história muito presente.

Sou um bocadinho confusa...


Você não quer que ninguém, ninguém, pegue seus livros emprestados. Como você educadamente diz às pessoas não quando eles perguntam?

Nunca tive, durante muitos anos, problemas em emprestar os meus livros. No geral, apesar de demorar, os livros retomavam à minha estante. A questão do emprestar dependeria da pessoa em causa e do livro que me pedia. No passado tive um problema com um livro que, até hoje, emprestei e não recuperei. Tornei-me, desde então, mais desconfiada. Todavia, sendo uma pessoa da minha inteira confiança, certamente que emprestaria, sem colocar qualquer entrave. Não sendo esse o caso e tratando-se de um dos meus livros favoritos, procuraria desenrascar uma qualquer explicação... 


Deficit de Atenção. Você não conseguiu ler os livros que queria no último mês. O que você faz para voltar a ler mais?

Se não li tantos livros quanto gostaria é porque, efectivamente, ou não tive oportunidade para os ler ou simplesmente não me apeteceu - está última hipótese é pouco provável. 


Há muitos livros novos que foram lançados e que você está morrendo de vontade de ler! Quantos deles você realmente compra?

Depende do autor. Sobrevivo muito bem, de um modo geral, às novidade literárias. Porém, tratando-se de escritores que admiro, dificilmente resistirei à sua compra. Foi o que me aconteceu, por exemplo, com o mais recente livro de Lesley Pearse, De Amor e Sangue.


Depois de ter comprado os novos livros que você tanto queria, quanto tempo eles ficam em sua prateleira antes de você realmente ler?

Os cerca de trinta e cinco livros que me aguardam são leituras mais do que desejadas. Porém, sendo impossível ler todos à medida que os vou adquirindo, acabam por ficar em espera... e vou lendo mediante o que sinto, o impulso, conforme respondi na primeira questão. Compro livros em segunda mão ou em promoção, onde o preço me cativam e obrigam a comprar livros que, inevitavelmente, vou acumulando. 

 

Uma tag de livros musicais.


M*

23.09.15

Roubei uma tag divertidíssima que mistura livros com música... precisamente duas coisas que tanto gosto e aprecio. 

 

Descobrir e realizar estas tags, para mim, é uma forma de dar a descobrir, de outra forma, os meus gostos literários e falar divertidamente sobre livros. Ora, a tag que eu hoje apresento e com a qual engracei foi roubada da Neuza, do youtube e blog Mil Folhas, e consiste em associar livros às diferentes categorias musicais.

 

hrfk.jpg

 

Posto isto, falamos sobre livros e estilos musicais...

 

Clássico. Um livro clássico.

Captura de ecrã 2015-07-29, às 09.49.17.png

 O Monte dos Vendavais de Emily Brontë. Li-o este ano e adorei-o. É um livro marcante e poderoso. Uma história distinta e triste de um amor verdadeiro e impossível. 

 

Ponderei, para esta categoria, o clássico que ando a ler, Jane Eyre, escrito pela irmã de Emily, Charlotte Brontë. Porém e embora possa assegurar, com toda a certeza e sem receio de arrependimento, de que será um dos meus livros clássicos favoritos, ainda não terminei a leitura de Jane Eyre.

 

Rock. Um livro com uma personagem irreverente. 

972-20-3146-5.jpg

 Travessuras da Menina Má de Mario Vargas Llosa. Associei, automaticamente, este livro à categoria. O livro conta-nos a história de amor louco de Ricardo, um jovem apaixonado e ingénuo, por Lily, a menina má, uma jovem ousada e invulgar. A paixão travessa de ambos inicia-se em Lima, no Peru, ainda crianças mas manter-se-à por grande parte da vida adulta de ambos, tomando diferentes cidades, como França, Inglaterra, Japão e Espanha, testemunho desta paixão louca. Lily é uma personagem que desperta desprezo, pela forma como trata o seu eterno apaixonado Ricardo, irreverente, travessa, distinta da todas as personagens femininas que li e à qual, no final, ainda não sabemos se conseguimos gostar dela ou perdoar-lhe as travessuras.

 

Jazz. Um livro que aborde a temática do racismo. 

Deste Lado da Luz_capa.jpg

 Deste Lado da Luz de Colum McCann. É o único livro que, julgo eu, aborde para lá do superficial a questão do racismo. Quase todos os livros que li quando abordam esta questão, fazem-no sem grandes referencias, pequenas menções. Porém, para esta categoria, não necessitei de uma reflexão marcante sobre as leituras que fiz... este é, definitivamente, um livro que fala sobre o racismo, preconceito e vidas marcantes. É, na minha opinião, um dos livros mais pesados que li. Uma leitura cruel sobre os abusos e a crueldade do ser humano para com os seus semelhantes. McCann não se limita a narrar uma história, com tanto de falso como de verdadeiro, obriga-nos a reflectir no que somos e no que seriamos se as nossas vidas se assemelhassem às descritas no livro. Deste Lado da Luz é uma viagem no tempo e das transformações, onde a história da cidade de Nova Iorque se cruza com a história pessoal das personagens. Problemas sociais, raciais e económicos misturam-se com problemas mentais. Os anos avançam, as gerações também mas, nem por isso, o livro se torna mais leve. Porém, ainda assim, um livro que recomendo vivamente.

 

Folk. Um livro que aborde tradições.

arroz.jpg

 Arroz de Palma de Francisco Azevedo. Não posso dizer que se trate de um livro que aborde marcadamente tradições. Porém, existe algo de peculiar e tradicional nesta história. É, em primeiro lugar, um livro sobre uma família muito tradicional, com raízes em Viana do Castelo e a quem a falta de oportunidades, no início do século XX, obrigada a mudar para terras do Brasil. Por isto, facilmente associe este livro à categoria musical folk. Por outro lado, apesar dos anos se passarem, a família crescer e se adaptar às mudanças, olvidando a tradição portuguesa e interiorizando tradições brasileiras, existe um elemento que interliga as várias gerações: o arroz da tia Palma. É um livro divertidíssimo, apesar da escrita misturar inúmeras expressões brasileiras, de várias gerações da mesma família... a família é um prato de difícil confecção.

 

Pop. Um livro que chegue às massas.

1507-1.jpg

 Prometo Falhar de Pedro Chagas Freitas. Queria e procurei cair no habitual cliché mas, evidentemente, não encontrei mais nenhum livro para esta categoria. Pensei em escolher a saga d' As Sombras de Grey mas, mais uma vez, é um livro mais do que falado e eu estou farta dele. Este idem... não gostei, é chato, aborrecido, um livro recheado de frase clichés que, para mim, qualquer um conseguiria escrever numa noite mais inspirada. Porém, como ainda mora cá em casa, em vias de ir para outra qualquer estante foi, indiscutivelmente, a minha escolha. 

(li Eleanor & Park, a escolha para esta categoria da Neuza porém, pessoalmente, nunca a incluiria nesta categoria.)

 

Hip-Hop. Um livro que seja uma crítica social.

500_9789892324074_ele_esta_de_volta.jpg

Ele Está de Volta de Timur Vermes. Um livro humorístico, irónico, divertido, critico, sarcástico. Adolf Hitler acorda num terreno baldio de uma Alemanha no ano 2011. Olha em redor e não encontra uma cidade em ruínas, nem bombardeiros a riscar os céus; em vez disso, descobre ruas limpas e organizadas, povoadas de turcos, milhares de turcos. E gente com aparelhos estranhos colados ao ouvido. Assim começa o romance de Timur Vermes. Numa Alemanha multirracial e onde uma mulher, Angela Merkel, governa o destino do país, na era do euro e da crise, dos reality shows e da internet, Adolf Hitler regressa... e ninguém vê nele uma ameaça. É recebido de braços abertos por uma televisão alemã, desejosa de aumentar as audiências. A sociedade vê nele um palhaço inofensivo, embora se trate de um homem impulsivo, mal-disposto e agressivo. Ninguém recorda os crimes odiosos e monstruosos do passado. Batem-lhe palmas. Ingénuo em relação às novas tecnologias e às mudanças da sociedade alemã, Hitler planeia o seu regresso através da televisão. Porém, através dos seus dotes de oratória e ar de palhaço inofensivo, o ex-líder alemão vai divulgando as suas ideias xenófobas e racistas... O regresso de Adolf Hiltler é, através do olhar de Vermes, perturbantemente cómico. Não consegui deixar de rir, apesar de reconhecer a delicadeza do tema. Trata-se uma sátira não só política mas, também social, nomeadamente, à sociedade alemã e às sociedades da tecnologia. 

  

Gospel. Um livro que retrate fé ou religião.

image.jpg

 A Menina Que Fazia Nevar de Grace McCleen. Um livro que aborda os perigos do fanatismo religioso, no olhar ingénuo e doce de uma menina, Judith. Bullying, solidão, amor, e esperança são outros dos dos ingredientes que tornam este livro um dos mais especiais e inesquecíveis que li. Uma leitura intensa, uma viagem na montanha russa dos sentimentos, onde choramos e sorrimos com a pequena Judith. Uma leitura que recomendo àqueles que acreditam e aos que não acreditam; aos judeus, cristãos, muçulmanos, ateus ou agnósticos.

 

Bossa Nova. Um livro simples e leve. 

A Rapariga de Papel.jpg

 A Rapariga de Papel de Guilaume Musso. É um livro simples, leve, fofinho, com uma capa linda! Adorei este livro. Cativou-me desde a primeira página. Fala-nos de amor e de amizade. Tom é um famoso escrito de Los Angels caído em desgraça: álcool, drogas e excessos tornam-se os novos companheiros do escritor. A paixão louca pela bela pianista Aurore determinam o caminho trilhado por Tom. Porém, a chegada de Billie, uma personagem dos livros de Tom que afirma ter caído no mundo real de uma frase incompleta do escritor, abalará a vida do escritor e ambos embarcaram na viagem da amizade e paixão. 

 

R&B. Um livro nostálgico.

memorial do convento.jpg

 Memorial do Convento de José Saramago. É uma escolha peculiar mas, para mim, este livro leva-me a embarcar nas memórias do meu tempo de ensino secundário e das perícias das aulas de português. Poderia ter optado por outro livro, todavia, não tanto pela história em si mas, acima de tudo, pelo que este livro representa para mim, uma fase da minha adolescência feliz, não poderia deixar de o escolher. 

 

Fado. Livro de um autor português.

500_9789722057103_perguntem_sarah_gross.jpg

 Perguntem a Sarah Gross de João Pinto Coelho. Uma leitura recente. Um livro marcante e viciante. É difícil não se deixar cativar por este livro. Viajamos, na escrita de Pinto Coelho, à Polónia antes da chegada dos nazis e da instalação de um dos campos de concentração mais mortiferos, Auschwitz-Birkenau. 

 

Latina. Um livro escrito por alguém da América Latina ou passado naquela zona. 

 Por ser, como tenho referido diversas vezes no blogue, uma amante de música latina, resolvi incluir esta categoria à tag livros musicais.

libro_1363451479.jpg

 La Isla Bajo El Mar de Isabel Allende. A escritora chilena escreveu um romance histórico poderoso e marcante sobre a escrava negra Zarité, vendida aos nove anos a um francês, dono de uma das maiores plantações de cana-de-açúcar das Antilhas e de quem, anos mais tarde, acaba por se tornar amante. Zarité, através do seu olhar, dá-nos a conhecer a vida de sofrimento e escravatura do povo negro. Confesso, todavia, que não me recordo detalhadamente da história. O meu livro está escrito em espanhol e, apesar de me ser uma língua familiar, este foi-me particularmente complicado de ler: tratava-se de um livro de bolso (e eu não sou fã desta versão, especialmente contendo letras pequenas), numa altura de pouca maturidade literária e cuja escrita achei um pouco difícil... li esta história à uns seis ou sete anos. 

Mais sobre mim

foto do autor

Mensagens

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Sigam-me

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D