Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Um Mar de Pensamentos

Um mar de leituras. Um mar de sonhos. Um mar de conquistas, lutas e fracassos. Um mar de mil pensamentos. O diário de Maria, 28 anos*

Um Mar de Pensamentos

Ter | 05.07.16

A verdade das saudades de escrever.

M*
A verdade é que eu sinto saudades de escrever. A verdade é que, igualmente e tristemente, não tenho conseguido escrever. Falta-me o tempo; ou saber organizar-me. Falta-me a vontade; ou a paciência de quem sente o desgaste físico de um trabalho esgotante. Falta-me algo. Escrever. Sinto falta de escrever: sobre mim, sobre as minhas leituras, sobre os meus mil e uns pensamentos. Ler. Ler livros, partilhar leituras, ler quem se relê nas minhas palavras. A verdade é que regresso... ou (...)
Seg | 04.01.16

2.

M*
  Era uma manhã de sábado, no meio de mil e um sentimentos de uma vida, nasce um blogue. O primeiro post é publicado às 13h25, depois de um passeio junto ao mar - recordo-me bem -, os passos seguintes são pequenos e indecisos. O blogue, este blogue, tenho-o dito várias vezes, nasceu num momento de mudança negativa da minha vida, dos medos e receios, num turbilhão de mil sentimentos. Precisava de encontrar um pouco de paz, de conforto, de esperança... escrever e desabafar o que (...)
Sex | 25.12.15

Coisas boas dos blogues... II.

M*
Os clube nasceu algures nos primeiros dias deste ano. Livros... é o amor pelos livros que caracteriza os elementos do imprevisível clube. Os primeiros emails (se a memória não me falha) trocados pelos quatro membros foi sobre livros. Foi a paixão pelas letras, personagens mil e histórias distintas, que uniu estas quatro pistogas e, com ela, está amizade mantida em trocas de mil e uns emails. O Clube das Pistogas Que Lêem, nome tão estranho e comprido, é a prova de que as (...)
Sab | 19.12.15

Coisas boas dos blogues.

M*
Numa manhã fria de Janeiro, à quase dois anos (falta menos de um mês), quando criei este blogue não tinha nenhum objectivo. Não ambicionava nada. Não esperava nada. Queria um espaço só meu, onde encontrasse um pouco de conforto, desabafando o que me ia na alma, os medos, as incertezas, os sonhos e as alegrias,  para quem me quisesse ler. Porém, aos poucos e poucos, o que começou por ser uma espécie de diário virtual cresceu, marcado pela minha necessidade de falar sobre (...)