Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Um Mar de Pensamentos

Um mar de leituras. Um mar de sonhos. Um mar de conquistas, lutas e fracassos. Um mar de mil pensamentos. O diário de Maria, 29 anos*

Um Mar de Pensamentos

Um mar de leituras. Um mar de sonhos. Um mar de conquistas, lutas e fracassos. Um mar de mil pensamentos. O diário de Maria, 29 anos*

O Eu e a religião...


M*

21.03.15

tumblr_l8ad6eGQo11qdassro1_500.jpg

Não sou religiosa. Creio que nunca o fui. Frequentei dez anos de catequese, fui baptizada, fiz a primeira comunhão, comunhão solene e crisma, frequentei anos e anos de igrejas, um colégio católico e, ainda assim, sempre tive dificuldades em acreditar no que me imponham. Cheguei, apesar de tudo, a ser convidada para catequista, não porque alguma vez tivesse mostrado o oposto e refilado - como a minha irmã mais nova - com os ensinamentos que a catequista nos imponha, mais bem, gostava de passar despercebida. Fui convidada porque, queriam renovar o leque de catequistas, aproveitando os jovens que terminavam dez anos de catequese, próximos dos mais novos. Recusei. Não disse à freira os verdadeiros motivos porque, achava que tal seria mau sinal, por respeito - foram dez anos a pregar e, ainda assim, acabava de formar uma não-religiosa - disse-lhe que não tinha tempo, que precisava de ajudar os meus pais no negócio de família. Do grupo de sete, três aceitaram a proposta, sendo que um deles é hoje padre.

 

Na verdade, creio que existiu uma fase em que acreditava, uma fase em que ouvi-a dizer que tínhamos de acreditar ou Deus castigava. Durante anos tive medo desse Deus castigador, que catequistas, mãe, avós e algumas tias falavam, o mesmo que elas diziam amar todas as crianças e que tudo sabia e olhava. Tinha-lhe tanto medo como tinha medo das agulhas - algo que ainda hoje dura. Ou, o mesmo medo que tinha quando sabia das minhas negativas a matemática e inglês... sabia sempre que levaria negativa, ano após anos e, ainda assim, o medo persistia e, nunca soube exactamente porquê. Talvez da reprimenda dos país ou das supostas aulas de apoio nunca chegaram a acontecer. Nos meus treze ou catorze anos, admito, era algo ingénua e medricas.

 

Com o tempo, comecei a tomar as minhas próprias decisões. No ensino secundário excluí a disciplina da religião e, fiz finca-pé à minha mãe... disse-lhe que não iria mais à Igreja, bastaram-me dez anos seguidos de catequese. Na época, tive inúmeras discussões com ela mas, para meu alívio, o meu irmão - temos diferença de ano e meio de idade - também se recusou a ir à Igreja. Obviamente que não aceitou de bom grado e, ainda hoje, anos depois, continua a batalhar para que ambos regressemos à Igreja... a única coisa que ainda me consegue fazer é beijar a Cruz na Páscoa - coisa que não gosto, logicamente, beijar uma Cruz onde tantas bocas já passaram antes mas que, por respeito a ela, acabo por fazer. Para ela, é-lhe um enorme desgosto que não siga os seus passo, que não acredito, que seja contra, que não vá à missa. É-lhe difícil aceitar, bem sei mas, também não me parece justo ou correcto acreditar hipocritamente em algo que não consigo acreditar. No fundo, sei que têm uma certa esperança que algo ou alguém me leve para o caminho do catolicismo...

 

Não sei muito bem em que altura deixei de acreditar em Deus e na Igreja Católica. Foi gradual. Não aconteceu de um dia para o outro, apenas gradualmente. Provavelmente, quando comecei a tomar consciência do mundo que me rodeava. A perceber que não fazia sentido fome, sofrimento e guerras com aquilo que a Igreja pregava. Quando a freira dizia que Deus sabia sempre o que fazia e eu me perguntava se, para ele, não chegavam as humilhações e gozos que sofri durante anos na escola. Ou, porque se excluía da comunhão um divorciado... Provavelmente, comecei a perceber que nada daquilo fazia sentido nas aulas de Sociologia quando, a professora nos obrigava a debater as religiões, a conhecer, a pensar. Dizia ela que, para sermos bons cidadãos, tínhamos de saber pensar e duvidar de tudo o que nos era imposto. Talvez tenha sido a Sociologia, aquela professora e aquelas aulas que me fizeram ver que, na verdade, sempre duvidará.

 

No fundo e para escrever verdade, eu acredito em algo... não é nem Jesus, Alá ou na Tora. Não sou muçulmana, nem católica ou judia, nem budista ou coisa semelhante. Não sou menos humana por não acreditar. Acredito, acima de tudo, na igualdade, no respeito, na paz e no amor. Rego-me pelos meus próprios valores, encontro no mar a paz que necessito e, em parte, a esperança que muitos dizem encontrar na Igreja. Acredito no destino, em que nada acontece por acaso, na vida. Não quero, nem vou impor aos meus filhos uma religião. Tenho a minha própria fé, a minha própria religião. Não os vou obrigar a frequentar uma catequese, como tantos pais fazem e que, crianças de tenra idade não conseguem compreender. Quero que, sejam livres de pensar, de escolher, criticar e conhecer... 

 

Creio que, o problema é mesmo esse das religiões... acreditamos em tudo o que nos dizem, sem pensar, sem duvidar, sem levantar questão. E, já nem falo daqueles falsos cristãos do olha para o que diz a Igreja, mas não olhes para o que eu realmente faço ou prático. Seguimos uma religião porque é imposta, porque é a vontade da família, porque fomos educados assim ou, simplesmente, porque sempre foi assim . Na verdade, somos mais um número de uma religião e carneirinhos que em tudo acreditam.. 

"(...) as famílias seculares apresentam muito mais solidariedade e proximidade emocional entre pais e filhos, com padrões éticos e valores morais sendo passados para as próximas gerações. Segundo o professor, “muitos pais não religiosos eram mais coerentes e envolvidos com seus princípios éticos que alguns dos pais ‘religiosos’ em nosso estudo. A maioria parecia viver vidas plenas caracterizadas por uma direcção moral e um sentido de que a vida possui um propósito. As famílias seculares têm seus próprios valores morais e preceitos éticos, entre eles a solução racional de conflitos, autonomia pessoal, livre-pensamento, rejeição de punições corporais, um espírito de questionar tudo e, principalmente, empatia. (...) No cenário internacional, países democráticos com os menores níveis de fé religiosa são também os que têm as menores taxas de crimes violentos e gozam de bem estar social relativamente alto."

(in HypeScience)

No presente, já não tenho receio em manifestar a minha opinião. Tenho a minha própria fé e agarro-me à esperança quando julgo que a vida me vai magoar. É nisto que acredito. Partilho-a, mesmo quando me mandam calar, partilho-a sem qualquer receio. E, quando me dizem, Deus ainda te vai castigar por duvidares dele, simplesmente respondo que, julgava que ele era um ser de amor e não de castigos.

 

* (e, em alguns casos, por uma aparente vaidade. porque é bonito, porque fica bem aos olhos dos demais e blablabla... e, pronto, agora espero pela chuva de comentários de toda a espécie)

13 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Mensagens

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Sigam-me

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D