Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Um Mar de Pensamentos

Um mar de leituras. Um mar de sonhos. Um mar de conquistas, lutas e fracassos. Um mar de mil pensamentos. O diário de Maria, 29 anos*

Um Mar de Pensamentos

Um mar de leituras. Um mar de sonhos. Um mar de conquistas, lutas e fracassos. Um mar de mil pensamentos. O diário de Maria, 29 anos*

No caminho de regresso a casa,


M*

15.09.17

depois de mais um dia de trabalho, qual não é o meu espanto e surpresa ao passar por um casal de idosos que passeava o seu cachorrinho num carrinho semelhante ao dos bebés. Tratando-se de um casal de idade avançada, compreendo o uso do carrinho, uma vez que os cães, mesmo os mais pequenos, são algo travessos e dados para a brincadeira, o que poderia originar problemas sérios, como uma queda. Admito, no entanto, que me senti algo chocada com a quantidade de novas invenções e formas de consumo em torno dos cães... e, claro, com a ideia de enfiar o pobre do animal num espaço fechado em vez do tradicional uso de coleira sem possibilidade de se movimentar ou cheirar. 

carrinho-cao.jpg

 

Resumindo... modernices de uma sociedade extremamente consumista.

Testemunho de uma ex-estudante do ensino privado e público.


M*

12.05.16

Estudei num colégio privado entre o quinto e o nono ano. Igualmente, o meu irmão e irmã estudaram no mesmo colégio que eu. Ele entre o quinto e o oitavo, tendo repetido o oitavo e, abandonado o colégio no nono para frequentar uma escola pública. Ela fez o primeiro e o segundo ano, correspondendo aos meus últimos anos de colégio. Os meus pais optaram por nos colocar num colégio privado porque, se por um lado consideraram ser a melhor escolha para o nosso futuro, por outro pela má experiência que tiveram comigo em escolas públicas.

 

A verdade é que os meus quatro primeiros anos numa escola pública portuguesa não foram as melhores. É certo que o percurso passou por duas escolas primárias distintas mas, também é verdade que em ambas encontrei maus professores. A professora que me calhou, nos dois primeiros anos de escola portuguesa, era das apelidadas "à-moda-antiga": usava régua de madeira de cada vez que proferia uma palavra em língua espanhola ou escrevia com erros - a minha língua materna até aos seis anos era o espanhol e devo a esta professora ter-me esquecido da mesma... e não é exagero. Posteriormente, numa nova escola e nova cidade, a professora primária era a dita baladas que nunca queria saber de trabalhos de casa ou de ensinar convenientemente. As aulas eram passadas a brincar no recreio, a desenhar e a ler contos infantis. Portanto, passei do dito "oito-ao-oitenta". O último ano de ensino primário serviu para, em grande parte, aprender a matéria do ano anterior. Não avancei para o quinto. Retiveram-me, por opção de pais e professores, para que aprendesse devidamente a matéria perdida do quarto ano. Compreende-se: se não o fizessem naquele ano, acabaria por acontecer o chumbo no ano seguinte.

  

O quinto ano foi o primeiro ano de colégio privado; o meu e o do meu irmão - uma vez que chumbei. Foi lá que entendi o significado de bullying e a diferença entre ser-se rico ou pobre aos olhos dos colegas e professores. Porém, não é sobre a experiência com os outros que me levou a escrever este post, mas sim a qualidade de ensino... embora tudo se interligue. Não posso negar que a qualidade do ensino onde estudei em muito contribuiu para aquilo que sou hoje. Um ensino onde os professores exigiam trabalho e empenho nas tarefas. Nunca me esqueci das palavras da minha directora de turma, no último ano de estudos no colégio, que não me considerava a aluna indicada para continuar a estudar ou optar por uma formação superior...

 

O colégio que frequentei era caro e recebia um qualquer apoio do Estado mas não tinha as ditas condições físicas adequadas. Aos olhos de uma estudante faltava de tudo: uma boa biblioteca, não chover dentro do pavilhão do ginásio, aquecimento, chuveiros com água quente... teria mais defeitos a apontar mas ficarei por aqui. Nem tudo era mau. Os professores, à excepção de um ou outro, realmente demonstravam o porquê de ser um colégio caro. 

 

O meu irmão ficou-se pelo oitavo ano. Por opção sua e em conjunto com os meus pais, optou por prosseguir os estudos numa escola pública. A minha irmã mais nova fez o primeiro e segundo ano, correspondendo aos meus últimos anos naquele colégio e, também ela prossegui numa escola pública. Fez-se a escolha de a trocar de escola porque eu, sendo a irmã mais velha, prosseguiria numa escola secundária pública afastada daquele colégio e não teria meios para a ir buscar e levar para casa. As más experiências em escolas públicas que os meus pais viveram comigo não se repetiu com eles. No caso da minha irmã, na verdade, foi chocante o facto de ela iniciar o terceiro ano sem saber ler correctamente, recém transferida de um colégio prestigiado da zona. 

 

balança.jpg

 

Eu que frequentei ambos os sistemas, privado e público, posso afirma que o ensino privado não é assim tão maravilhoso quanto se apregoa por aí. Sim, de facto, existem excelentes professores no ensino privado; mas também existem maus professores que em muito nos facilitam a vida... senti-o e vi-o com os meus irmãos. Mas, tal como privado existem bons e maus professores, também no público os há.

 

O meu ensino secundário foi feito numa escola pública que, para mim, foi fundamental. Eu já sabia o que era exigência mas, através desta escola, a palavra tomou outra dimensão. Digo-o e reafirmo que o nível de exigência elevou-se a patamares semelhantes a uma Universidade. Aliás, quando prosseguir os estudos a nível superior fui das poucas alunas que sabia como realmente se fazia um trabalho de pesquisa... 

 

O ensino, seja privado ou público, é feito por pessoas. Professores e auxiliares que fazem a diferença. Senti na pele os efeitos de um mau sistema de ensino público (e privado, embora nos meus irmãos) mas, igualmente, o significado de um bom sistema público e privado. O que falta em muitas escolas públicas é professores motivados para ensinar, com instalações e instrumentos adequados. O ensino privado olha, de facto, a números mas se o ensino não tiver algum tipo de qualidade, dificilmente atrairá novos alunos. O colégio onde estudei tremeu quando a fama de não conseguir impor respeito e regras aos seus alunos começou a circular.

 

Não sou a favor de se financiar escolas privadas em prejuízo das escolas públicas. Um pai ou mãe que desejam ter um filho num colégio privado devem arcar com os custos, tal como os meus pais o fizeram e não eram ricos. Não me digam que a qualidade de ensino privado é melhor porque, na verdade, não o é. Investe-se no privado sem investir-mo no público. O ensino público é investir nas pessoas, porque nem todos temos dinheiro para os privados ou realmente desejamos um ensino privado, e quando esse investimento falha... O que concordo realmente é, embora isto seja tema para outro post, reduzir o número de alunos por turma.

 

Confesso que me custa compreender toda esta pública em torno da escola pública e privada... se me falassem do desemprego que poderá atingir alguns professores mas, aparentemente, esse ficou para segundo plano. 

O lado ruim de lavar o carro ...


M*

16.02.16

... é que descobrimos que aquelas marcas pretas que julgávamos não serem mais do que sujidade, na verdade, são estranhos riscos e dos quais, almas distraídas, não fazemos ideia de como lá foram parar.

 

wedding-gallery-1.jpg

 

Era tão mais feliz quando permanecia na inocência de achar que aqueles riscos eram sujidade.

Era da tecnologia... e da solidão.


M*

28.01.16

Recentemente, numa viagem de comboio, dei por mim a observar os passageiros da minha carruagem. Grande parte da viagem fiz-a mergulhada na leitura mas, a dado momento, necessitei de parar e reflectir o que lia. Os meus pensamentos literários, tal como as imagens que visualizava da janela do comboio, rapidamente se dissiparam ao contemplar a carruagem, particularmente, duas amigas que se sentaram à minha frente. 

 

12079702_1070724626285511_731144208856113375_n.jpg

 

Contei, pelos dedos, o número de homens e mulheres que não estavam agarrados às tecnologias. Uns estudavam, outros - como eu - liam, uma jovem desenhava e outros nada faziam, contemplando a vista, ou conversando com a pessoa com quem viajavam. A esmagadora maioria das pessoas naquela carruagem perdia-se no tablet ou smartphone, nos sons de novas conversas virtuais. 

 

Duas raparigas sentaram-se nos bancos vazios à minha frente. Poucas palavras trocaram entre si. Constatei que eram conhecidas porque uma, ao ver os bancos vazios, apressou-se a chamar a outra. Sentaram-se, sem nunca largarem o telemóvel, substituindo o silêncio da amizade naquele comboio com poucas palavras. Abandonaram-o sempre agarradas a ele. 

 

Noto-o cada vez mais: as conversas de outro tempo substituídas pela tecnologia.

 

 

Não me esquece que, em tempos e quando trabalhei num café no verão, um jovem casal de namorados que todos os dias ali ia, passava largas horas agarrados aos tablets, ora a jogar ora no facebook ora sabe-se lá no quê, trocando poucas palavras e poucos beijos. Reparei, nesse trabalho, que as conversas familiares parecem ameaçadas de morte. Os pais rapidamente se aborrecem das birras dos filhos, acalmando-os com tablets. A refeição é distante, poucas palavras trocadas, mãe e pai agarrados aos telemóveis topo de gama e filhos acalmados por tablets. Vejo disto demasiadas vezes isto acontecer... Grupos de amigos incapazes de largar os telemóveis, permitindo que o silêncio se abata sobre a mesa de café.

 

A era da tecnologia, e é inevitável não o reconhecer, trouxe as suas vantagens. Porém, as desvantagens, a morte lenta das conversas familiares e de amizade valerá a pena? Os tempos mortos deixaram de ser dedicados à leitura de um livro, jornal ou revista, ou a conversar com um desconhecido. Parece que temos medo de viver o real, largar o virtual e perder qualquer nova actualização, aventurar-se no presente e desconhecido.

 

11393201_828367420580374_5582147642858123202_n.jpg

 

Recordo-me, apesar dos meus vinte e sete anos, ainda sou desse tempo, em que os telemóveis ou o tablet não ofuscava as conversas de café. Admito-o, por vezes, tenho saudades desse tempo livres. Dizem que, a cada dia, caminhávamos para a solidão, refugiando-nos na era da tecnologia... não poderia estar mais de acordo - e contra mim falo.

A ironia do desemprego.


M*

23.01.16

O senhor recrutador do Lidl considerou que o meu perfil profissional não se encaixava no de uma operadora de loja. A senhora da Adecco achou que não me enquadrava como comercial. Os senhores de um call-center em língua espanhola optaram por não me entrevistar. Na verdade, não me foi dada a hipótese de me apresentar profissionalmente, numa entrevista, às vagas referidas. 

 

O irónico disto tudo é que trabalhei, durante anos, e vou trabalhando, num café/pastelaria/restaurante, fui formadora, fiz diversos voluntariados e falo (quase, um pouco enferrujado, é verdade) fluentemente espanhol, entre outras coisas. É certo que tenho aspectos que me penalizam, formação superior, mas considerava que tinha o perfil (mais ou menos) indicado para a vaga a que me candidatei... só que não.

 

Sinto-me a saturar. É desgastante acordar, visualizar dezenas de vagas de trabalho, enviar e adaptar os currículos às vagas e, no final, nenhuma resposta receber ou indicarem que não sirvo para determinada vaga. Não sonho, desisti, de acreditar que trabalharia na minha área ou semelhante. Envio vários currículos, diariamente, para diferentes vagas. Procuro na minha zona e em zonas onde tenho amigos e familiares. Nada. Absolutamente nada. 

 

Desistir não é opção. No jogo que é o desemprego, o de sorte ou azar, a auto-estima começa a manifestar-se negativamente... sinto-me esgotada, a questionar-me se será problema meu ou se o meu currículo possui falhas.

 

38-Mil-Vagas-Temporarias-para-o-Natal-de-2011.jpg

 

Provavelmente ir à bruxa seria uma excelente ideia... começo a acreditar em maus-olhados e bruxedos.

Mais sobre mim

foto do autor

Mensagens

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Sigam-me

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D