Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Um Mar de Pensamentos

Um mar de leituras. Um mar de sonhos. Um mar de conquistas, lutas e fracassos. Um mar de mil pensamentos. O diário de Maria, 28 anos*

Um Mar de Pensamentos

Semana quatro em fotografias.

24 de 366

Organizar e limpar a estante dos livros e o cestinho dos filmes. 

24.jpg

 

25 de 366

 Dias de inverno com sol e mar.

25.jpg

 

 26 de 366

A gatinha mais meiga e fofa.

26.jpg

 

27 de 366

Escrever ao som de uma música.

27.jpg

 

28 de 366

Para o jantar... arepas!

28.jpg

 

29 de 366

Descansar, ler e comer cereais.

29.jpg

 

30 de 366

Pedi um pingo. Recebi um coração.

30.jpg 

 

O projecto 366 dias do meu ano em fotografias pode ser acompanhado no facebook e instagram do blogue e consiste, como o nome indica, em publicar uma fotografia do meu dia-a-dia. O resumo da semana será, salvo impossibilidade, publicado todos os domingos. 

Era da tecnologia... e da solidão.

Recentemente, numa viagem de comboio, dei por mim a observar os passageiros da minha carruagem. Grande parte da viagem fiz-a mergulhada na leitura mas, a dado momento, necessitei de parar e reflectir o que lia. Os meus pensamentos literários, tal como as imagens que visualizava da janela do comboio, rapidamente se dissiparam ao contemplar a carruagem, particularmente, duas amigas que se sentaram à minha frente. 

 

12079702_1070724626285511_731144208856113375_n.jpg

 

Contei, pelos dedos, o número de homens e mulheres que não estavam agarrados às tecnologias. Uns estudavam, outros - como eu - liam, uma jovem desenhava e outros nada faziam, contemplando a vista, ou conversando com a pessoa com quem viajavam. A esmagadora maioria das pessoas naquela carruagem perdia-se no tablet ou smartphone, nos sons de novas conversas virtuais. 

 

Duas raparigas sentaram-se nos bancos vazios à minha frente. Poucas palavras trocaram entre si. Constatei que eram conhecidas porque uma, ao ver os bancos vazios, apressou-se a chamar a outra. Sentaram-se, sem nunca largarem o telemóvel, substituindo o silêncio da amizade naquele comboio com poucas palavras. Abandonaram-o sempre agarradas a ele. 

 

Noto-o cada vez mais: as conversas de outro tempo substituídas pela tecnologia.

 

 

Não me esquece que, em tempos e quando trabalhei num café no verão, um jovem casal de namorados que todos os dias ali ia, passava largas horas agarrados aos tablets, ora a jogar ora no facebook ora sabe-se lá no quê, trocando poucas palavras e poucos beijos. Reparei, nesse trabalho, que as conversas familiares parecem ameaçadas de morte. Os pais rapidamente se aborrecem das birras dos filhos, acalmando-os com tablets. A refeição é distante, poucas palavras trocadas, mãe e pai agarrados aos telemóveis topo de gama e filhos acalmados por tablets. Vejo disto demasiadas vezes isto acontecer... Grupos de amigos incapazes de largar os telemóveis, permitindo que o silêncio se abata sobre a mesa de café.

 

A era da tecnologia, e é inevitável não o reconhecer, trouxe as suas vantagens. Porém, as desvantagens, a morte lenta das conversas familiares e de amizade valerá a pena? Os tempos mortos deixaram de ser dedicados à leitura de um livro, jornal ou revista, ou a conversar com um desconhecido. Parece que temos medo de viver o real, largar o virtual e perder qualquer nova actualização, aventurar-se no presente e desconhecido.

 

11393201_828367420580374_5582147642858123202_n.jpg

 

Recordo-me, apesar dos meus vinte e sete anos, ainda sou desse tempo, em que os telemóveis ou o tablet não ofuscava as conversas de café. Admito-o, por vezes, tenho saudades desse tempo livres. Dizem que, a cada dia, caminhávamos para a solidão, refugiando-nos na era da tecnologia... não poderia estar mais de acordo - e contra mim falo.

4/52S | As minhas citações preferidas são...

rekhkrhlrw.jpg

 

Semana quatro: cinco citações - de livros, filmes, músicas ou a frase de um autor - que me marcaram e considero-as como as minhas preferidas.

 

   | Mario Benedetti, do poema No Te Rindas |

No te rindas que la vida es eso,
Continuar el viaje,
Perseguir tus sueños,
Destrabar el tiempo,
Correr los escombros,
Y destapar el cielo.

 

   | Carlos Ruiz Zafón, do livro A Sombra do Vento |

- Acho que nada acontece por acaso, sabes? Que, no fundo, as coisas têm o seu plano secreto, embora nós não o entendamos. (...) Tudo faz parte de qualquer coisa que não conseguimos perceber, mas que nos possui.

   | Simón Bolívar |

Para el logro del triunfo siempre ha sido indispensable pasar por la senda de los sacrificios. 

 

   | José Saramago |

 (...) afinal há é que ter paciência, dar tempo ao tempo, já devíamos ter aprendido, e de uma vez para sempre, que o destino tem de fazer muitos rodeios para chegar a qualquer parte (...).

 

   | Fernando Pessoa |

A literatura é a maneira mais agradável de ignorar a vida.

O Rouxinol de Kristin Hannah.

Capa_Rouxinol.jpg

 O Rouxinol de Kristin Hannah é uma homenagem às mulheres e à sua capacidade de resistência e sobrevivência na II Guerra Mundial.

 

1939. Na pequena vila de Carriveau, como em toda a França, Vianne despede-se do amado marido, Antonie, que parte para a guerra. Não acredita que os nazis consigam entrar e dominar o país, acreditando no regresso rápido de Antonie. Sozinha com a filha menina, Sophie, Vianne vê os aviões inimigos sobrevoar os céus do seu país, largando bombas sobre inocentes e edifícios. Porém, quando os nazis marcham sobre a vila onde mãe e filha vivem, Vianne vê-se forçada a aceitar viver com um nazi em sua casa, alterando todas certezas e crenças. Abaladas as suas convicções e despedaça pelas perdas, Vianne descobrirá ser dona de uma força e resistência que julgava não possuir. 

 

A impulsiva e revoltada Isabelle, irmã de Vianne, conhece a dor da rejeição e a ânsia de ser amada. Recheada de sonhos e paixões, não conhece regras, Isabelle vive uma vida sem limites. A chegada dos nazis mostrará à jovem o propósito da sua existência: em vez de fugir de Paris, onde vive, Isabelle decide ficar e juntar-se à resistência francesa. Arriscando a vida, Isabelle lutará pelos seus ideais, ajudando a salvar vidas e a libertar a sua amada França do domínio nazi. 

 

- Eles não conseguiram atingir a minha alma. Não conseguiram mudar o meu ser. O meu corpo... despedaçaram-no nos primeiros dias, mas não a minha alma, V. Seja o que for que ele te fez, foi ao teu corpo, e teu corpo vai sarar.

 

Duas irmãs unidas pela dor e perda, separadas pela guerra e pela forma como a encaram. Vianne acredita que o mais correcto será aceitar os nazis, Isabelle acredita no oposto.

 

O Rouxinol não é a minha primeira aventura na escrita de Kristin Hannah. Estrada da Noite é um dos meus livros preferidos, uma história marcante e profunda sobre a morte, o perdão e o amor, um romance que jamais esquecerei. Foi excelente reencontra-me com a escrita brilhante e magnifíca de Kristin Hannah. Os seus romances transmitem verdadeiras lições. Não consigo apontar defeitos. Uma escrita despida de palavras e termos caros, acessível e cativante, Kristin Hannah cativa da primeira à última página. É impossível não reconhecer o significado e moral das suas histórias. 

 

- Espero que nunca saibas como és frágil, Isabelle.

- Eu não sou frágil - retorquiu ela.

(...)

- Todos somos frágeis, Isabelle. É isso que aprendemos na guerra.

 

Vencedor Goodreads Choice Awards 2015, na categoria de romance histórico, O Rouxinol mostra-nos a importância das mulheres na defesa e resistência francesa à ocupação nazi. Mulheres que, como Vianne e Isabelle, arriscaram a vida e procuraram lutar pelos outros e liberdade do seu país. Vianne é exemplo de sobrevivência e força, uma mãe capaz de tudo fazer, e arriscar, para proteger os filhos e aqueles que mais ama. Isabelle ensina-nos a não desistir dos sonhos e convicções, apesar das dificuldades e dos tempos difíceis. Personagens fortes, tocantes, inesquecíveis... um livro recheado de lições de vida. 

 

Recomendo a todos os amantes de livros a escrita de Kristin Hannah. Este livro seguramente, apesar de ainda ser cedo para o escrever, figurar no meu top dez de livros favoritos do ano de dois mil e dezasseis. Estrada da Noite e O Rouxinol são livros aos quais o leitor dificilmente ficará indiferente... e dificilmente esquecerá. 

 

Sorrio para eles (...) Graças a eles agora sei o que é importante, e não é aquilo que perdi. São as minhas memórias. As feridas saram. O amor perdura.

 

___

 

Título Original: The Nightingale, 2015
Autora: Kristin Hannah, EUA
Tradução: Marta Pinho/João Quina
ISBN: 9789724250601
Páginas: 480
Editora: Círculo de Leitores, 2015
Sinopse: Duas irmãs separadas pela guerra.
Vianne decide ficar. O marido partiu para a frente de guerra, mas ela não acredita que os alemães consigam invadir o país. Já Isabelle resiste ao medo, ao acatar, à presença dos nazis. Num emocionante regresso aos conturbados anos da Segunda Guerra Mundial em França, sob a ocupação nazi, Kristin Hannah constrói um envolvente romance histórico entre os diferentes caminhos escolhidos por duas irmãs, separadas pela guerra. Best-seller nos Estados Unidos, permaneceu durante seis meses consecutivos na lista dos livros mais vendidos do New York Times e os direitos de adaptação ao cinema foram já adquiridos pela TriStar Pictures.

Pág. 1/6