Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Um Mar de Pensamentos

Um mar de leituras. Um mar de sonhos. Um mar de conquistas, lutas e fracassos. Um mar de mil pensamentos. O diário de M*

Um Mar de Pensamentos

Um mar de leituras. Um mar de sonhos. Um mar de conquistas, lutas e fracassos. Um mar de mil pensamentos. O diário de M*

Dia Nove. Livro mais longo que já li.

Na minha meninice, quando escolhia um livro olhava, não só para a capa, título e sinopse mas, também, para a grossura e quantidade de páginas de um livro. Era, provavelmente, um dos primeiros critérios de selecção. Imponha limites de páginas para ler um livro. Na saga Harry Potter, cujos livros foram os únicos que ultrapassaram o meu limite de páginas, até àquela época, não me recordo de ler os três últimos livros da colecção e o quarto, por ser mais grosso do que eu esperava, demorou meses a ser concluído. Gostava de ler mas, a minha fasquia de páginas tinha de ser baixa uma vez que, considerava não ter muito tempo para as leituras. Ou, confesso-o, o número de páginas amedrontava-me.

 

Presentemente, já nada disto acontece e, o número de páginas não é limitação na hora de ler um livro. O livro mais longo que li até hoje foi, 

 

Dispara, Eu Já Estou Morto

Julia Navarro

image001-30.jpg

 Perto das oitocentos e cinquenta páginas, o primeiro livro que li desta escritora espanhola convida-nos a conhecer duas famílias, ligadas pelo destino, pelo país que as une. Um romance histórico, sobre o povo Judeu, dos progms da Rússia czarista à II Guerra Mundial, das expulsões dos Reis Católicos em Espanha aos conflitos armados do presente no Estado de Israel. É um livro rico em detalhes históricos e no desfilar de personagens, onde duas famílias, judeus e muçulmanos, vivem o presente ao sabor das circunstância socais, religiosas e políticas que as rodeia. Mais do que duas famílias em luta contra o destino, é o reflexo de tantos judeus, pela sobrevivência e por um pedaço de terra, onde possam viver sem serem perseguidos, humilhados, expulsos ou exterminados pela condição de serem judeus. Mas, é também a luta dos muçulmanos palestinianos pela terra onde sempre viveram. 

 

Dispara, Eu Já Estou Morto é um romance inesquecível sobre o conflito que divide à várias décadas israelitas e palestinianos. (falei deste livro aqui)

 

A aguardar a minha leitura nos próximos tempos, tenho na estante, este livro da mesma escritora, 

 

Diz-me Quem Sou

Julia Navarro

Diz-me quem sou.jpg

Romance histórico. Mais de mil páginas; sobre a Segunda República Espanhola e a Segunda Grande Guerra, a queda do Muro de Berlim e os anos de Guerra Fria. Será, certamente, um dos livros com mais páginas que irei ler... 

___

 

11180265_10153384994744636_836664787_n.jpg

 O desafio literário foi-me sugerido pela Magda. A ideia é, durante quarenta e cinco dias, todos os dias, à mesma hora, falar-se sobre livros, respondendo às questões sobre o universo dos livros. O objectivo do desafio é simples: se por um lado, consiste numa de gostos e experiências sob o mundo dos livros, por outro, este desafio leva-nos-à a pensar e a reflectir sobre os livros que já lemos. Iniciado a 1 de Maio de 2015 e durante 45 dias, neste blog, falar-se-à maioritariamente de livro. Não se esqueçam de visitar a Magda e conhecer as suas escolhas literárias

Zumba,

decidi, ontem, experimentar uma aula de zumba.

 

Gostei imenso e, admito que, nem teria notado a hora a passar se me tivesse lembrado de levar uma garrafa de água. Logo eu que, verdadeiramente, não sou dada a grandes aventuras no campo do desporto. Fiz várias figuras tristes como, ir para a esquerda quando a instrutora ia para a direita e outras variadas figuras tristes. A dado momento, confesso que não acompanhado o ritmo da instrutora, fazia gestos descabidos. Mas, o importante é ter, suponho eu, bem ou mal, mexido o corpo todo.

 

3fbab94a2373a870dd9e6b2daba7ac52.jpg

 

Terminada a aula e uma vez no carro, senti as pernas doridas, como se um camião me tivesse passado por cima. Quando, a caminho de casa, parei num sinal vermelho, julguei que não arrancava mais com o carro - e, de facto, quase quase me atrapalhei com o ponto de embraiagem. Hoje, para dizer a verdade, é como se tivesse sido atropelada por um comboio.

 

Segunda-feira estarei novamente presente na aula para mais umas figuras deprimentes e o sentimento de sobrevivência, primeiro, a um camião e, segundo, a um comboio. 

Dia Oito. Livro(s) tão mau que consegue ser bom.

Finalmente, ao oitavo dia, encontro uma pergunta à qual, nem um livro, apenas um, me surge na memória como resposta. De um modo geral, nos dias anteriores, procurei restringir as minhas respostas ao máximo de seis livros mas, definitivamente, nesta questão, tenho imensas dificuldades em escolher um livro... ou porque, de facto, o considerei muito bom ou porque, mesmo que não tenha sido bom, não era realmente mau ou, por fim, porque decididamente não gostei dele. Creio que, provavelmente, ainda não encontrei um livro tão mau, tão mau, mas tão mau que consegue ser bom...

 

Mas, para não deixar o oitavo dia sem resposta, eis um livro que, longe de ser bom também está longe de ser mau,

 

A Todos Os Rapazes Que Amei

Jenny Han

9789898800008.jpg

 Lara Jean, a jovem protagonista deste livro, é sonhadora, ingénua e doce. A todos os rapazes por quem, um dia, se apaixonou, escreveu uma carta, no total de cinco. Filha e irmã do meio de três raparigas, Lara vê-se envolvida numa enorme confusão quando, as cartas que escreveu e guardou numa caixa verde-azulada terminam nas mãos dos cinco rapazes.  (falei deste livro aqui)

 

Seleccionar este livro como resposta à questão, fez-me recordar de outro livro, mais ou menos do mesmo género,

 

Anna e o Beijo Francês

Stephanie Perkins

image.jpg

 Anna é uma jovem norte-americana com planos simples para o seu último ano lectivo: divertir-se com a melhor amiga e conquistar o seu amor. Quem, porém, não concorda com estes planos é o pai, um famoso cineasta e escritor, e como tal, a jovem atravessa o oceano, até Paris, para frequentar um colégio privado francês antes de ingressar numa Universidade americana. Para a jovem Anna, a cidade nada lhe diz e a adaptação é lenta e dolorosa... até conhecer um jovem colega de colégio, por quem todas as raparigas suspiram mas que já têm namorada. Anna e o jovem tornam-se bons amigos e, entre eles, algo mais do que amizade acabava por nascer mas os dois tentam fugir desse mutuo sentimento. (falei deste livro aqui)

 

Escolhi estes dois livros por se tratarem de romances juvenis, de leitura leve, doce e absorvente, que nos relembram as primeiras paixões de adolescentes. Não são livros maus são, verdadeiramente, livros normais, recheados de clichés, cujo desenrolar e final da história rapidamente o conhecemos... todos nós, na nossa adolescência, vestimos a pele dos protagonistas destes livros. 

 

Reforço a ideia de livros leves e absorventes, cuja leitura recomendo. Não são, de todo, livros maus nem livros bons... tratam-se de romances juvenis, ingénuos e doces, que vivemos ou ambicionamos viver. 

 

___

 

11180265_10153384994744636_836664787_n.jpg

 O desafio literário foi-me sugerido pela Magda. A ideia é, durante quarenta e cinco dias, todos os dias, à mesma hora, falar-se sobre livros, respondendo às questões sobre o universo dos livros. O objectivo do desafio é simples: se por um lado, consiste numa de gostos e experiências sob o mundo dos livros, por outro, este desafio leva-nos-à a pensar e a reflectir sobre os livros que já lemos. Iniciado a 1 de Maio de 2015 e durante 45 dias, neste blog, falar-se-à maioritariamente de livro. Não se esqueçam de visitar a Magda e conhecer as suas escolhas literárias

Um mar de livros... estou a ler,

Mensagens

Mais sobre mim

imagem de perfil

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.